Calímaco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura pelo escultor grego, consulte Calímaco (escultor).
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Calímaco (em grego clássico: Καλλίμαχος; transl.: Kallímakhos; 310 a.C.240 a.C.), foi um poeta, bibliotecário, gramático e mitógrafo grego.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Cirene (atual Shahhat, Líbia), Calímaco foi educado em Atenas. Após um período em que ensinou gramática, em Elêusis, transferiu-se para o Egito onde, ao longo de seus últimos vinte anos de vida, esteve a serviço dos reis Ptolomeu II Filadelfo e Ptolomeu III Evérgeta.

Tendo se tornado diretor da Biblioteca de Alexandria, criou um catálogo das obras existentes naquela biblioteca - os Pinaces - com autores por ordem alfabética e com breve biografia de cada um deles. Após Zenódoto de Éfeso, Calímaco foi o segundo diretor da Biblioteca de Alexandria, seguido por seu discípulo Eratóstenes de Cirene [1].

Alguns dos mais importantes poetas e gramáticos gregos foram seus alunos. Seus epigramas estão entre as grandes criações do gênero, e seus poemas elegíacos foram, mais tarde, elogiados e utilizados como fonte de inspiração por gregos e pelos poetas romanos, Caio Valério Catulo, Públio Ovídio Nasão (43 a.C. - 18 a.C.) e Sextus Aurelius Propertius (43 a.C. - 17 a.C.).

Calímaco tinha uma visão muito especial da Literatura, o que o tornou um dos máximos expoentes do helenismo. Sustentava, também, uma particular concepção de epopeia [2], sobre a qual polemizou com seu discípulo, Apolônio de Rodes. Por outro lado, era antiaristotélico, contestando a unidade, a perfeição e a extensão defendidas pelo filósofo.

De suas mais de 800 obras, apenas 6 hinos, 64 epigramas e fragmentos (de papiros) de outros livros chegaram até nós, dentre elas:

Obras relacionadas[editar | editar código-fonte]

Alguns epigramas foram traduzidos por José Paulo Paes em Poemas da Antologia Grega ou Palatina (São Paulo: Companhia das Letras, 1995)

Referências

  1. [1] The MacTutor History of Mathematics archive, Universidade de Saint Andrews (Escócia). (em inglês)
  2. Calímaco era grande apreciador de Homero, a quem considerava inimitável
  3. Conhecemos esse poema apenas através de uma imitação de Catulo

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • R. Pfeiffer. Callimachus. Oxford, 1949.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Zenódoto de Éfeso
Diretores da

Biblioteca de Alexandria
260 a.C. - 240 a.C.

Sucedido por
Apolônio de Rodes
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Calímaco