Primeira Liga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o escalão principal do futebol português. Para a união de clubes criada no Brasil em 2015, veja Primeira Liga do Brasil. Para a competição de futebol da Inglaterra, veja Premier League.
Primeira Liga
Liga NOS
Logotipo da Liga NOS
Dados gerais
Organização Liga Portuguesa de Futebol Profissional
Patrocinador actual Portugal NOS
Edições 85 (2018–19)
Outros nomes Campeonato Português, Primeira Divisão, Liga Portuguesa
Local de disputa Portugal Portugal
Sistema Temporada, pontos corridos
Divisões
Soccerball current event.svg Edição atual
editar

A Primeira Liga (Liga NOS por razões de patrocínio) é o escalão principal do sistema de ligas de futebol de Portugal. Criada na época 1934–35, é actualmente organizada pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

As equipas que terminam em 17º e 18º lugares são despromovidas à Segunda Liga (exceto na época 2018-2019 em que descem as equipas que terminarem em 16º, 17º e 18º lugares devido à integração do Gil Vicente na Primeira Liga de 2019-2020), enquanto as equipas melhor classificadas se qualificam para as competições da UEFA, nomeadamente, a Liga dos Campeões (1º lugar com acesso direto à fase de grupos e o 2º à 3ª pré-eliminatória) e a Liga Europa (3º classificado tem acesso à 3ª pré-eliminatória enquanto o 4º tem acesso à 2ª pré-eliminatória).

Adicionalmente, as equipas da Primeira Liga participam na Taça da Liga e na Taça de Portugal, entrando na segunda e terceira eliminatórias destas competições, respetivamente.

Até 2019 a Primeira Liga terá a designação comercial de Liga NOS, devido ao patrocínio com a NOS.[1] No final da época 2017-18 ocupa o 7º lugar no ranking da UEFA, atrás da França e da Rússia.

História[editar | editar código-fonte]

O "Escudo Português" está sempre presente no equipamento do campeão nacional.

Em 1921, após a derrota da Seleção Nacional na sua estreia frente à Espanha, surgiu a necessidade de se alterar o sistema do futebol português, constituído por campeonatos regionais (Porto e Lisboa, com algumas competições irregulares na Madeira). Nasceu assim uma prova regular com os vencedores das provas distritais chamada Campeonato de Portugal, prova que em 1938 passaria depois a designar-se Taça de Portugal. Na sua primeira edição, em 1921/22 teve apenas 2 clubes, Sporting e FCP a representar Lisboa e Porto. Competição essa que o FCP venceu numa finalíssima na sua 1ª edição. Em 1934 começou então verdadeiramente o Campeonato Nacional da I Divisão, com 8 equipas, 14 jornadas a duas voltas e a somar pontos em que o FCP foi o seu primeiro vencedor. Na altura foi chamada de Liga Experimental, tendo em conta que era a primeira vez que se organizava. Foi assim, a partir de 1934/35 que os Campeões Nacionais passaram a ser designados, a partir do Campeonato da Liga da Primeira Divisão (1934/1935) e que até hoje já teve 83 vencedores. A competição anterior, o chamado Campeonato de Portugal, era uma prova por eliminatórias, incluindo clubes da 2ª divisão cujos vencedores eram definidos numa Final (no entanto, os títulos dos Campeonatos de Portugal não contam como títulos da Taça de Portugal, nem de títulos do Campeonato da I Divisão de acordo com o que ficou definido no Relatório de Actividades da FPF de 1938).

O surgimento do Campeonato da I Divisão teve muito a ver com uma nova derrota sofrida pela selecção nacional em Madrid por 9-0, no apuramento para o Mundial de 1934, em que várias vozes questionaram a competitividade do modelo do Campeonato de Portugal, nomeadamente o número reduzido de jogos disputados por cada equipa e o valor dos competidores em prova. Ricardo Ornelas escreveu no jornal "Os Sports" que se deveria realizar uma prova em poule, à semelhança do que acontecia na principais potências futebolísticas da Europa. No sentido de aumentar a competitividade do futebol português, a FPF encarregou Plácido de Souza, Ribeiro dos Reis, Cândido de Oliveira e Virgílio da Fonseca de elaborarem o projecto de uma nova competição em poule. No entanto, devido à situação económica do país, a FPF tinha dúvidas sobre a viabilidade económica da prova, devido às deslocações a que os participantes estariam sujeitos, bem como sobre a acolhimento que teria junto do público. Em 1934/35 foi criado o Campeonato da Liga da Primeira Divisão. Após o sucesso da competição, em 1938 a FPF decidiu o seguinte:

"Por virtude da reforma a que se procedeu no Estatuto e Regulamentos da Federação os Campeonatos das Ligas e de Portugal passaram a designar-se, respectivamente, Campeonatos Nacionais e Taça de Portugal".

— Federação Portuguesa de Futebol, Relatório de Actividades 1938 (FPF)

Ao vencedor do Campeonato da Liga da Primeira Divisão (competição organizada a título experimental mas cujos títulos são considerados oficiais) seria atribuído o título de Campeão Nacional.

Participaram nesta primeira edição 8 clubes na Primeira Divisão (4 de Lisboa, 2 do Porto, 1 de Coimbra e 1 de Setúbal - os campeonatos regionais mais competitivos da época).

O sucesso da prova foi imediato, não só económico mas sobretudo desportivo, com a sucessão de jogos disputados pelas melhores equipas, o que levou a que popularmente a prova relegasse para um plano secundário o Campeonato de Portugal. O jornalista Ricardo Ornelas por mais de uma ocasião no jornal “Os Sports” defendeu que o vencedor da Liga é que deveria ser considerado campeão nacional. Mais tarde tal viria a acontecer por parte da FPF.[2]

Num congresso realizado em Agosto de 1938 dá-se uma remodelação dos regulamentos das provas da FPF, em que ficou estabelecido:

"acabar com os Campeonatos das Ligas e substituir o Campeonato de Portugal das jornadas em sucessiva eliminações, por um campeonato de maior rigor e regularidade, pelo sistema de "poule" em duas voltas"

— Acta FPF

Na prática traduziu-se apenas em renomear o "Campeonato da Liga da Primeira Divisão" para "Campeonato Nacional da Primeira Divisão" (sendo a principal categoria muitas vezes abreviada para "Primeira Divisão") e renomearam o "Campeonato de Portugal" para "Taça de Portugal", de acordo com o Relatório de Actividades 1938 da FPF. A designação manteve-se até 1999, tendo sido alterada para "Primeira Liga".[3]

O Futebol Clube do Porto foi o primeiro vencedor do campeonato, numa altura em que se disputava cada campeonato entre oito equipas. Manuel Soeiro, jogador do Sporting Clube de Portugal foi o primeiro melhor marcador do campeonato, com quatorze golos em 14 jogos. Foi o mesmo Sporting, que ficou a dois pontos do campeão nessa época, e que só venceu a liga em 1940-41, já na época da Primeira Divisão.

Em 1935–36, foi a vez do Benfica se sagrar campeão, por três vezes consecutivas. O Belenenses foi o quarto campeão diferente da liga, vencida em 1945–46. No século seguinte, foi a vez do Boavista Futebol Clube inscrever-se na lista de campeões de Portugal. Desta vez, o clube portuense venceu a liga em 2000–01.

Formato[editar | editar código-fonte]

O campeonato iniciou-se em 1934-35 e confrontou apenas oito equipas na Primeira Divisão: os quatro primeiros classificados do campeonato regional de Lisboa, os dois melhores do Porto, o campeão de Setúbal e o campeão de Coimbra (os quatro campeonatos regionais mais competitivos) enquanto as restantes equipas dos regionais eram apuradas para a II Divisão. O início da época 1939-40 ficou marcada pela polémica, devido a uma batalha administrativa entre o FC Porto e o Académico do Porto relativamente a um jogo do Campeonato Regional do Porto.[4] A Federação Portuguesa de Futebol arranjou uma solução para satisfazer os dois clubes, alargando o campeonato para 10 equipas.[5]

Um jogo do Campeonato Regional da AF Porto entre o F.C. Porto e o Académico Futebol Clube acabou sendo interrompido pelo árbitro após um anormal número de expulsões e lesões, sobretudo do lado do FC Porto, atribuindo a vitória ao Académico. No entanto a decisão acabou sendo contestada pelo FC Porto, dado que os regulamentos da altura não previam a interrupção do jogo por número mínimo de participantes e a AF Porto deliberou a repetição do jogo, que resultou em vitória do FC Porto.

O Campeonato terminaria com FC Porto em primeiro, seguido de Leixões SC e Académico. No entanto, este último recorreu da decisão da AF Porto para a FPF. Dada a polémica instalada, a FPF decidiu pelo alargamento da Primeira Divisão para dez clubes, abrindo-se uma vaga extra para a AF Porto e outra para a AF Setúbal, decisão que teria o voto contra do FC Porto, segundo os dirigentes do Académico, para impedir a participação deste no campeonato, dada a animosidade:

...como se sabe o [FC] Porto votou contra a inclusão de mais um grupo tripeiro só para nos prejudicar, o que sendo uma deslealdade, é um tanto anti-bairrista.

— Dirigente do Académico ao Jornal Stadium de 10 de Janeiro de 1940

Para além disso, a FPF anulou também o jogo de repetição entre FC Porto e Académico, o que relegou o FC Porto para a 3ª posição do campeonato regional, e atribuiu automaticamente o título regional ao Leixões SC, que no entanto repudiou publicamente a situação:

O Leixões repudia a benesse. O meu clube não aceita título que não ganhou! O Leixões não quer ser campeão por favor. Não lhe assenta bem um título usurpado a outrem. Acho que foi infeliz a decisão da FPF! O FC Porto não merecia semelhante castigo, apenas para ser beneficiado um terceiro. Afinal, veio parar ao Leixões, que não sente nenhuma honra com o facto.

— Edmundo Ferreira, presidente do Leixões SC em 1940

Na época seguinte, a prova voltaria a ser disputada por oito equipas. Na época 1941-42 foi decidido que o campeonato seria alargado de oito para dez equipas para admitir os campeões da AF Braga e AF Algarve (até esta época apenas os dois primeiros classificados dos campeonatos regionais das AFs do Porto, Coimbra, Lisboa e Setúbal eram admitidos). O FC Porto acabou o campeonato regional em terceiro lugar, o que não dava acesso à Primeira Divisão. Contudo, um segundo alargamento (de dez para doze equipas) na mesma época foi decidido, o que permitiu ao clube participar na Primeira Divisão.[6] Este número de clubes ir-se-ia manter até 1945-46, altura em que admitiu doze equipas (entraram os campeões de Évora e Aveiro).

Na época 1946-47, dá-se uma reformulação dos quadros competitivos, acabando-se com a qualificação a partir dos campeonatos regionais, passando a existir uma lógica de continuidade entre edições, e um sistema de promoções e descidas entre divisões. A Primeira Divisão foi alargada para 14 equipas, enquanto a II Divisão foi reformulada, e criada uma III Divisão.

O número de equipas na Primeira Divisão manteve-se durante vinte e cinco épocas, até que em 1971-72 passou a dezasseis equipas para, em 1987-88, passar a admitir vinte, assim se mantendo por duas épocas. Em 1989-90 assume o formato das dezoito equipas, com uma excepção na temporada seguinte (vinte), mantendo-se assim até a época 2005-06, sendo que na época 2006-07 houve uma redução para dezasseis equipas.

Em 2014-15 regressou-se ao modelo de dezoito equipas, motivada pelas pretensões de vários clubes de menor dimensão bem como pela integração do Boavista Futebol Clube, devido à prescrição do procedimento disciplinar ocorrido em 2008, devido ao processo Apito Final. Optou-se portanto pelo arquivamento, sem qualquer juízo sobre a existência ou não da infracção que pendia sobre o Boavista.[7] Desta maneira impôs-se a sua re-introdução na Primeira Liga.

Troféu[editar | editar código-fonte]

O troféu de campeão nacional é entregue anualmente pela FPF. Também a Liga entrega em cada época um troféu ao vencedor da Primeira Liga.

Na época 2011–12 foi introduzido um novo troféu maior e mais pesado que o original e que era atribuído ao clube que desde então conseguisse ganhar 3 campeonatos consecutivos ou 5 campeonatos intercalados. Este troféu foi apenas entregue ao SL Benfica pelos campeonatos ganhos nas épocas 2013-14, 2014-15 e 2015-16 e a partir da época 2016-17 deixou de ser entregue.

Acesso a competições da UEFA[editar | editar código-fonte]

O acesso às competições de clubes da UEFA é feito tendo por base a posição do país no ranking da UEFA. No final da época 2017-18, fruto do 7º lugar no ranking, o campeão tem acesso à fase de grupos da Liga dos Campeões da UEFA, enquanto que o vice-campeão tem acesso à terceira pré-eliminatória. O terceiro lugar e quarto lugares dão acesso à terceira e segunda pré-eliminatórias da Liga Europa da UEFA, respetivamente. Contudo, se o vencedor da Taça de Portugal tiver conseguido a qualificação para a Liga dos Campeões da UEFA, o terceiro classificado é apurado para a fase de grupos da Liga Europa da UEFA e o quarto e o quinto classificados para a terceira e segunda pré-eliminatórias da mesma.

Ranking UEFA[editar | editar código-fonte]

Posição País Época 2013-14 (pontos) Época 2014-15 (pontos) Época 2015-16 (pontos) Época 2016-17 (pontos) Época 2017-18 (pontos) Total de Pontos Clubes
1 Espanha 23.000 20.214 23.928 20.142 19.714 106.998 7
2 Inglaterra 16.785 13.571 14.250 14.928 20.071 79.605 7
3 Itália 14.166 19.000 11.500 14.250 17.333 76.249 7
4 Alemanha 14.714 15.857 16.428 14.571 9.857 71.427 7
5 França 8.500 10.916 11.083 14.416 11.500 56.415 6
6 Rússia 10.416 9.666 11.500 9.200 12.600 53.382 6
7 Portugal 9.916 9.083 10.500 8.083 9.666 47.248 5
8 Ucrânia 7.833 10.000 9.800 5.500 8.000 41.133 5
9 Bélgica 6.400 9.600 7.400 12.500 2.600 38.500 5
10 Turquia 6.700 6.000 6.600 9.700 6.800 35.800 5

Equipas[editar | editar código-fonte]

Temporada 2018-19[editar | editar código-fonte]

Equipa Cidade Estádio Capacidade do estádio Presenças na Primeira Divisão Estreia na Primeira Divisão Melhor classificação
Aves Vila das Aves Estádio do Clube Desportivo das Aves 8,560 5 1985-86 13º
Belenenses SAD Oeiras Estádio Nacional do Jamor 9000 1 2018-19 -
Boavista Porto Estádio do Bessa 30,000 56 1935-36
Chaves Chaves Estádio Municipal de Chaves 8.400 16 1935-36
FC Porto Porto Estádio do Dragão 50,000 85 1934-35
Feirense Santa Maria da Feira Estádio Marcolino de Castro 6,600 7 1935-36
Marítimo Funchal Estádio do Marítimo 10,600 39 1977-78
Moreirense Moreira de Cónegos Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas 6,153 9 2002-03
Nacional Funchal Estádio da Madeira 5,132 19 1988-89
Portimonense Portimão Estádio Municipal de Portimão 9,544 16 1976-77
Rio Ave Vila do Conde Estádio dos Arcos 9,065 25 1979-80
Santa Clara Ponta Delgada Estádio de São Miguel 12,500 4 2001-02 14º
SC Braga Braga Estádio Municipal de Braga 25,000 63 1947-48
SL Benfica Lisboa Estádio da Luz 64,642[8] 85 1934-35
Sporting CP Lisboa Estádio José Alvalade 50,000 85 1934-35
Tondela Tondela Estádio João Cardoso 5,000 4 2015-16 11º
Vitória FC Setúbal Estádio do Bonfim 17.000 71 1934-35
Vitória SC Guimarães Estádio D. Afonso Henriques 30,000 74 1941-42

Equipas por distrito[editar | editar código-fonte]

Associação N.º Equipas
Associação de Futebol do Porto 4 Boavista F.C., C.D. Aves, F.C. Porto, Rio Ave F.C.
Associação de Futebol de Lisboa 3 C.F. Belenenses SAD, S.L. Benfica, Sporting C.P.
Associação de Futebol de Braga 3 Moreirense F.C., S.C. Braga, Vitória S.C.
Associação de Futebol da Madeira 2 C.D. Nacional, C.S. Marítimo
Associação de Futebol do Algarve 1 Portimonense S.C.
Associação de Futebol de Aveiro 1 C.D. Feirense
Associação de Futebol de Ponta Delgada 1 C.D. Santa Clara
Associação de Futebol de Setúbal 1 Vitória F.C.
Associação de Futebol de Vila Real 1 G.D. Chaves
Associação de Futebol de Viseu 1 C.D. Tondela

Campeões Nacionais[editar | editar código-fonte]

Época Campeão Capitão Treinador
1934–35 FC Porto
1935–36 Benfica Gustavo Teixeira
1936–37 Benfica (2) Gustavo Teixeira
1937–38 Benfica (3) Gustavo Teixeira
1938–39 FC Porto (2)
1939–40 FC Porto (3)
1940–41 Sporting
1941–42 Benfica (4) Alfredo Valados
1942–43 Benfica (5) Alfredo Valados
1943–44 Sporting (2)
1944–45 Benfica (6) Francisco Albino
1945–46 Belenenses
1946–47 Sporting (3)
1947–48 Sporting (4)
1948–49 Sporting (5)
1949–50 Benfica (7)
1950–51 Sporting (6)
1951–52 Sporting (7)
1952–53 Sporting (8)
1953–54 Sporting (9)
1954–55 Benfica (8)
1955–56 FC Porto (4)
1956–57 Benfica (9) Fernando Caiado
1957–58 Sporting (10)
1958–59 FC Porto (5)
1959–60 Benfica (10) Artur Santos
1960–61 Benfica (11) Artur Santos
1961–62 Sporting (11)
1962–63 Benfica (12) José Águas
1963–64 Benfica (13) José Águas
1964–65 Benfica (14) Mário Coluna
1965–66 Sporting (12)
1966–67 Benfica (15) Mário Coluna
1967–68 Benfica (16) Mário Coluna
1968–69 Benfica (17) Mário Coluna
1969–70 Sporting (13)
1970–71 Benfica (18) António Simões
1971–72 Benfica (19) António Simões
1972–73 Benfica (20) António Simões
1973–74 Sporting (14)
1974–75 Benfica (21) Toni
1975–76 Benfica (22) Toni
1976–77 Benfica (23) Toni
1977–78 FC Porto (6)
1978–79 FC Porto (7)
1979–80 Sporting (15)
1980–81 Benfica (24) Humberto Coelho
1981–82 Sporting (16)
1982–83 Benfica (25) Humberto Coelho
1983–84 Benfica (26) Nené
1984–85 FC Porto (8)
1985–86 FC Porto (9)
1986–87 Benfica (27) Shéu Han
1987–88 FC Porto (10)
1988–89 Benfica (28) Shéu Han
1989–90 FC Porto (11)
1990–91 Benfica (29) António Veloso
1991–92 FC Porto (12)
1992–93 FC Porto (13)
1993–94 Benfica (30) António Veloso
1994–95 FC Porto (14)
1995–96 FC Porto (15)
1996–97 FC Porto (16)
1997–98 FC Porto (17)
1998–99 FC Porto (18)
1999–00 Sporting (17)
2000–01 Boavista Pedro Emanuel Jaime Pacheco
2001–02 Sporting (18)
2002–03 FC Porto (19)
2003–04 FC Porto (20)
2004–05 Benfica (31) Simão Sabrosa Giovanni Trapattoni
2005–06 FC Porto (21)
2006–07 FC Porto (22)
2007–08 FC Porto (23)
2008–09 FC Porto (24)
2009–10 Benfica (32) Nuno Gomes Jorge Jesus
2010–11 FC Porto (25) André Villas-Boas
2011–12 FC Porto (26) Vítor Pereira
2012–13 FC Porto (27) Vítor Pereira
2013–14 Benfica (33) Luisão Jorge Jesus
2014–15 Benfica (34) Luisão Jorge Jesus
2015–16 Benfica (35) Luisão Rui Vitória
2016–17 Benfica (36) Luisão Rui Vitória
2017–18 FC Porto (28) Héctor Herrera Sérgio Conceição

Edições do Campeonato Nacional[editar | editar código-fonte]

Época Simple cup icon.svg Campeão Silver medal icon blank.svg 2º Classificado Bronze medal icon blank.svg 3º Classificado Formato
Clube Pts Clube Pts Clube Pts C. J.
1934–35 FC Porto 22 +2 Sporting 20 Benfica 19 8 14
1935–36 Benfica 21 +1 FC Porto 20 Sporting 18 8 14
1936–37 Benfica 24 +1 Belenenses 23 Sporting 29 8 14
1937–38 Benfica 23 = FC Porto 23 Sporting 23 8 14
1938–39 FC Porto 23 +1 Sporting 22 Benfica 21 8 14
1939–40 FC Porto 34 +2 Sporting 32 Belenenses 25 10 18
1940–41 Sporting 23 +3 FC Porto 20 Belenenses 19 8 14
1941–42 Benfica 38 +4 Sporting 34 Belenenses 30 12 22
1942–43 Benfica 30 +1 Sporting 29 Belenenses 28 10 18
1943–44 Sporting 31 +5 Benfica 26 Atlético 24 10 18
1944–45 Benfica 30 +3 Sporting 27 Belenenses 27 10 18
1945–46 Belenenses 38 +1 Benfica 37 Sporting 32 12 22
1946–47 Sporting 47 +6 Benfica 41 Estoril 33 14 26
1947–48 Sporting 41 = Benfica 41 Belenenses 37 14 26
1948–49 Sporting 42 +5 Benfica 37 Belenenses 35 14 26
1949–50 Benfica 45 +6 Sporting 39 Atlético 30 14 26
1950–51 Sporting 45 +11 FC Porto 34 Benfica 30 14 26
1951–52 Sporting 41 +1 Benfica 40 FC Porto 36 14 26
1952–53 Sporting 43 +4 Benfica 39 Belenenses 36 14 26
1953–54 Sporting 43 +7 FC Porto 36 Benfica 32 14 26
1954–55 Benfica 39 = Belenenses 39 Sporting 37 14 26
1955–56 FC Porto 43 = Benfica 43 Belenenses 37 14 26
1956–57 Benfica 41 +1 FC Porto 40 Belenenses 33 14 26
1957–58 Sporting 43 = FC Porto 43 Benfica 36 14 26
1958–59 FC Porto 41 = Benfica 41 Belenenses 38 14 26
1959–60 Benfica 45 +2 Sporting 43 Belenenses 36 14 26
1960–61 Benfica 46 +4 Sporting 42 FC Porto 33 14 26
1961–62 Sporting 43 +2 FC Porto 41 Benfica 36 14 26
1962–63 Benfica 48 +6 FC Porto 42 Sporting 38 14 26
1963–64 Benfica 46 +6 FC Porto 40 Sporting 34 14 26
1964–65 Benfica 43 +6 FC Porto 37 Fabril 35 14 26
1965–66 Sporting 42 +1 Benfica 41 FC Porto 34 14 26
1966–67 Benfica 43 +3 Académica 40 FC Porto 39 14 26
1967–68 Benfica 41 +4 Sporting 37 FC Porto 36 14 26
1968–69 Benfica 39 +2 FC Porto 37 V. Guimarães 36 14 26
1969–70 Sporting 46 +8 Benfica 38 V. Setúbal 36 14 26
1970–71 Benfica 41 +3 Sporting 38 FC Porto 37 14 26
1971–72 Benfica 55 +10 V. Setúbal 45 Sporting 43 16 30
1972–73 Benfica 58 +18 Belenenses 40 V. Setúbal 38 16 30
1973–74 Sporting 49 +2 Benfica 47 V. Setúbal 45 16 30
1974–75 Benfica 49 +5 FC Porto 44 Sporting 43 16 30
1975–76 Benfica 50 +2 Boavista 48 Belenenses 40 16 30
1976–77 Benfica 51 +9 Sporting 42 FC Porto 41 16 30
1977–78 FC Porto 51 = Benfica 51 Sporting 42 16 30
1978–79 FC Porto 50 +2 Benfica 49 Sporting 42 16 30
1979–80 Sporting 52 +2 FC Porto 50 Benfica 45 16 30
1980–81 Benfica 50 +2 FC Porto 48 Sporting 37 16 30
1981–82 Sporting 46 +2 Benfica 44 FC Porto 43 16 30
1982–83 Benfica 51 +4 FC Porto 47 Sporting 42 16 30
1983–84 Benfica 52 +3 FC Porto 49 Sporting 42 16 30
1984–85 FC Porto 55 +8 Sporting 47 Benfica 43 16 30
1985–86 FC Porto 49 +2 Benfica 47 Sporting 46 16 30
1986–87 Benfica 48 +2 FC Porto 46 V. Guimarães 41 16 30
1987–88 FC Porto 66 +15 Benfica 51 Belenenses 48 20 38
1988–89 Benfica 63 +7 FC Porto 56 Boavista 49 20 38
1989–90 FC Porto 59 +4 Benfica 55 Sporting 46 18 34
1990–91 Benfica 69 +2 FC Porto 67 Sporting 57 20 38
1991–92 FC Porto 56 +10 Benfica 46 Boavista 44 18 34
1992–93 FC Porto 54 +2 Benfica 52 Sporting 45 18 34
1993–94 Benfica 54 +2 FC Porto 52 Sporting 51 18 34
1994–95 FC Porto 62 +9 Sporting 53 Benfica 49 18 34
1995–96 FC Porto 84 +11 Benfica 73 Sporting 67 18 34
1996–97 FC Porto 85 +13 Sporting 72 Benfica 58 18 34
1997–98 FC Porto 77 +9 Benfica 68 V. Guimarães 59 18 34
1998–99 FC Porto 79 +8 Boavista 71 Benfica 65 18 34
1999–00 Sporting 77 +4 FC Porto 73 Benfica 69 18 34
2000–01 Boavista 77 +1 FC Porto 76 Sporting 62 18 34
2001–02 Sporting 75 +5 Boavista 70 FC Porto 68 18 34
2002–03 FC Porto 86 +11 Benfica 75 Sporting 59 18 34
2003–04 FC Porto 82 +8 Benfica 74 Sporting 73 18 34
2004–05 Benfica 65 +3 FC Porto 62 Sporting 61 18 34
2005–06 FC Porto 79 +7 Sporting 72 Benfica 67 18 34
2006–07 FC Porto 69 +1 Sporting 68 Benfica 67 16 30
2007–08 FC Porto 69 +14 Sporting 55 V. Guimarães 53 16 30
2008–09 FC Porto 70 +4 Sporting 66 Benfica 59 16 30
2009–10 Benfica 76 +5 SC Braga 71 FC Porto 68 16 30
2010–11 FC Porto 84 +21 Benfica 63 Sporting 48 16 30
2011–12 FC Porto 75 +6 Benfica 69 SC Braga 62 16 30
2012–13 FC Porto 78 +1 Benfica 77 Paços de Ferreira 54 16 30
2013–14 Benfica 74 +7 Sporting 67 FC Porto 61 16 30
2014–15 Benfica 85 +3 FC Porto 82 Sporting 76 18 34
2015–16 Benfica 88 +2 Sporting 86 FC Porto 73 18 34
2016–17 Benfica 82 +6 FC Porto 76 Sporting 67 18 34
2017–18 FC Porto 88 +7 Benfica 81 Sporting 78 18 34
Legenda
     Triplete
     Dobradinha
Campeão Invicto (sem qualquer derrota)

Palmarés[editar | editar código-fonte]

Palmarés por clube[editar | editar código-fonte]

Desde a sua criação em 1934–35 um total de 5 clubes foram Campeões Nacionais.

Clube Títulos 2º Lugar 3º Lugar Épocas dos títulos
Benfica 36 28 15 1935–36, 1936–37, 1937–38, 1941–42, 1942–43, 1944–45, 1949–50, 1954–55, 1956–57, 1959–60, 1960–61, 1962–63, 1963–64, 1964–65, 1966–67, 1967–68, 1968–69, 1970–71, 1971–72, 1972–73, 1974–75, 1975–76, 1976–77, 1980–81, 1982–83, 1983–84, 1986–87, 1988–89, 1990–91, 1993–94, 2004–05, 2009–10, 2013–14, 2014–15, 2015–16, 2016–17
FC Porto 28 26 12 1934–35, 1938–39, 1939–40, 1955–56, 1958–59, 1977–78, 1978–79, 1984–85, 1985–86, 1987–88, 1989–90, 1991–92, 1992–93, 1994–95, 1995–96, 1996–97, 1997–98, 1998–99, 2002–03, 2003–04, 2005–06, 2006–07, 2007–08, 2008–09, 2010–11, 2011–12, 2012–13, 2017–18
Sporting 18 21 28 1940–41, 1943–44, 1946–47, 1947–48, 1948–49, 1950–51, 1951–52, 1952–53, 1953–54, 1957–58, 1961–62, 1965–66, 1969–70, 1973–74, 1979–80, 1981–82, 1999–00, 2001–02
Belenenses 1 3 14 1945–46
Boavista 1 3 2 2000–01
V. Setúbal 1 3
SC Braga 1 1
Académica 1
V. Guimarães 4
10º Atlético 2
11º Estoril 1
Fabril 1
Paços de Ferreira 1

Palmarés por vitórias consecutivas[editar | editar código-fonte]

Até ao momento 3 clubes conseguiram vitórias consecutivas no Campeonato Nacional.

Vitórias Consecutivas no Campeonato Nacional
Clube Pentas Tetras Tris Bis
FC Porto 1 2 3 8
Benfica 1 6 9
Sporting 1 2 2

Palmarés por treinador[editar | editar código-fonte]

Desde a sua criação venceram o Campeonato Nacional um total de 46 treinadores.[9]

Treinadores Vencedores
Treinador Títulos Clubes
Brasil Otto Glória 5 Benfica (3), Sporting (2)
Hungria Joseph Szabo 4 Sporting (3), FC Porto (1)
Hungria Lipo Herczka 3 Benfica (3)
Hungria Janos Biri 3 Benfica (3)
Inglaterra Randolph Galloway 3 Sporting (3)
Hungria Béla Guttmann 3 Benfica (2), FC Porto (1)
Inglaterra Jimmy Hagan 3 Benfica (3)
Suécia Sven-Goran Eriksson 3 Benfica (3)
Portugal Artur Jorge 3 FC Porto (3)
Portugal Jesualdo Ferreira 3 FC Porto (3)
Portugal Jorge Jesus 3 Benfica (3)
12º Hungria Mihaly Siska 2 FC Porto (2)
Portugal Cândido de Oliveira 2 Sporting (2)
Chile Fernando Riera 2 Benfica (2)
Portugal José Maria Pedroto 2 FC Porto (2)
Inglaterra John Mortimore 2 Benfica (2)
Portugal Toni 2 Benfica (2)
Brasil Carlos Alberto Silva 2 Benfica (2)
Inglaterra Bobby Robson 2 FC Porto (2)
Portugal António Oliveira 2 FC Porto (2)
Portugal José Mourinho 2 FC Porto (2)
Portugal Vítor Pereira 2 FC Porto (2)
Portugal Rui Vitória 2 Benfica (2)
24º Portugal Augusto Silva 1 Belenenses (1)
Inglaterra Robert Kelly 1 Sporting (1)
Inglaterra Ted Smith 1 Benfica (1)
Portugal Dorival Yustrich 1 FC Porto (1)
Uruguai Enrique Fernandez 1 Sporting (1)
Portugal Juca 1 Sporting (1)
Hungria Lajos Czeizeer 1 Benfica (1)
Romênia Elek Schwartz 1 Benfica (1)
Portugal Fernando Vaz 1 Sporting (1)
Portugal Mário Lino 1 Sporting (1)
Hungria Milorad Pavic 1 Benfica (1)
Portugal Mário Wilson 1 Benfica (1)
Portugal Fernando Mendes 1 Sporting (1)
Hungria Lajos Baroti 1 Benfica (1)
Inglaterra Malcolm Allison 1 Sporting (1)
Jugoslávia Tomislav Ivic 1 FC Porto (1)
Portugal Fernando Santos 1 FC Porto (1)
Portugal Augusto Inácio 1 Sporting (1)
Portugal Jaime Pacheco 1 Sporting (1)
Romênia Laszlo Boloni 1 Sporting (1)
Itália Giovanni Trapattoni 1 Benfica (1)
Países Baixos Co Adriaanse 1 FC Porto (1)
Portugal André Villas-Boas 1 FC Porto (1)
Portugal Sérgio Conceição 1 FC Porto (1)

Palmarés por Associação de Futebol[editar | editar código-fonte]

Até hoje 2 Associações de Futebol têm clubes Campeões Nacionais como filiados.

Vencedores por Associação de Futebol
Associação Títulos Clubes
Lisboa.PNG AF Lisboa 55 Benfica (36), Sporting (18), Belenenses (1)
Flag of Porto.svg AF Porto 29 FC Porto (28), Boavista (1)

Tripletes e Dobradinhas[editar | editar código-fonte]

As vitórias múltiplas na mesma época consistem em tripletes e dobradinhas. Em Portugal um triplete consiste na conquista do Campeonato, da Taça de Portugal e da Taça da Liga. Uma dobradinha implica vencer o Campeonato e a Taça de Portugal.[10]

Clubes[editar | editar código-fonte]

No futebol português 3 clubes conquistaram vitórias múltiplas na mesma época.

Clubes Vencedores de Tripletes e Dobradinhas
Clube Tripletes Dobradinhas Épocas
Benfica 1 11 1942–43, 1954–55, 1956–57, 1963–64,
1968–69, 1971–72, 1980–81, 1982–83,
1986–87, 2013–14, 2016–17
FC Porto 7 1955–56, 1987–88, 1997–98, 2002–03,
2005–06, 2008–09, 2010–11
Sporting 6 1940–41, 1947–48, 1953–54, 1973–74,
1981–82, 2001–02

Treinadores[editar | editar código-fonte]

No futebol português 20 treinadores conquistaram vitórias múltiplas na mesma época.

Treinadores Vencedores de Tripletes e Dobradinhas
Treinador Clube Tripletes Dobradinhas Épocas
Brasil Otto Glória Benfica 3 1954–55, 1956–57, 1968–69
Hungria Joseph Szabo Sporting 2 1940–41, 1953–54
Portugal Jorge Jesus Benfica 1 1 2013–14
Hungria János Biri Benfica 1 1942–43
Portugal Cândido de Oliveira Sporting 1 1947–48
Brasil Dorival Yustrich FC Porto 1 1955–56
Hungria Lajos Czeizler Benfica 1 1963–64
Inglaterra Jimmy Hagan Benfica 1 1971–72
Portugal Mário Lino Sporting 1 1973–74
Hungria Lajos Baróti Benfica 1 1980–81
Inglaterra Malcolm Allison Sporting 1 1981–82
Suécia Sven-Göran Eriksson Benfica 1 1982–83
Inglaterra John Mortimore Benfica 1 1986–87
República Socialista Federativa da Iugoslávia Tomislav Ivic FC Porto 1 1987–88
Portugal António Oliveira FC Porto 1 1997–98
Roménia László Bölöni Sporting 1 2001–02
Portugal José Mourinho FC Porto 1 2002–03
Portugal Jesualdo Ferreira FC Porto 1 2008–09
Portugal André Villas-Boas FC Porto 1 2010–11
Portugal Rui Vitória Benfica 1 2016–17

Notas:

  • As épocas dos tripletes são apresentadas em negrito.

Recordes[editar | editar código-fonte]

  • Em 1972–73, o Benfica venceu a Liga Portuguesa sem derrotas, totalizando 58 pontos em 30 jogos (28 vitórias e 2 empates), com o máximo aproveitamento na história da competição (96.7% dos pontos alcançados). Nesta temporada, o Benfica estabeleceu o recorde de maior número de vitórias consecutivas (23) na Liga Portuguesa e no total das Ligas Europeias. O Benfica também estabeleceu o recorde da Liga Portuguesa para a maior distância sobre o segundo classificado (18 pontos), num campeonato disputado a 2 pontos por vitória.
  • Em 1977–78, o Benfica terminou a Liga Portuguesa sem derrotas pela segunda vez (21 vitórias e 9 empates). No entanto, terminou o campeonato em segundo lugar.
  • Em 1998-99, o Porto tornou-se a única equipa a vencer cinco campeonatos de forma consecutiva.
  • Em 2010-11, o Benfica estabeleceu o novo recorde nacional de vitórias ao atingir a marca de 18 triunfos consecutivos.
  • Em 2010–11, o Porto venceu a Liga Portuguesa sem derrotas, tendo somado 84 pontos em 30 jogos (27 vitórias e 3 empates), com o máximo aproveitamento na história da competição desde que a vitória vale 3 pontos (93.3% dos pontos alcançados). Nesta temporada, o Porto estabeleceu o recorde da Liga Portuguesa para a maior distância sobre o segundo classificado (21 pontos), num campeonato disputado a 3 pontos por vitória.
  • Em 2012–13, o Porto venceu a Liga Portuguesa sem derrotas pela segunda vez (24 vitórias e 6 empates), tornando-se no único clube campeão invicto por duas vezes na competição.
  • Em 2015–16, o Benfica atingiu a pontuação recorde de 88 pontos na Primeira Liga, fruto de 29 vitórias, 1 empate e 4 derrotas em 34 jogos.

Melhores marcadores[editar | editar código-fonte]

# Jogador Período Clube Golos (Média por jogo)
1 Peyroteo 1937-49 Sporting 332 (1,69)[11]
2 Eusébio 1960-77 Benfica 320 (1,02)
3 José Águas 1950-63 Benfica 290 (1,03)
4 Nené 1968-86 Benfica 262 (0,62)
5 Manuel Fernandes 1970-88 Sporting 243 (0,50)
6 Mário Jardel 1996-03 Porto e Sporting 235 (0,99)
7 Matateu 1951-67 Belenenses 218 (0,75)
8 José Torres 1959-80 Benfica 217 (0,57)
9 Rui Jordão 1971-89 Sporting 215 (0,60)

Transferências[editar | editar código-fonte]

# Jogador De Para Custo Ano
1
Brasil Éder Militão FC Porto Espanha Real Madrid € 50 milhões
2019
2
Colômbia James Rodríguez FC Porto França Monaco € 45 milhões
2013
3
México Raúl Jiménez SL Benfica Inglaterra Wolverhampton € 41 milhões
2019
4
Brasil Ederson SL Benfica Inglaterra Manchester City € 40 milhões
2017
4
Portugal João Mário Sporting CP Itália Inter € 40 milhões
2016
4
Bélgica Witsel SL Benfica Rússia Zenit € 40 milhões
2012
4
Brasil Hulk FC Porto Rússia Zenit € 40 milhões
2012
4
Colômbia Falcao FC Porto Espanha Atlético de Madrid € 40 milhões
2011
9
Portugal André Silva FC Porto Itália AC Milan € 38 milhões
2017
10
Portugal Nélson Semedo SL Benfica Espanha FC Barcelona € 35,7 milhões
2017

Jogadores vencedores de prémios europeus de clubes[editar | editar código-fonte]

Os jogadores abaixo referidos venceram prémios europeus importantes de clubes enquanto jogavam em equipas da Liga Portuguesa de Futebol:

Bola de Ouro da France Football:

Melhor jogador de clubes da UEFA:

Melhor guarda-redes do ano da UEFA:

Melhor defensor do ano da UEFA:

Melhor médio do ano da UEFA:

Equipa do ano da UEFA:

Treinador do ano da UEFA:

Bota de Ouro Europeia do L'Équipe/European Sports Media:

Lista dos 20 maiores estádios de Portugal[editar | editar código-fonte]

# Estádio Capacidade Cidade Clube mandante
1 Estádio da Luz 64.642 Lisboa SL Benfica
2 Estádio do Dragão 51.793 Porto FC Porto
3 Estádio José Alvalade 50.095 Lisboa Sporting CP
4 Estádio Nacional 37.593 Oeiras Seleção Portuguesa de Futebol
5 Estádio Municipal de Aveiro 32.830 Aveiro Beira-Mar
6 Estádio do Algarve 30.305 Faro Louletano DC e Seleção Gibraltina de Futebol
7 Estádio Municipal de Braga 30.286 Braga Sporting Clube de Braga
8 Estádio D. Afonso Henriques 30.000 Guimarães Vitória de Guimarães SC
9 Estádio Cidade de Coimbra 29,622 Coimbra Académica de Coimbra
10 Estádio do Bessa 28.263 Porto Boavista FC
11 Estádio 1º de Maio 28.000 Braga S.C. Braga B
12 Estádio Dr. Magalhães Pessoa 23.758 Leiria U.D. Leiria
13 Estádio Alfredo da Silva 21.498 Barreiro GD Fabril do Barreiro
14 Estádio do Restelo 19.980 Lisboa CF Os Belenenses
15 Estádio do Bonfim 15.497 Setúbal Vitória Futebol Clube
16 Estádio de São Luís 15.000 Faro SC Farense
17 Estádio de São Miguel 12.500 Ponta Delgada CD Santa Clara
18 Estádio Cidade de Barcelos 12.084 Barcelos Gil Vicente FC

Direitos de Transmissão[editar | editar código-fonte]

Portugal[editar | editar código-fonte]

A SportTV tem os direitos de transmissão de maior parte dos jogos da Primeira Liga. A BTV possui todos os direitos de transmissão dos jogos do Benfica em casa. Nas transmissões fora de Portugal as emissoras compram diretamente à emissora os direitos televisivos. No entanto, um jogo por semana é emitido em sinal aberto por satélite na RTP Internacional e RTP África.

Brasil[editar | editar código-fonte]

A Primeira Liga é transmitida na Internet pela Terra Tv, com sinal de televisão. O Grupo Globo detém os direitos de transmissão no Brasil e transmite os jogos principalmente dos principais clubes de Portugal no SporTV. Na temporada 2013-14, o BandSports perdeu os direitos do campeonato, tornando-se num exclusivo do SporTV. A partir da temporada 2014-15, a ESPN Brasil passou a transmitir o campeonato, dividindo os direitos de transmissão com o SporTV. Em setembro de 2016, os canais Esporte Interativo e BandSports adquiriram em conjunto, os direitos de transmissão da liga por uma temporada (2016/17).

Inglaterra e Espanha[editar | editar código-fonte]

Os direitos televisivos da competição foram comprados pela beInSports na época 2015-16. O canal transmite a Primeira Liga desde então nestes dois países.

Referências

  1. Noronha, Alexandre (5 de fevereiro de 2015). «"Liga Nos mantém-se por três anos e meio"». Jornal de Negócios. Consultado em 10 de dezembro de 2015 
  2. Pereira, Miguel Lourenço (21 de julho de 2014). «"Campeonato de Portugal, a verdadeira origem da Taça de Portugal"». Futebol Magazine. Consultado em 10 de Dezembro de 2015 
  3. Parreirão 1989
  4. Tovar 2011, p. 191.
  5. Jornal Stadium, 10 Janeiro de 1940
  6. Tovar, p. 136
  7. «"Boavista pode regressar à Liga na próxima época"». Renascença. 21 de Fevereiro de 2013. Consultado em 10 de Dezembro de 2015 
  8. «Características e Zonas do Estádio». www.slbenfica.pt. Consultado em 6 de fevereiro de 2019 
  9. Record (29 de Abril de 2012). «Os treinadores campeões em Portugal» 
  10. Relvado (16 de Abril de 2014). «As Dobradinhas» 
  11. «"Melhores marcadores de sempre das Ligas europeias"» 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Henrique Parreirão (1989). 1º Centenário do Futebol Português. Os 75 anos da FPF FPF ed. [S.l.: s.n.] 320 páginas 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]