Camada germinativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Uma camada germinativa ou capa germinativa é um conjunto de células formadas durante a embriogênese.

Camadas germinativas são somente pronunciadas nos vertebrados. Entretanto, todos os animais mais complexos que as esponjas (eumetazoários e agnotozoários) produzem duas ou três principais camadas de tecido primárias ou camadas germinativas (algumas vezes chamadas camada germinativas primárias). Animais com simetria radial, como cnidários, produzem duas chamadas ectoderme e endoderme, sendo eles diploblásticos. Animais com simetria bilateral produzem uma terceira camada entre estas chamada mesoderme, sendo eles triploblásticos. Camadas germinativas irão eventualmente dar início a todo os tecidos do animal e seus órgãos através de um processo chamado organogênese.

Camadas germinativas[editar | editar código-fonte]

Gastrulação de um diploblasto: A formação de camadas germinativas de uma (1) blástula à (2) gástrula. Algumas das células da ectoderme (laranja) movem-se para dentro formando a endoderme (vermelha).

Caspar Friedrich Wolff observou a organização do embrião primordialmente em camadas lâminas. Posteriormente, Heinz Christian Pander descobriu camadas germinativas enquanto estudava embriões de galinha.

Entre os animais, esponjas do mar mostram a organização mais simples, tendo uma única camada germinativa. Embora diferenciassem células (por exemplo coanócitos, faltam a coordenação verdadeira do tecido. Animais diploblásticos, cnidários e ctenóforos, mostram um aumento na complexidade, tendo duas camadas germinativas, endoderme e ectoderme. Os animais de diploblásticos são organizados em tecidos reconhecíveis. Todos os animais mais elevados (dos platelmintos ao homem) são triploblásticos, tendo ainda a mesoderme. Os animais triploblásticos desenvolvem órgãos reconhecíveis.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Fertilização conduz à formação de um zigoto. Durante o próximo estágio, a clivagem, as divisões por mitose das células transformam o zigoto em um pequena bola de células, uma blástula. Esta forma embrional inicial passa por uma glastrulação, formando um gástrula com duas ou três camadas (as camadas germinativas). Em todos os vertebrados, estes são as precursoras de todos os tecidos e órgãos adultos.

A aparência do arquêntero marca o início da gastrulação.

Em humanos, após aproximadamente três dias, o zigoto forma uma sólida massa de células por divisão por mitose, chamada mórula. Esta então modifica-se em um blastocisto, consistindo de uma camada externa chamada trofoblasto, e uma interna chamada embrioblasto.

Preenchido com o líquido uterino, o blastocisto rompe-se da zona pelúcida e submete-se a implantação. A massa interna de células tem inicialmente duas camadas: o hipoblasto e epiblasto. No fim da segunda semana, a linha primitiva aparece. O epiblasto nesta região move-se para a linha primitiva, mergulha-se para baixo nela, e dá forma a uma camada nova, chamada endoderme, empurrando o hipoblasto afastado (este vai dar forma ao âmnion). O epiblasto continua movendo-se e dá forma a uma segunda camada, o mesoderme. A camada superior é chamada agora ectoderme.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.