Campeonato Brasileiro de Futebol de 2020 - Série A

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
LXIV Campeonato Brasileiro - Série A
Dados
Participantes 20
Organização CBF
Período 3 de maio6 de dezembro
◄◄ 2019 Soccerball.svg 2021 ►►

A Série A do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2020, oficialmente Brasileirão Assaí – Série A 2020 por motivos de patrocínio, é a 64.ª edição da principal divisão do futebol brasileiro. A disputa tem o mesmo regulamento dos anos anteriores, quando foi implementado o sistema de pontos corridos. Não haverá pausa para a Copa América 2020 e das Olimpíadas de Tóquio. Entretanto, haverá pausa quando acontecerem partidas das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022 na vigência das Datas FIFA, nos meses de junho, outubro e novembro.[1]

Regulamento[editar | editar código-fonte]

A Série A de 2020 é disputada por vinte clubes em dois turnos. Em cada turno, todos os times jogam entre si uma única vez. Os jogos do segundo turno serão realizados na mesma ordem do primeiro, apenas com o mando de campo invertido. Não há campeões por turnos, sendo declarado campeão brasileiro o time que obtiver o maior número de pontos após as 38 rodadas. Ao final da competição, os seis primeiros times se classificam à Copa Libertadores de 2021, os seis clubes subsequentes se classificam à Copa Sul-Americana de 2021, e os quatro últimos serão rebaixados para a Série B do ano seguinte. O campeão se classificará para a Supercopa do Brasil de 2021.[2]

Participantes[editar | editar código-fonte]

Equipe Cidade Estado Em 2019 Estádio (mando) Capacidade[3] Títulos
Athletico Paranaense Curitiba Paraná PR Arena da Baixada 42 370[4] 1 (2001)
Atlético Goianiense Goiânia Goiás GO 4º (Série B) Antônio Accioly 10 501 0 (não possui)
Atlético Mineiro Belo Horizonte Minas Gerais MG 13º Mineirão[5] 61 846 1 (1971)
Bahia Salvador Bahia BA 11º Arena Fonte Nova 50 025 2 (1959, 1988)
Botafogo Rio de Janeiro Rio de Janeiro RJ 15º Nilton Santos 44 661 2 (1968[nota 1], 1995)
Ceará Fortaleza Ceará CE 16º Arena Castelão 63 903 0 (não possui)
Corinthians São Paulo São Paulo SP Arena Corinthians 47 605 7 (1990, 1998, 1999, 2005, 2011, 2015, 2017)
Coritiba Curitiba Paraná PR 3º (Série B) Couto Pereira 40 502[6] 1 (1985)
Flamengo Rio de Janeiro Rio de Janeiro RJ Maracanã 78 838 6 (1980, 1982, 1983, 1992, 2009, 2019)[nota 2]
Fluminense Rio de Janeiro Rio de Janeiro RJ 14º Maracanã 78 838 4 (1970, 1984, 2010, 2012)
Fortaleza Fortaleza Ceará CE Arena Castelão 63 903 0 (não possui)
Goiás Goiânia Goiás GO 10º Serra Dourada 42 000 0 (não possui)
Grêmio Porto Alegre Rio Grande do Sul RS Arena do Grêmio 55 662 2 (1981, 1996)
Internacional Porto Alegre Rio Grande do Sul RS Beira-Rio 50 128 3 (1975, 1976, 1979)
Palmeiras São Paulo São Paulo SP Allianz Parque 43 713 10 (1960, 1967[nota 1], 1967[nota 3], 1969, 1972, 1973, 1993, 1994, 2016, 2018)
Red Bull Bragantino Bragança Paulista São Paulo SP 1º (Série B) Nabi Abi Chedid 17 128 0 (não possui)
Santos Santos São Paulo SP Vila Belmiro 16 068 8 (1961, 1962, 1963, 1964, 1965, 1968[nota 3], 2002, 2004)
São Paulo São Paulo São Paulo SP Morumbi 72 039 6 (1977, 1986, 1991, 2006, 2007, 2008)
Sport Recife Pernambuco PE 2º (Série B) Ilha do Retiro 32 983 1 (1987)[nota 2]
Vasco da Gama Rio de Janeiro Rio de Janeiro RJ 12º São Januário 21 680 4 (1974, 1989, 1997, 2000)

Estádios[editar | editar código-fonte]

Athletico Paranaense Atlético Goianiense Atlético Mineiro Bahia Botafogo Ceará
Arena da Baixada Antônio Accioly Mineirão[5] Arena Fonte Nova Nilton Santos Arena Castelão
Capacidade: 42 370 Capacidade: 10 501 Capacidade: 61 846 Capacidade: 50 025 Capacidade: 44 661 Capacidade: 63 903
Panoramica CAP x SEP.JPG Vista Interna do estadio Antonio accioly.jpg Mineirao Stadium.jpg Fonte nova maio 2013.jpg Estádio Nilton Santos 2017.jpg Castelão Arena (3).jpg
Corinthians
Localização das equipes participantes da Série A de 2020.
Coritiba
Arena Corinthians Couto Pereira
Capacidade: 47 605 Capacidade: 40 502
Final Paulistão 2017.jpg CP2.jpg
Flamengo Fluminense
Maracanã Maracanã
Capacidade: 78 838 Capacidade: 78 838
Maracanã - Jogo do Flamengo - Rio de Janeiro - Brasil.jpg Architectural Detail - Maracana Stadium - Rio de Janeiro - Brazil - 12 (17369422880).jpg
Fortaleza Goiás
Arena Castelão Serra Dourada
Capacidade: 63 903 Capacidade: 42 000
Castelão Arena (3).jpg Estádio Serra Dourada4.jpg
Grêmio Internacional
Arena do Grêmio Beira-Rio
Capacidade: 55 662 Capacidade: 50 128
Arena do Grêmio.jpg Portoalegre arenabeirario 820.jpg
Palmeiras Red Bull Bragantino Santos São Paulo Sport Vasco da Gama
Allianz Parque Nabi Abi Chedid Vila Belmiro Morumbi Ilha do Retiro São Januário
Capacidade: 43 713 Capacidade: 17 128 Capacidade: 16 068 Capacidade: 72 039 Capacidade: 30 000 Capacidade: 21 680
Allianz Parque - indoors - panoramio.jpg Estádio Nabi Abi Chedid.jpg Patinhas esteve aqui - Vila Belmiro 7 - panoramio.jpg Spfc x avai.JPG ESTÁDIO DA ILHA DO RETIRO LOTADA.jpg Estádio de São Januário.jpg

Classificação[editar | editar código-fonte]

Pos. Equipes P J V E D GP GC SG % M Classificação ou rebaixamento
1 Paraná Athletico Paranaense 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável Fase de grupos da Copa Libertadores de 2021
2 Goiás Atlético Goianiense 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
3 Minas Gerais Atlético Mineiro 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
4 Bahia Bahia 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
5 Rio de Janeiro Botafogo 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável Segunda fase da Copa Libertadores de 2021
6 Ceará Ceará 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
7 São Paulo Corinthians 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável Copa Sul-Americana de 2021
8 Paraná Coritiba 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
9 Rio de Janeiro Flamengo 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
10 Ceará Fortaleza 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
11 Rio de Janeiro Fluminense 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
12 Goiás Goiás 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
13 Rio Grande do Sul Grêmio 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
14 Rio Grande do Sul Internacional 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
15 São Paulo Palmeiras 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
16 São Paulo Red Bull Bragantino 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
17 São Paulo Santos 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável Zona de rebaixamento à Série B de 2021
18 São Paulo São Paulo 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
19 Pernambuco Sport 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável
20 Rio de Janeiro Vasco da Gama 0 0 0 0 0 0 0 0 0 Estável

Confrontos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Resultados do primeiro turno
Ver artigo principal: Resultados do segundo turno
  ATP ATG ATM BAH BOT CEA COR CTB FLA FLU FOR GOI GRE INT PAL RBB SAN SPA SPT VAS
Athletico-PR
Atlético-GO
Atlético-MG
Bahia
Botafogo
Ceará
Corinthians
Coritiba
Flamengo
Fluminense
Fortaleza
Goiás
Grêmio
Internacional
Palmeiras
Red Bull Bragantino
Santos
São Paulo
Sport
Vasco da Gama

Desempenho por rodada[editar | editar código-fonte]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Mudança de técnicos[editar | editar código-fonte]

Premiação[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. a b Taça Brasil
  2. a b Em 1987, a CBF passava por uma grave crise financeira e anunciou que não poderia organizar o Campeonato Brasileiro nos mesmos moldes. Como resultado, os então treze grandes clubes do Brasil da época fundaram o Clube dos 13 para organizaram seu próprio campeonato chamado de Copa União. Vendo o sucesso que o novo torneio já demonstrava ter, a CBF decidiu que o campeão e vice-campeão da Copa União (Troféu João Havelange/Módulo Verde) enfrentaria o campeão e o vice-campeão do Troféu Roberto Gomes Pedrosa (Módulo Amarelo — que foi disputado por outras equipes) em um quadrangular. O Clube dos 13 não aceitou o regulamento e não permitiu que Flamengo e Internacional (campeão e vice-campeão da Copa União) jogassem o quadrangular. O Flamengo ganhou a Copa União, que foi disputada pelos maiores clubes do Brasil,[7] sendo reconhecida pelo Clube dos 13 e pelo Conselho Nacional de Desportos (CND), contrariando a resolução do CND e a maioria dos juízes do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) em 1988, que na época eram as maiores instâncias do futebol nacional e mais tarde, em 2011 pela CBF que eventualmente revogou a decisão por uma decisão judicial. Note-se que, para a CBF, o Flamengo é considerado, de forma não oficial*, ao lado de Sport, campeão brasileiro de 1987, como demonstrado em 2011, não podendo homologá-lo por conta da decisão final do Supremo Tribunal Federal (STF).[8][9] Em 24 de novembro de 2019, quando o Flamengo ganhou o Campeonato Brasileiro daquele ano, a entidade pôs, em seu site oficial, o título da Copa União na lista de conquistas do clube carioca, mas diferenciando os títulos em "Brasileiro" e "Copa União".[10] No dia seguinte, a CBF informou que acata a decisão do STF de que o Sport é o único campeão brasileiro de 1987 e, por isso, considera oficialmente o Flamengo como hexacampeão brasileiro — e não hepta.[11][12] Mas, em uma nota enviada a imprensa, a entidade informou que, "a título de opinião, sob o ponto de vista esportivo, o Flamengo é merecedor da designação de heptacampeão brasileiro".[13][14] Além disso, quando foi entregar o troféu de Campeão Brasileiro de 2019 ao clube, o presidente da CBF, Rogério Caboclo, ergueu o troféu sete vezes, segundo o Globoesporte.com, ratificando novamente a opinião da CBF sobre a conquista de 1987.[15][16][17] *A baixa definitiva do processo foi em 16/03/2018.[18][19]
  3. a b Torneio Roberto Gomes Pedrosa

Referências

  1. «CBF divulga calendário de 2020: Brasileirão para em data Fifa, mas segue durante a Copa América». Globoesporte. Consultado em 18 de novembro de 2019 
  2. «Com Supercopa do Brasil, CBF divulga calendário para 2020». Terra. Consultado em 18 de novembro de 2019 
  3. «CNEF Cadastro Nacional de Estádios de Futebol» (PDF). CBF. 18 de janeiro de 2016. Consultado em 14 de dezembro de 2016 
  4. «Aprovados? Veja as notas recebidas pelos estádios paranaenses». Gazeta do Povo. 28 de janeiro de 2016. Consultado em 11 de maio de 2016 
  5. a b «Atlético-MG define Mineirão como casa em 2020 e se inspira no Vasco para novo programa de sócios». GloboEsporte.com. 11 de dezembro de 2019. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
  6. «Números do Estádio Major Antônio Couto Pereira». Site Oficial do Coritiba. Consultado em 9 de maio de 2015 
  7. Ubiratan Leal (7 de novembro de 2007). «Crise, revolução e traição: a história da Copa União de 1987». Trivela. Consultado em 19 de março de 2014 
  8. «CBF volta atrás e reconhece o Flamengo como campeão em 1987». iG. Consultado em 10 de agosto de 2017 
  9. «CBF reconhece Sport como 'único' campeão brasileiro de 1987». iG. Consultado em 10 de agosto de 2017 
  10. «Flamengo é campeão do Brasileirão 2019». CBF. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  11. «CBF põe Copa União na lista de títulos, mas acata Justiça e diz que clube é hexacampeão brasileiro». ESPN. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  12. «CBF decide respeitar STF e considera Flamengo hexacampeão brasileiro». UOL. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  13. «CBF opina: Flamengo merece ser chamado de hepta brasileiro». O Globo. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  14. «Após citar Fla como hexa, CBF esclarece: "a título de opinião, é hepta"». UOL. Consultado em 26 de novembro de 2019 
  15. «Presidente da CBF levanta a taça do Brasileirão sete vezes antes de entregá-la ao Flamengo». GloboEsporte.com. 28 de novembro de 2019. Consultado em 5 de dezembro de 2019 
  16. «Brasileirão de 1987 em disputa?». Brasil de fato. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  17. «1987: transitado em julgado (de novo)». Diario de Pernambuco. Consultado em 1 de janeiro de 2020 
  18. http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=4752875
  19. http://portal.stf.jus.br/processos/downloadPeca.asp?id=313940184&ext=.pdf