Campanha de Arthur do Val à prefeitura de São Paulo em 2020

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Campanha de Arthur do Val à prefeitura de São Paulo em 2020
Eleição Municipal de São Paulo em 2020
Candidatos Arthur do Val
deputado estadual por São Paulo
(2018—presente)

Adelaide Oliveira
Partido Patriota
Website arthurdoval.com.br

A campanha à prefeitura de São Paulo de Arthur do Val começou em 7 de setembro de 2020, quanto teve sua candidatura oficializada pelo Patriota. Eleito deputado estadual por São Paulo em 2018, teve foco nas redes sociais e não utilizou fundo eleitoral, além de fazer parte de diversos protestos. Seu último ato de campanha foi feito no dia 14 de novembro.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Logotipo do Movimento Brasil Livre (MBL).

Em 25 de maio de 2015, Arthur criou seu canal na plataforma YouTube, intitulado "Mamaefalei", que foi como começou a ficar conhecido.[1] No canal, ele expõe suas posições sobre política e economia e frequentemente critica a esquerda. Em 2016, se tornou membro do Movimento Brasil Livre (MBL), um movimento que defende o livre mercado no país, e passou a produzir conteúdos para o grupo.[2] Vendo o crescimento de seu canal, decidiu se candidatar a deputado estadual por São Paulo nas eleições gerais no Brasil em 2018, pelo Democratas (DEM),[1] sem utilizar fundo eleitoral,[3] e foi eleito para o cargo como o segundo mais votado.[4]

Em 15 de novembro de 2019, Arthur foi indicado pelo MBL como pré-candidato à prefeitura de São Paulo, mas com incerteza em relação a seu partido.[5] Três dias depois, foi expulso do DEM por atos "incompatíveis com as deliberações do partido."[6] No dia 5 de fevereiro de 2020, se filiou ao Patriota.[7]

Campanha[editar | editar código-fonte]

Arthur na Câmara dos Deputados em 2019.

Características[editar | editar código-fonte]

A campanha de Arthur teve foco nas redes sociais, com o material físico sendo mínimo. Ele declarou que "As minhas redes têm crescido quando eu falo de campanha, o que é uma coisa rara. Normalmente político quando chega na campanha diminui, porque as pessoas estão de saco cheio de coisas tradicionais."[8] Arthur aceitou doações via Apoia.org como um contraponto ao fundo eleitoral. Até 24 de setembro, havia recebido 116,7 mil reais pela plataforma.[9] Arthur e Levy Fidelix foram os únicos da eleição à prefeitura de São Paulo a não utilizar o fundo.[10]

História[editar | editar código-fonte]

No dia 7 de setembro de 2020, teve sua candidatura oficializada pelo Patriota, junto com sua candidata a vice Adelaide Oliveira.[11][12][13][14] O anúncio aconteceu em uma convenção do partido realizada em sistema de drive-in na Zona Sul da cidade.[11] Seu nome de urna seria apenas "Arthur do Val", como uma forma de se afastar de sua "postura provocativa", de acordo com Matheus Lara, do Estadão. No entanto, o nome foi mudado duas semanas após o início da campanha; de acordo com Rubinho Nunes, advogado de Arthur, "Foi um problema. As pessoas conheciam o 'Mamãe Falei', não o Arthur".[15]

Arthur fez um protesto no Pátio do Colégio (na imagem) onde criticou o uso do fundo eleitoral.

No dia 1 de outubro, Arthur processou Guilherme Boulos, do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), por divulgar uma pesquisa do site Radar Urbano em que Boulos teria 77 por cento das intenções de voto; Rubinho Nunes declarou que houveram dois crimes eleitorais: divulgação de pesquisa fraudulenta e o apoio a Boulos declarado pelo portal, que configuraria crime pois "a legislação proíbe propaganda em sites de pessoa jurídica, oficiais ou hospedados por órgãos de administração pública".[16] No dia 8, fez uma campanha no Pátio do Colégio, na Zona Central, onde prometeu revitalizar a região, distribuindo adesivos e conversando com os eleitores presentes. No local, também participou de uma manifestação organizada pelo seu partido contra o uso do fundo eleitoral. Os manifestantes levaram um bolo e colocaram sobre ele um pedaço de papelão simbolizando um cheque do fundo eleitoral. À ordem de comando de Arthur num megafone, avançaram sobre o bolo, que se despedaçou.[17]

No dia 11, em transmissão ao vivo, Arthur declarou que Bruno Covas, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) havia entrado com representação na Justiça contra o candidato,[18] posteriormente revelado como um pedido de direito de resposta.[19] Arthur disse que Covas queria censurá-lo de falar sobre a "Máfia das Multas", e prometeu que iria protestar contra o prefeito em frente ao radar "que mais multava";[18] no dia seguinte, Arthur reuniu apoiadores na Zona Sul para protestar contra os radares da cidade, chamando atenção para um radar localizado no viaduto João Julião da Costa Aguiar, que dá acesso à Avenida 23 de Maio.[20] No dia 14, a Justiça Eleitoral de São Paulo negou o pedido de direito de resposta a Covas; em nota, a campanha de Covas disse que "o Ministério Público deu parecer favorável ao PSDB, mas a decisão do juiz foi desfavorável. O PSDB não concorda e vai recorrer da decisão".[19] No dia 23, fez uma palestra sobre educação financeira para jovens no Jardim Vista Alegre, onde falou sobre seus projetos "Escola 360" e "Jovem Capitalista" (mais detalhes na seção § Plano de governo).[21] No dia 29, Arthur organizou um simpósio sobre segurança pública na Associação de Subtenentes e Sargentos da Polícia Militar de São Paulo (ASSPM), junto com Adelaide e o candidato a vereador Ligieri.[22]

No dia 5 de novembro, o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo aplicou uma multa de oito mil reais a Arthur por "pagamento irregular de impulsionamento de vídeos nas redes sociais" contra o candidato Celso Russomanno. O juiz eleitoral Guilherme Silva e Souza disse que Arthur teve "clara intenção não apenas de ofender, como de tentar levar os eleitores a não votar no candidato". Rubinho Nunes declarou que iria recorrer da decisão, dizendo que "as publicações são simples e comuns críticas ao candidato e estão em plena conformidade com a lei e com as resoluções do TSE".[23]

No dia 12, foi feita uma transmissão ao vivo com Tiago Pavinatto, Rubinho Nunes e Fernando Holiday no canal Mamaefalei, onde comentaram o debate eleitoral da TV Cultura. Aos 33 minutos, Pavinatto fez gesto considerado misógino contra a candidata do Rede Sustentabilidade Marina Helou.[24] Boulos e Jilmar Tatto (Partido dos Trabalhadores) manifestaram solidarieade à candidata.[25] Pavinatto se defendeu, dizendo que "No corte, sem som, eu falava de outra coisa ao Fernando Holiday",[24] e Arthur disse que "[Pavinatto] fez um gesto infantil, mas não foi nenhuma expressão de machismo, até porque ele é gay. A bandeira dele é da LGBT".[24][26]

No dia 13, Arthur fez um protesto na Avenida Faria Lima; alugou um guindaste e utilizou uma faixa para protestar contra o uso de recursos públicos em campanhas políticas.[27] Fez seu último ato de campanha no dia 14, na Avenida Paulista.[28] Em 15 de novembro, foi realizado o primeiro turno, onde Arthur recebeu 9,78% dos votos válidos, totalizando 520.158 eleitores. Foi o quinto mais votado e, portanto, não passou para o segundo turno, encerrando assim sua campanha.[29]

Plano de governo[editar | editar código-fonte]

O plano de governo de Arthur, apresentado como "Programa Muda São Paulo",[30] era composto de 38 páginas.[31] Citava como prioridade "desburocratizar, desestatizar, reduzir impostos, trazer empregos qualificados e dinamizar a economia das áreas periféricas da nossa cidade."[31][32][33] Arthur defendeu a redução de 26 secretarias para dez,[32] visando o enxugamento da máquina pública[31] e maior agilidade na tomada de decisões.[34] Notavelmente, Arthur também defendeu a mudança do Plano Diretor Municipal[35][36] para um mais liberal,[37] trocar todos os radares por lombadas eletrônicas[20][36] e "acabar com a Cracolândia".[32][35][a]

Arthur defendeu projetos e programas como "Escola 360", "Jovem Capitalista" e "Plano Locomotiva". O primeiro prometia escolas abertas 360 dias por ano, incluindo nos finais de semana e nas férias, oferecendo merenda e almoço, e o segundo seria incluso dentro deste, como um programa de educação financeira.[21] O terceiro foi um plano econômico elaborado pelo economista Hélio Coutinho Beltrão, que faria "um ambiente favorável para os pequenos empresários" em São Paulo.[2]

Notas

  1. O plano de governo de Arthur dizia: "Eu não tenho a pretensão de resolver o problema da cracolândia, mas há uma série de medidas que podem ser tomadas a fim de reduzi-lo e combatê-lo."[38][39] Entretanto, Arthur frequentemente defendeu "acabar com a Cracolândia" em outros meios,[32][35] principalmente em suas redes sociais.[39] Ao iG, Arthur disse que sua promessa era imediata, e acrescentou: "Se eu ganhar a prefeitura este ano, no dia 2 de janeiro a prefeitura estará despachando do meio da cracolândia".[40]

Referências

  1. a b Mões, Malu (16 de novembro de 2019). «Como o youtuber 'Mamãe, falei' se tornou deputado federal?». Último Segundo. iG. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  2. a b Eler, Luisa (12 de novembro de 2020). «Eleições SP 2020: conheça o plano econômico de Arthur do Val». DCI. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  3. «[Agência Lupa] Em sabatina, Arthur do Val erra sobre custo do gabinete e Fundo Eleitoral». Agência Lupa. 2 de novembro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  4. Belloni, Luiza (7 de outubro de 2018). «Arthur Mamãe Falei é eleito deputado estadual em São Paulo». HuffPost Brasil. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  5. «MBL indica 'Arthur Mamãe Falei' como pré-candidato à Prefeitura de SP». Jovem Pan. 16 de novembro de 2019. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  6. «Expulso do DEM, Arthur do Val diz que vai 'continuar com ideais liberais e conservadores'». Jovem Pan. 19 de novembro de 2019. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  7. «Mamãe Falei se filia a partido que 'namorou' Bolsonaro e mira Prefeitura de SP». Folha de S.Paulo. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  8. Freitas, Carolina (5 de outubro de 2020). «Arthur do Val aposta no digital para atrair bolsonaristas». Valor Econômico. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  9. «'Vaquinhas' em apoio a candidatos já somam R$ 4,5 milhões; veja quem recebeu mais contribuições». Sonar - A Escuta das Redes - O Globo. 24 de setembro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  10. Garcia, Alexandre (7 de novembro de 2020). «'Fundão' é origem de 90% das verbas dos candidatos à prefeitura de SP». R7. Consultado em 14 de novembro de 2020. Arthur do Val (Patriota) e Levy Fidelix (PRTB) são os únicos candidatos à prefeitura da capital que não fizeram uso do Fundão. 
  11. a b Walace, Lara (7 de setembro de 2020). «Patriota oficializa candidatura de Arthur do Val à Prefeitura de São Paulo». G1. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  12. «Com 'buzinaço' e roncos de motor, Patriota oficializa candidatura de Arthur do Val em SP». O Globo. 7 de setembro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  13. «Patriota confirma Arthur do Val como candidato à Prefeitura: 'Não sou só brigão'». Estadão. 7 de setembro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  14. «Patriota confirma candidatura de Arthur do Val à Prefeitura de São Paulo». Jovem Pan. 8 de setembro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  15. Lara, Matheus (15 de novembro de 2020). «Com 'lacração' à direita, Mamãe Falei incendiou redes tentando fazer engajamento virar voto». Estadão. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  16. Fortes, Carolina (1 de outubro de 2020). «Arthur do Val processa Boulos por divulgação de pesquisa onde aparece com 77% das intenções de voto». Jovem Pan. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  17. Biazzi, Renato. «Arthur do Val faz campanha no Pateo do Collegio e quer que iniciativa privada revitalize o Centro de São Paulo». G1. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  18. a b Donato, Aílton (12 de outubro de 2020). «Bruno Covas quer proibir Arthur do Val de falar sobre Máfia das Multas». Via Coletivo. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  19. a b «Justiça nega direito de resposta a Covas por comentários feitos por Arthur do Val sobre radares em SP». G1. 14 de outubro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  20. a b «Arthur do Val faz protesto contra 'indústria da multa' ao lado de radar na Zona Sul de SP». G1. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  21. a b «Em visita a projeto social, Arthur do Val defende educação financeira na periferia e promete criar programa 'jovem capitalista'». G1. 23 de outubro de 2020. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  22. Cirillo, Bruno (29 de outubro de 2020). «Mamãe Falei reúne chapa e militares em simpósio de segurança pública». Metrópoles. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  23. «Justiça Eleitoral aplica multa em Arthur do Val por pagamento de impulsionamentos nas redes sociais contra Russomanno». G1. 5 de novembro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  24. a b c Veleda, Raphael (13 de novembro de 2020). «Militante de Mamãe Falei reage com gesto chulo a fala de Marina Helou em SP». Metrópoles. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  25. «Boulos e Tatto condenam ataque machista de equipe de Arthur do Val contra Marina Helou». CartaCapital. 13 de novembro de 2020. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  26. Veleda, Raphael; Cirillo, Bruno (13 de novembro de 2020). «São Paulo: "Gesto infantil", diz Mamãe Falei sobre ato obsceno de aliado». Metrópoles. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  27. Guedes, Phillipe (13 de novembro de 2020). «Arthur do Val diz que não pretende ampliar o programa 'Ruas Abertas' em SP para não tornar a cidade 'menos carrocrata'». G1. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  28. Lara, Matheus (14 de novembro de 2020). «Arthur do Val exalta militância em último ato de campanha na Avenida Paulista». Estadão. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  29. «Eleições municipais 2020: siga a apuração com os resultados em tempo real». BBC News Brasil. Consultado em 16 de novembro de 2020 . No campo "Cidade ou município", digitar "São Paulo, SP" e confirmar.
  30. Plano de governo, pp. 4, 5.
  31. a b c «Eleições 2020: O que dizem os programas de governo dos candidatos a prefeito de SP». G1. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  32. a b c d «Veja propostas de Arthur do Val». Estadão. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  33. Plano de governo, pp. 5, 6.
  34. Plano de governo, p. 7.
  35. a b c «Candidato à Prefeitura de SP, Arthur do Val diz que cargo é 'pior emprego do mundo'». Jovem Pan. 10 de setembro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  36. a b «Arthur do Val diz que cotas institucionalizam o preconceito: "não segrego as pessoas no plano de governo"». Band. 5 de novembro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020 
  37. «Arthur do Val defende 'tirar o estado dos ombros' da iniciativa privada». Veja. 21 de outubro de 2020. Consultado em 15 de novembro de 2020 
  38. Plano de governo, p. 35.
  39. a b «Plano de Mamãe Falei contradiz falas de acabar com a Cracolândia». Gazeta do Povo. 19 de outubro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020. Se a promessa nas redes sociais é "acabar com a Cracolândia", o plano de governo [...] já não tem o mesmo tom peremptório. "Eu não tenho a pretensão de resolver o problema da cracolândia, mas há uma série de medidas que podem ser tomadas a fim de reduzi-lo e combatê-lo", diz o programa [...] 
  40. «Arthur do Val diz que 'a prefeitura vai despachar da cracolândia'». Último Segundo. iG. 1 de outubro de 2020. Consultado em 14 de novembro de 2020. Eu não 'to' fazendo uma promessa de que daqui 4 anos tal coisa vai acontecer. A minha promessa é imediata. Se eu ganhar a prefeitura este ano, no dia 2 de janeiro a prefeitura estará despachando do meio da cracolândia 
Bibliografia