Calane da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2011).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Calane da Silva
Conhecido(a) por Escritor, poeta, jornalista e professor.
Nascimento 20 de outubro de 1945 (71 anos)
Lourenço Marques, Moçambique
Residência Maputo Moçambique
Nacionalidade Moçambique Moçambicano
Prémios Prémio José Craveirinha de Literatura (2010)

Raul Alves Calane da Silva (Lourenço Marques, 20 de Outubro de 1945) é um poeta, escritor e jornalista moçambicano.[1]

Calane da Silva coordenou a Gazeta Artes e Letras da revista Tempo, em 1985, e foi chefe da redação da Televisão Experimental de Moçambique, em 1987.

Foi igualmente membro da direcção da Associação dos Escritores Moçambicanos.

Formação académica[editar | editar código-fonte]

Obteve o grau de mestre em Linguística Portuguesa pela Universidade do Porto, com a dissertação A pedagogia do léxico: as escolhas lexicais bantus, os neologismos luso-rongas e a sua função estilística e estético-nacionalista nas obras Xigubo e Karingana wa Karingana de José Craveirinha,[2] bem como o grau de doutor em Linguística Portuguesa pela mesma universidade com uma tese intitulada Do léxico à possibilidade de campos isotópicos literários.[3]

Actividade académica e cultural[editar | editar código-fonte]

É docente de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa da Universidade Pedagógica e Director do Centro Cultural Brasil-Moçambique em Maputo, sendo responsável pela dinamização das actividades culturais que nos últimos anos se assistem naquele local. Membro do Conselho Consultivo do MIL: Movimento Internacional Lusófono.

Prémios e condecorações[editar | editar código-fonte]

Foi condecorado, em 2011, em Maputo, com a Comenda da Ordem de Rio Branco, por ocasião do Dia do Diplomata.

Em 22 de novembro de 2011 foi anunciado como vencedor do Prémio José Craveirinha, o maior galardão literário moçambicano, que distinguiu a sua carreira na literatura e no ensaio.[4]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Dos meninos da Malanga. Maputo: Cadernos Tempo, 1982.
Poesia
  • Xicandarinha na lenha do mundo. Maputo: Associação dos Escritores Moçambicanos, 1988. Colecção Karingana.
Contos. Capa de Chichorro.
  • Olhar Moçambique. Maputo: Centro de Formação Fotográfica, 1994
  • Gotas de Sol. Maputo: Associação dos Escritores Moçambicanos, 2006.
Vencedor do concurso literário «Prémio 10 de Novembro», organizado conjuntamente pelo Conselho Municipal da Cidade de Maputo e pela Associação dos Escritores Moçambicanos quando do aniversário da capital de Moçambique.
  • A Pedagogia do Léxico. O Estiloso Craveirinha. As escolhas leixicais bantus, os neologismos luso-rongas e a sua função estilística e estético-nacionalista nas obras Xigubo e Karingana wa Karingana. Maputo: Imprensa Universitária, 2002.
Publicação da tese de mestrado.
Prefácio de Mário Vilela.
  • Gil Vicente: folgazão racista? (O riso e o preconceito racial no retrato de algumas minorias na obra vicentina). Maputo: Imprensa Universitária, 2002
  • Tão bem palavra: estudos de linguística sobre o português em Moçambique com ênfase na interferência das línguas banto no português e do português no banto. Maputo: Imprensa Uniersitária, 2003
  • Lírica do Imponderável e outros poemas do ser e do estar. Maputo: Imprensa Universitária, 2004
  • Ao mata bicho: Textos publicados no semanário “O brado Africano”. Lisboa: Texto Editores, 2006
  • Nyembêtu ou as Cores da Lágrima. Romance. Lisboa: Texto Editores. 2008.[5]
  • Pomar e Machamba ou Palavras. Maputo: Imprensa Universitária, 2009.
  • O João à procura da palavra poesia. Maputo: Imprensa Universitária, 2009.
  • Do léxico à possibilidade de campos isotópicos literários. Tese de doutoramento.[3]

Notas

  1. Calane da Silva na Infopédia.
  2. Mestrado de Calane da Silva, na Universidade do Porto.
  3. a b Texto integral da tese.
  4. Notícia sobre a atribuição do prémio.
  5. Notícia da apresentação do livro Nyembêtu ou as Cores da Lágrima na Byblos.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BOSSONG, G.; DÖHLA, Hans-Jörgen & MONTERO-MUÑOZ, Raquel. Lenguas em diálogo: el iberromance y su diversidad lingüística y literaria. Iberroamericana Editorial, 2008.
  • CHAVES, Rita de Cássia Natal. Angola e Moçambique: experiência colonial e territórios literários. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.
  • FLORY, Sueli Fadul Villiboi; MACEDO, Tania; MAQUÊA, Vera; SANTILLI, Maria Aparecida. Literaturas de Língua Portuguesa. São Paulo: Arte & Ciência, 2007.
  • KOOTENAAR, N. & MEYER, B. Nouveaux visages de la litteráture Africaine. Rodopi, 2009.
  • LABAN, Michel. «Écrivains et pouvoir politique au Mozambique après l'indépendence» in Lusotopie 1995: transitions libérales em Afrique lusophone. Kathala Editions, 1995.
  • MAIER, Karl. Conspicuous destruction: war, famine and the reform process in Mozambique. Human Rights Watch, 1992.
  • MEDINA, Cremilda. Povo e Personagem. Editora da ULBRA, 1996.
  • MEDINA, Cremilda. A arte de tecer o presente: narrativa e cotidiano. São Paulo: Summus Editorial, 2003.
  • OWONMOYELA, Oyenkan. A history of twentieth-century African literatures. University of Nebrasca Press, 1993.
  • SILVA, Calane da. A voz da palavra – lume da identidade nacional. African Review Books.
  • SILVA, Manoel de Souza. Do alheio ao próprio: a poesia em Moçambique. São Paulo: EDUSP, 1996.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.