Canjiquinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de canjiquinha, veja Canjica. Para o cisto (cisticerco) de parasitas do gênero Taenia presentes na carne para consumo, veja Tênia.
Canjiquinha em panela de barro em restaurante de Coronel Fabriciano.

A canjiquinha, também conhecida por quirera de milho ou péla égua, é uma iguaria brasileira típica do estado de Minas Gerais que se constitui de milho triturado grosseiramente até se esfarelar (a ponto de não passar por uma peneira) sendo cozido com carne de porco (geralmente costelinha) e outros temperos caseiros. Há ainda variações (bem menos comuns) feitas com carne bovina, frango ou linguiça. Normalmente é servida em prato fundo, acompanhada de couve picada fina, refogada ou com pimenta.[1][2]

A verdadeira data da origem do preparo da canjiquinha é desconhecida, porém há documentos relatando seu preparo por volta de 1749.[3] Pode ser considerada uma variedade do xerém, nome dado em outras regiões a diversos pratos salgados da cozinha luso-brasileira baseados em milho quebrado e cozido.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Governo de Minas Gerais. «Cozinha Mineira». Consultado em 1 de março de 2014. Cópia arquivada em 1 de março de 2014 
  2. Edu Guedes (20 de abril de 2010). «A receita de hoje é Canjiquinha». R7.com. Consultado em 20 de abril de 2012. Cópia arquivada em 1 de março de 2014 
  3. Alimentares (2000). «Canjiquinha ou "Péla Égua"». Universidade Metodista de São Paulo. Consultado em 20 de abril de 2012. Cópia arquivada em 1 de março de 2014 
Ícone de esboço Este artigo sobre culinária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.