Campanha Antidireitista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

História da República Popular da China

National Emblem of the People's Republic of China (2).svg

Era Mao Tse-tung (1949–1976)
Guerra Civil Chinesa
Revolução Comunista Chinesa
Anexação do Tibete
Guerra da Coreia
Zhen Fan
Campanhas Três-Anti/Cinco-Anti
Campanha das Cem Flores
Campanha Antidireitista
Grande Salto para Frente
Ruptura sino-soviética
Fome de 1958-1961 na China
Guerra sino-indiana
Revolução Cultural
Lin Biao
Bando dos Quatro
Criticar Lin, Criticar Confúcio
Protestos de Tian'anmen
Era Deng Xiaoping (1976–1989)
Abertura econômica da China
Quatro Modernizações
Guerra Sino-vietnamita
Massacre na Praça da Paz Celestial
Um país, dois sistemas
Reunificação Chinesa
China Atual
Distúrbios no Tibete em 2008
Sismo de Sichuan de 2008
Jogos Olímpicos de Verão
Distúrbios em Xinjiang

Ver Também:
História da China
História da ciência e tecnologia na China

Líderes Proeminentes
Mao - Deng - Jiang - Hu
Outros temas sobre a China
Cultura - Economia
Geografia - Política - Educação
Portal:China


A Campanha Antidireitista ou Movimento Antidireitista (em chinês:反右派运动, pinyin: fǎn yundong Yòupài) da República Popular da China no final da década de 1950 a 1960 foi uma série de campanhas para expurgar os indivíduos considerados "de direita" dentro e fora do Partido Comunista Chinês. As campanhas foram iniciadas pelo líder comunista chinês Mao Tsé-tung. A definição de "direitistas" nem sempre foram consistentes -, mas em geral se refere aos intelectuais que apareceram a favor do capitalismo e as divisões de classe e contra a coletivização. Esta política perseguiu cerca de 550.000 pessoas.[1]

Antecedentes históricos[editar | editar código-fonte]

Voltando atrás talvez até a Longa Marcha, havia um ressentimento contra os elementos da chamada "direita" dentro do governo liderado pelo Partido Comunista Chinês, como Zhang Bojun..[2]

Origens[editar | editar código-fonte]

Uma dos muitos desfiles para mostrar apoio ao regime comunista chinês durante a década de 1950.

A Campanha Antidireitista foi uma reação decorrente da Campanha das Cem Flores, que já havia promovido uma fugaz liberdade de expressão e de crítica ao governo. Nunca foi totalmente claro se isso foi uma tática deliberada e maliciosa de Mao para detectar indivíduos críticos de "direita" ou se, pelo contrário, o líder chinês, inicialmente foi idealista, porém com os movimentos de contestação e ondas de protesto que irromperam por todo o país, decidiu, finalmente que as coisas tinham ido longe demais e que se tornou imperativo detê-los, levando Mao a interromper a política de tolerância e liberalização e reprimir violentamente os dissidentes e críticos.

Primeira onda[editar | editar código-fonte]

A primeira onda de ataques começou em julho de 1957, imediatamente após o término da Campanha das Cem Flores. Até o final desse ano, cerca de 300.000 pessoas tinham sido rotuladas como "direitistas", incluindo a escritora Ding Ling, o então futuro ministro Zhu Rongji, que até então estava trabalhando na Comissão Estadual de Planejamento, foi expurgado em 1958. Naturalmente, a maioria dos acusados eram intelectuais. As sanções incluíram crítica informal dos "desviantes", sua "reeducação" através do trabalho (forçado) e, em alguns casos, a sentença de morte.

Um dos principais alvos foi o sistema judiciário independente. Muitos advogados e juízes foram transferidos para outros trabalhos e o poder judicial é exercido pelos quadros ideológicos e políticos por parte da polícia.


Segunda onda[editar | editar código-fonte]

A segunda parte da campanha surgiu após o comício em favor de Lushan, que decorreu entre 2 de julho e 16 de agosto de 1959. A reunião, condenou o General Peng Dehuai, que havia criticado as políticas econômicas do Grande Salto para Frente.


Revisionismo histórico depois da era Mao[editar | editar código-fonte]

Mao morreu em 9 de Setembro de 1976, acabando com a anti-antirevisionista e anti-direitista Revolução Cultural. Em 1979, o governo reformista de Deng Xiaoping revogada muitas das condenações decorrentes da campanha. O novo líder defende que "Devemos estar preocupados com o desvio de direita, mas principalmente pela esquerda.[3] Muitas das pessoas acusadas de "direitismo" e que tinham sido processados por esse crime durante 22 anos, de repente viram-se como nunca terem sido condenados a este respeito.

Sobre a censura na China[editar | editar código-fonte]

O debate sobre a Campanha antidireitista é ainda um assunto sujeito a pesada censura dentro da China. Em 2007, o livro "O passado é como fumaça", escrito por Zhang Yihe (cujo pai tinha sido perseguido por ser de "direita") foi proibido, porque tratava de um tema "espinhoso", devido à sua discussão sobre o Movimento Antidireitista. Em sua reunião no início deste ano, o Departamento Central de Propaganda do Partido Comunista Chinês listou a Campanha Antidireitista como um tema a ser restringido nos meios de comunicação e publicações de livros.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Uneasy silences punctuate 60th anniversary coverage». China Media Project. Consultado em 30 de setembro de 2009 
  2. The International PEN Award For Independent Chinese Writing, EastSouthWestNorth, retrieved 2007-01-19.
  3. Petition for redress to those wrongfully labeled rightists