Canal Livre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o talk show. Se procura pelo programa apresentado pelos irmãos Souza, veja Canal Livre (Amazonas).
Canal Livre
Logotipo do programa
Informação geral
Formato talk show
Gênero Jornalismo
Duração 60 Minutos
Criador(es) Grupo Bandeirantes de Comunicação
País de origem  Brasil
Idioma original (em português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Fernando Mitre
Rodolfo Schneider
Apresentador(es) Rodolfo Schneider
Fernando Mitre
Exibição
Emissora original Brasil Rede Bandeirantes
Formato de exibição 480i (SDTV)
1080i (HDTV)
Transmissão original Primeira Fase: 17 de agosto de 19801996

Segunda Fase: 26 de maio de 2002 – presente

Cronologia
Programas relacionados Roda Viva
Show Business

Canal Livre é um talk-show jornalístico exibido semanalmente pela Rede Bandeirantes, à 00h00 de domingo. Durante cerca de 12 anos, passaram pelo programa figuras importantes do cenário nacional e internacional como Lula, FHC, José Serra, Caetano Veloso, Darcy Ribeiro, Tom Jobim, Chico Buarque, Alceu Amoroso Lima e Daniel Ortega. Atualmente, tem a apresentação de Fernando Mitre, Rodolfo Schneider e jornalistas convidados.

História[editar | editar código-fonte]

O Canal Livre é um dos programas de entrevistas mais representativos da história da televisão brasileira, símbolo de independência nos anos 1980 e 1990. Ganhou destaque desde os tempos de luta pela liberdade democrática e firmou-se como um programa de grande prestígio no Brasil e no exterior. Nas noites de domingo, o Canal Livre permanece fiel à marca forte que lhe deu origem.

"A Band sempre fez um jornalismo com coragem, e o Canal Livre é um símbolo disso", ressalta Fernando Mitre, diretor nacional de jornalismo da emissora. Exibido de um estúdio especialmente desenvolvido e desenhado para ele, o programa dedica-se sempre a fazer entrevistas em profundidade com personalidades nacionais e internacionais, como chefes de Estado e lideranças expressivas nos meios político, econômico, empresarial, artístico e esportivo. Os jornalistas e o entrevistado ficam numa mesa redonda sob o foco de três câmeras cruzadas. Além disso, as imagens são registradas por uma quarta câmera móvel num trilho circular.

O diretor nacional de jornalismo diz que o Canal Livre vai recorrer ao material de pesquisa sobre o entrevistado para ilustrar o assunto. O arquivo da Band também vai resgatar imagens de momentos históricos do programa. O seu surgimento, em 1980, coincidiu com o processo de abertura política no país. Em plena ditadura, era uma tentativa de levar para a tevê um jornalismo mais crítico, opinativo e independente. Esse objetivo era explícito inclusive no encerramento, quando a voz de Sargentelli era ouvida em off na leitura dos Direitos Humanos.

Mudanças[editar | editar código-fonte]

O programa estreou em 17 de agosto de 1980, sendo exibida aos domingos às 22h15, tendo como primeiro apresentador o jornalista Roberto d'Ávila e seu primeiro entrevistado foi o então ministro do Trabalho Murilo Macedo.[1][2]

Entre 1980 e 1996, além de Roberto D'Ávilla, passaram pela apresentação Belisa Ribeiro, Marília Gabriela, Silvia Poppovic e Flávio Gikovate. Em meados de 1996, o programa deixa a grade de programação da Rede Bandeirantes.

Em 26 de maio de 2002, o programa reestreou com apresentação de Márcia Peltier, retomando ao formato de entrevistas, passando a ser transmitido aos domingos das 21h30 às 22h30. O primeiro entrevistado foi o então presidenciável Ciro Gomes.[3][4][5]

Em 2003, o programa passou a ser exibido ao vivo aos sábados, às 21h30 até 23h00, mas logo depois voltou a ser transmitido aos domingos, 00h00 até 01h00. Ainda em 2003, as transmissões ao vivo passaram a ocorrer esporadicamente, em edições especiais do programa e a apresentação passou a ser de Bira Valdez até o ano de 2005, quando Joelmir Betting assumiu o posto.

De 2011 à 2018, a direção do programa passou para as mãos da jornalista Paula Azzar.[6]

Mediadores[editar | editar código-fonte]

Mediador Temporadas
Rodolfo Schneider[1] 2020–presente
Fernando Mitre[1] 2016–presente
Rafael Colombo[1] 2019–2020
Fábio Pannunzio[1] 2016–2019
Ricardo Boechat[1] 2016–2019
Boris Casoy 2008–2016
Joelmir Betting 2005–2012
Bira Valdez 2003–2005[7]
Márcia Peltier 2002–2003
Flávio Gikovate 1991–1996[8]
Ney Gonçalves Dias 1989–1990
Silvia Poppovic 1988–1989[5]
Marília Gabriela 1987–1988[5]
Belisa Ribeiro 1983–1986[5]
Roberto d'Ávila 1980–1983[5]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f «Canal Livre: 38 anos do tradicional programa de debates da Band». Observatório da Televisão. 17 de outubro de 2018. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  2. Senna, Paulo (12 de maio de 2002). «'CANAL LIVRE', POLÊMICA EM 80 - TV-Pesquisa». www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br. O Globo. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  3. «Folha Online - Ilustrada - Band relança o histórico "Canal Livre" em maio - 25/04/2002». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  4. «ISTOÉ Gente». www.terra.com.br. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  5. a b c d e Padglione, Cristina (19 de maio de 2002). «BAND REATIVA O BOM E VELHO 'CANAL LIVRE' TV-Pesquisa». www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br. Estadão. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  6. «Direitos de TV: decisão do campeonato francês será nesta quinta». tvefamosos.uol.com.br. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  7. «Jornalismo perde Bira Valdez». Portal IMPRENSA - Notícias, Jornalismo, Comunicação (em inglês). Consultado em 22 de dezembro de 2018 
  8. «Gikovate abre Canal Livre ao psicologismo TV-Pesquisa». www.tv-pesquisa.com.puc-rio.br. 31 de março de 1991. Consultado em 22 de dezembro de 2018 
Ícone de esboço Este artigo sobre a Rede Bandeirantes é um esboço relacionado ao projeto entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.