Caju & Castanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Caju & Castanha
Informação geral
Origem Jaboatão dos Guararapes
 Pernambuco
País  Brasil
Gênero(s) Embolada, forró, repente
Período em atividade 1975 - atualmente
Integrantes Ricardo Alves da Silva
José Roberto da Silva
Ex-integrantes José Albertino da Silva (falecido)
Página oficial Site oficial

Caju & Castanha é uma dupla brasileira de embolada formada em Jaboatão dos Guararapes, inicialmente composta por irmãos naturais de Recife, estado de Pernambuco.

Carreira[editar | editar código-fonte]

A dupla Caju e Castanha foi criada pelos irmãos José Albertino da Silva (Caju) e José Roberto da Silva (Castanha) quando ainda eram crianças. Eles apresentavam-se tocando pandeiros feitos com lata de marmelada em feiras e praças de Jaboatão dos Guararapes, Pernambuco. O nome da dupla foi dado por um prefeito de Jaboatão, chamado Severino Claudino[1].

Em 1975, Caju então com 12 anos de idade e Castanha com 7 anos fizeram uma participação no documentário Nordeste: Cordel, Repente, Canção, da cineasta Tânia Quaresma. Também apareceram cantando uma embolada do disco da trilha sonora do documentário[2].

No começo da década de 1980, os irmãos mudaram-se para São Paulo, onde inicialmente apresentavam-se em ônibus, participando do movimento de arte urbana da cidade. Em 1981 gravaram o seu segundo disco, Embolando na Embolada, pelo selo Jangada da EMI-Odeon. Entre outros artistas, Caju e Castanha foram retratados em filmes como Style Wars (1983), além de inúmeras aparições na televisão, rádio, livros e reportagens. Foram convidados a apresentarem-se no programa Som Brasil, onde permaneceram co-apresentando o programa entre 1984 e 1989 ao lado de Rolando Boldrin e de Lima Duarte.

No ano de 1993, a dupla passou a ser conhecida nacionalmente através da embolada "Ladrão Besta e o Ladrão Sabido", do disco Solidão de um Caminhoneiro. Em 1997, a história da dupla foi contada no documentário Som da Rua - Caju e Castanha, uma coprodução da TVE Brasil[3].

Em 2001, José Albertino da Silva (Caju) faleceu devido a um câncer no cérebro[4]. Seu último show havia ocorrido em 1999, na edição do festival Abril Pro Rock. Em seu lugar entrou seu sobrinho, Ricardo Alves da Silva, que também assumiu o nome de Caju (ou Cajuzinho)[5].

No ano de 2002, a dupla estrelou o curta-metragem Uma Pequena Mensagem do Brasil ou a Saga de Castanha e Caju contra o Encouraçado Titanic, dirigido por Walter Salles e Daniela Thomas[6]. Também dirigidos por Walter Salles, estrelaram em 2007 o curta-metragem À 8 944 km de Cannes, que integrou longa-metragem Chacun son cinéma[7], no qual 36 diretores comemoram os 60 anos do Festival de Cannes[8].

Em 2014, a dupla fez uma participação, cantando, na minissérie Amores Roubados, da Rede Globo[9]. No mesmo ano, o álbum Meu Deus Que País É Esse! foi indicado ao Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Regional ou de Raízes Brasileiras.[10]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns em estúdio e ao vivo[editar | editar código-fonte]

  • 1975 – Nordeste: Cordel, Repente, Canção [participação] (Tapecar)
  • 1981 – Embolando na Embolada (Jangada)
  • 1983 – Nossa Vida, Nossa História (Copacabana)
  • 1984 – Álbum de Família (Beverly)
  • 1985 – Sensação Estranha (Beverly)
  • 1987 – Na Pancada do Ganzá
  • 1990 – No Meio da Multidão (Sabiá)
  • 1993 – Solidão de um Caminhoneiro (Polydisc)
  • 1995 – Brasil Tributo (Colibri)
  • 1998 – Caju e Castanha Ao Vivo (Gema)
  • 1999 – As Melhores de Caju e Castanha (Copacabana)
  • 2000 – Vindo Lá da Lagoa (Trama)
  • 2001 – Super Duelo - Polysom
  • 2002 – Andando de Coletivo (Trama)
  • 2003 – Professor de Embolada (Trama)
  • 2004 – Recado a São Paulo (Trama)
  • 2005 – Embolando no Futebol (Trama)
  • 2005 – Caju e Castanha ao vivo (Trama)
  • 2006 – Levante a Taça (Trama)
  • 2007 – Professor de Embolada II (Trama)
  • 2008 – 20 Sucessos (Nany CD'S)
  • 2009 – Sorria Você Está Sendo Filmado (Nany CD'S)
  • 2009 – As 15 Mais (W Disk)
  • 2010 – Festival de Emboladas (Trama)

DVDs Ao vivo[editar | editar código-fonte]

  • 2000 – Programa Ensaio 2000
  • 2005 – Caju e Castanha Ao Vivo no Centro de Tradições Nordestinas

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lumidea. «Caju e Castanha - Forró PHD ao pé da serra com Caju e Castanha Repentistas e Emboladres». Caju e Castanha 
  2. «Folha de S.Paulo - Embolada: Caju e Castanha apresentam curta - metragem com shows». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 24 de outubro de 2016 
  3. PORTA CURTAS[ligação inativa]
  4. «Morre em Recife o embolador Caju». Estadão. 8 de junho de 2001. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  5. «Entrevista com Caju e Castanha». Sana Inside 
  6. «FILMOGRAFIA - UMA PEQUENA MENSAGEM DO BRASIL OU A SAGA DE CASTANHA E CAJU CONTRA O ENCOURAÇADO TITANIC». bases.cinemateca.gov.br. Consultado em 23 de outubro de 2016 
  7. «IMDB». Chacun son cinéma ou Ce petit coup au coeur quand la lumière s'éteint et que le film commence. Consultado em 24 de outubro de 2016 
  8. «Walter Salles considera Cannes o refúgio do cinema de autor». Globo.com. 22 de maio de 2007. Consultado em 13 de outubro de 2014 
  9. «Caju e Castanha - Dados Artísticos». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 13 de outubro de 2014 
  10. «Nominados - 15a Entrega Anual del Latin Grammy». Latin Grammy Awards official website (em espanhol). Consultado em 13 de outubro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Caju & Castanha

Caju e Castanha.