Canais semicirculares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Canal semicircular do sistema vestibular - corte.

Os canais semicirculares são três tubos ósseos ocos dispostos perpendiculares entre si[1], interconectados e cheios de líquido, endolinfa, que fazem parte do aparelho vestibular da orelha. No entanto, a sua função não está relacionada com a audição, mas com o equilíbrio do corpo.

Fornecem ainda informações sensoriais sobre a velocidade, permitindo que o reflexo vestíbulo-ocular (RVO) produza um movimento ocular proporcional ao movimento cefálico.[2] Dessa forma o olho permanece imóvel enquanto a cabeça realiza a movimentação, levando a uma visão clara.

Pode dizer-se que estes tubos (superior, posterior e horizontal) são equivalentes a três giroscópios localizados em três planos aproximadamente perpendiculares. Os canais verticais formam um ângulo de cerca de 100º, semicircular, enquanto os horizontais formam um ângulo de 95º com o canal posterior e de 110º com o anterior. Desvios de 10-15º são a variação normal. Uma vez que os ângulos não são exatamente perpendiculares, os movimentos da cabeça estimulam simultaneamente os canais horizontal e verticais.

Quando por exemplo giramos diversas vezes, sentimos tontura. Isso acontece porque o líquido presente nos canais semicirculares continua em movimento.

Ícone de esboço Este artigo sobre Anatomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Lundy-Ekman, Laurie (9 de maio de 2011). Neurociência Fundamentos para Reabilitação (em inglês). [S.l.]: Elsevier Brasil. ISBN 9788535245905 
  2. Herdman, Susan J. (2002). Reabilitação vestibular. [S.l.]: MANOLE. ISBN 9788520412565