Cais da Sagração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Coreto da Praia Grande, com a muralha do Cais da Sagração, ao fundo

O Cais da Sagração foi um antigo terminal portuário, construído na cidade de São Luís, no Maranhão, localizado na Avenida Beira-Mar.[1]

Foi o principal porto de São Luís, até a construção do Porto do Itaqui, na década de 1960.[1]

Entre o fim do século XVIII (período pombalino) até a segunda metade do século XIX, o Maranhão passou por significativa expansão econômica, em especial, pela exportação de algodão e arroz. Isso fazia de São Luís o principal porto para exportação e entrada de artigos importados na região. Nesse período, ocorreu a construção do complexo arquitetônico do Centro Histórico de São Luís.[2]

Avenida Beira-Mar e seus coqueiros

O local onde foi construído o Palácio do Governo (atual Palácio dos Leões) sofria com a intensidade das ondas do mar. Foram construídos dois baluartes (Baluarte de São Cosme e Damião), em formato de meia-lua, na tentativa de conter o avanço do mar, mas o esforço foi insuficiente para conter os danos. [2]

Desse modo, foi lançado o projeto de construção de um novo porto, com o objetivo de evitar a escavação e o desmoronamento do baluarte, facilitar a comunicação entre a Praia Grande e as ruas que terminam no mar, acabar com o pântano, que existia desde o Baluarte até os Remédios e, por fim, dar melhor estética à vista da cidade.[1]

Visão do Cais da Sagração, através do Palácio dos Leões

A construção do Cais da Sagração foi iniciada em 1841, mesmo ano da coroação de D. Pedro II como Imperador do Brasil, tendo recebido esse nome em homenagem ao novo monarca. O cais funcionaria como porto, no local onde essa atividade já existia, mas agora com novas estruturas.[2]

Foi construída uma grande extensão de muralhas espessas, feitas em alvenaria de pedra e reboco, pintadas na cor branca, interrompidas por três rampas. Duas meias-luas também interrompem o sentido retilíneo da muralha, correspondentes aos Baluartes de São Cosme e Damião. Os muros possuem bancos embutidos. Em seu entorno, fica localizada a Avenida Beira-Mar, em trecho arborizado com coqueiros. [1]

No projeto original, iria até o Convento das Mercês, mas por falta de recursos, foi limitado a onde hoje fica o Cais da Praia Grande até próximo à Praça Maria Aragão, em 1865. O local ainda funciona como terminal hidroviário, realizando parte do transporte de passageiros na Travessia São Luís-Alcântara, na Rampa Campos Melo.[2]

A obra serviu de inspiração para o escritor maranhense Josué Montello, que a imortalizou no romance Cais da Sagração, com o Mestre Severino como personagem central, um barqueiro experiente e usuário constante do principal atracadouro das embarcações na cidade de São Luís.

Monumentos[editar | editar código-fonte]

No percusso, também se encontram:

Referências

  1. a b c d «Atrações de São Luís maranhaonocongressoslcentrohistorico.blogspot» Verifique valor |url= (ajuda) 
  2. a b c d «Cais da Sagração» (PDF). UEMA- Nivaldo Germano, Elias Ribeiro, Ludmylla Fontenele, Antonia da Silva Mota. 2011 
  3. a b «Conheça curiosidades sobre alguns dos monumentos de São Luís | O Imparcial». O Imparcial. 6 de novembro de 2015 
  4. «Pedra da Memória: um monumento desconhecido por muitos | O Imparcial». O Imparcial. 19 de maio de 2016