Caju & Castanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Caju & Castanha
Informação geral
Origem Jaboatão dos Guararapes
 Pernambuco
País  Brasil
Gênero(s) Embolada, forró, repente
Período em atividade 1975 - atualmente
Integrantes Ricardo Alves da Silva
José Roberto da Silva
Ex-integrantes José Albertino da Silva (falecido)
Página oficial Site oficial

Caju & Castanha é uma dupla brasileira de embolada formada em Jaboatão dos Guararapes, inicialmente composta por irmãos naturais de Recife, estado de Pernambuco.

Carreira[editar | editar código-fonte]

A dupla Caju e Castanha foi criada pelos irmãos José Albertino da Silva (Caju) e José Roberto da Silva (Castanha) quando ainda eram crianças. Eles apresentavam-se tocando pandeiros feitos com lata de marmelada em feiras e praças de Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco. O nome da dupla foi dado por um prefeito de Jaboatão, chamado Severino Claudino[1].

Em 1975, Caju então com 12 anos de idade e Castanha com 7 anos fizeram uma participação no documentário Nordeste: Cordel, Repente, Canção, da cineasta Tânia Quaresma. Também apareceram cantando uma embolada do disco da trilha sonora do documentário[2].

No começo da década de 1980, os irmãos mudaram-se para São Paulo, onde inicialmente apresentavam-se em ônibus, participando do movimento de arte urbana da cidade. Em 1981 gravaram o seu segundo disco, Embolando na Embolada, pelo selo Jangada da EMI-Odeon. Entre outros artistas, Caju e Castanha foram retratados em filmes como Style Wars (1983), além de inúmeras aparições na televisão, rádio, livros e reportagens. Foram convidados a apresentarem-se no programa Som Brasil, onde permaneceram co-apresentando o programa entre 1984 e 1989 ao lado de Rolando Boldrin e de Lima Duarte.

No ano de 1993, a dupla passou a ser conhecida nacionalmente através da embolada "Ladrão Besta e o Ladrão Sabido", do disco Solidão de um Caminhoneiro. Em 1997, a história da dupla foi contada no documentário Som da Rua - Caju e Castanha, uma coprodução da TVE Brasil[3].

Em 2001, José Albertino da Silva (Caju) faleceu devido a um câncer no cérebro[4]. Seu último show havia ocorrido em 1999, na edição do festival Abril Pro Rock. Em seu lugar entrou seu sobrinho, Ricardo Alves da Silva, que também assumiu o nome de Caju (ou Cajuzinho)[5].

No ano de 2002, a dupla estrelou o curta-metragem Uma Pequena Mensagem do Brasil ou a Saga de Castanha e Caju contra o Encouraçado Titanic, dirigido por Walter Salles e Daniela Thomas[6]. Também dirigidos por Walter Salles, estrelaram em 2007 o curta-metragem À 8 944 km de Cannes, que integrou longa-metragem Chacun son cinéma[7], no qual 36 diretores comemoram os 60 anos do Festival de Cannes[8].

Em 2014, a dupla fez uma participação, cantando, na minissérie Amores Roubados, da Rede Globo[9]. No mesmo ano, o álbum Meu Deus Que País É Esse! foi indicado ao Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Regional ou de Raízes Brasileiras.[10]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns em estúdio e ao vivo[editar | editar código-fonte]

  • 1975 – Nordeste: Cordel, Repente, Canção [participação] (Tapecar)
  • 1981 – Embolando na Embolada (Jangada)
  • 1983 – Nossa Vida, Nossa História (Copacabana)
  • 1984 – Álbum de Família (Beverly)
  • 1985 – Sensação Estranha (Beverly)
  • 1987 – Na Pancada do Ganzá
  • 1990 – No Meio da Multidão (Sabiá)
  • 1993 – Solidão de um Caminhoneiro (Polydisc)
  • 1995 – Brasil Tributo (Colibri)
  • 1998 – Caju e Castanha Ao Vivo (Gema)
  • 1999 – As Melhores de Caju e Castanha (Copacabana)
  • 2000 – Vindo Lá da Lagoa (Trama)
  • 2001 – Super Duelo - Polysom
  • 2002 – Andando de Coletivo (Trama)
  • 2003 – Professor de Embolada (Trama)
  • 2004 – Recado a São Paulo (Trama)
  • 2005 – Embolando no Futebol (Trama)
  • 2005 – Caju e Castanha ao vivo (Trama)
  • 2006 – Levante a Taça (Trama)
  • 2007 – Professor de Embolada II (Trama)
  • 2008 – 20 Sucessos (Nany CD'S)
  • 2009 – Sorria Você Está Sendo Filmado (Nany CD'S)
  • 2009 – As 15 Mais (W Disk)
  • 2010 – Festival de Emboladas (Trama)

DVDs Ao vivo[editar | editar código-fonte]

  • 2000 – Programa Ensaio 2000
  • 2005 – Caju e Castanha Ao Vivo no Centro de Tradições Nordestinas

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lumidea. . "Caju e Castanha - Forró PHD ao pé da serra com Caju e Castanha Repentistas e Emboladres" (em pt-BR). Caju e Castanha.
  2. «Folha de S.Paulo - Embolada: Caju e Castanha apresentam curta - metragem com shows». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 2016-10-24 
  3. PORTA CURTAS[ligação inativa]
  4. «Morre em Recife o embolador Caju». Estadão. 8 de junho de 2001. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  5. "Entrevista com Caju e Castanha". Sana Inside.
  6. «FILMOGRAFIA - UMA PEQUENA MENSAGEM DO BRASIL OU A SAGA DE CASTANHA E CAJU CONTRA O ENCOURAÇADO TITANIC». bases.cinemateca.gov.br. Consultado em 2016-10-23 
  7. «IMDB». Chacun son cinéma ou Ce petit coup au coeur quand la lumière s'éteint et que le film commence. Consultado em 2016-10-24 
  8. «Walter Salles considera Cannes o refúgio do cinema de autor». Globo.com. 22 de maio de 2007. Consultado em 13 de outubro de 2014 
  9. «Caju e Castanha - Dados Artísticos». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 13 de outubro de 2014 
  10. «Nominados - 15a Entrega Anual del Latin Grammy» (em espanhol). Latin Grammy Awards official website. Consultado em 13 de outubro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Caju & Castanha

Caju e Castanha.