Camilo de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Camilo de Oliveira
Nome completo Camilo Venâncio de Oliveira
Nascimento 23 de julho de 1924 (91 anos)
Buarcos, Portugal
Nacionalidade Portugal português
Ocupação Actor
IMDb: (inglês)

Camilo Venâncio de Oliveira (Figueira da Foz, Buarcos, 23 de Julho de 1924) é um actor e argumentista português.

Vida[editar | editar código-fonte]

Nasceu nos camarins[1] do Teatro do Grupo Caras Direitas, localizado em Buarcos, na altura o único teatro existente no concelho da Figueira da Foz, filho de Camilo Arjona de Oliveira, falecido em 1981, e de sua primeira mulher Ester Venâncio de Oliveira. Em finais de Setembro de 2012, houve rumores da sua morte, um boato que os jornais se apressaram a desmentir.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Camilo estreou-se na companhia itinerante da família com apenas nove anos. Depois saiu da Figueira da Foz para Lisboa em busca de uma carreira. A sua primeira revista foi Lisboa é Coisa Boa em 1951.

Durante a sua vida, tem contracenado com diversos artistas, como por exemplo Beatriz Costa, Raul Solnado, Vasco Santana, Ribeirinho, entre outros mais contemporâneos.. Entre 1995 e 2009, protagonizou várias séries cómicas com uma personagem com o seu nome, com apelidos diferentes de série para série. Essa personagem assumia vários estilos de vida, porém sempre na linha da comédia de pripécia. Foram ao todo, 7 séries, 6 das quais exibidas na SIC e, uma na RTP1:

Em relação ao teatro, Camilo de Oliveira fez 47 revistas à portuguesa.

"Camilo de Oliveira - As Regras da Minha Vida" relata uma carreira de décadas.

Desde o fim das gravações de Camilo, o Presidente que, o actor se reformou definitivamente. Ainda surge em publico, concedendo esporadicamente entrevistas a talk-shows; a ultima das quais dada a Manuel Luís Goucha, no seu programa Você na TV!, na TVI, do dia 3 de Abril de 2015.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Camilo já foi casado com Io Appolloni, actriz italiana, nascida em 1945 e, radicada em Portugal, desde 1965. Desse casamento, é pai de Camilo Humberto Appolloni de Oliveira, nascido em 1968 ou 1969. É também pai de Camilo Luís Bettencourt de Oliveira, nascido em 1981, do seu casamento com Maria Luísa Bettencourt. Desde 2002, é casado com a actriz Paula Marcelo, nascida em 1967. Não tem filhos deste casamento.

Televisão[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1951 - Lisboa é Coisa Boa
  • 1951 - Ó Papão Vai-te Embora
  • 1952 - Portugal Espanha
  • 1953 - Saias Curtas
  • 1954 - Cala o Bico
  • 1954 - Viva o Homem
  • 1955 - Melodias de Lisboa
  • 1956 - Daqui Fala o Zé
  • 1956 - A Torre Encantada
  • 1957 - Já Cá Canta
  • 1957 - Música, Mulheres e...
  • 1958 - Abaixo as Saias
  • 1958 - Uma Nora Ideal
  • 1959 - Champanhe Saloio
  • 1960 - Acerta o Passo
  • 1961 - De Pé Atrás
  • 1961 - Não Brinques Comigo
  • 1961 - O Trunfo é Espadas
  • 1962 - Com Sal e Pimenta
  • 1962 - O Gesto é Tudo
  • 1963 - Ó Pá, Não Fiques Calado
  • 1963 - Vamos á Festa
  • 1964 - Todos ao Mesmo
  • 1965 - E Viva o Velho
  • 1965 - Sopa no Mel
  • 1966 - Esta Lisboa Que Eu Amo
  • 1966 - Tudo á Mostra
  • 1967 - Duas Pernas... Um Milhão
  • 1967 - Como Vencer na Vida Sem Fazer Força
  • 1968 - Lisboa é Sempre Mulher
  • 1969 - Ri-te Ri-te
  • 1970 - Quando Ela se Despiu
  • 1970 - Alto Lá Com Elas
  • 1971 - Frangas na Grelha
  • 1972 - Uma Cama Para Toda a Gente
  • 1973 - Mulheres é Comigo
  • 1973 - Um Padre á Italiana
  • 1973 - O Príncipe e a Corista
  • 1974 - Isso Não Se Faz á Tia
  • 1975 - Pascoal
  • 1976 - As Coisas Que Um Padre Faz
  • 1978 - Aldeia da Roupa Suja
  • 1979 - Alô Lisboa, Daqui Porto
  • 1979 - Isso é Que Era Bom
  • 1980 - Não Deites Foguetes
  • 1981 - Virgem Até Certo Ponto
  • 1983 - Há Mas São Verdes
  • 1985 - Coronel em Dois Atos
  • 1987 - Cá Estão Eles
  • 1989 - As Calcinhas Amarelas
  • 1990 - Ai... Cavaquinho
  • 1992 - Isto É Que Vai Uma Crise
  • 1992 - Toma Lá Que É Democrático
  • 1993 - O Padre Pimentinha
  • 1994 - Ao Que Nós Chegámos
  • 1996 - Camilo & Filhas
  • 2000 - Certinho e Direitinho
  • 2003 - O Padre Camilo
  • 2008 - O Meu Rapaz é Rapariga

Cinema[editar | editar código-fonte]

  • Ao Que Nós Chegámos... - 1995
  • O Ladrão de Quem Se Fala - 1969

Referências

  1. "Gala de Homenagem a Camilo de Oliveira". Diário de Notícias (Portugal). Dn.pt. Consult. 25 de janeiro de 2015. 
  2. "Rumor da morte de Camilo". Diário de Notícias (Portugal). Dn.pt. Consult. 6 de outubro de 2012. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.