Canoa fantasma no Rio Tietê

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Canoa fantasma no Rio Tietê
Autor Nair Opromolla
Data Século XX
Técnica tinta a óleo
Dimensões 34,6 centímetros, 29,2 centímetros x 48,5 centímetros, 43 centímetros
Localização Museu Paulista

Canoa fantasma no Rio Tietê, também conhecida como Canoa fantasma, é uma pintura de Nair Opromolla. Integra a coleção do Museu Paulista (número de inventário é 1-19463-0000-0000). Retrata o imaginário fantástico associado às monções, a partir da obra Diário de Navegação de Teotônio José Juzarte, em que o rio, no caso o Rio Tietê, aparece com o símbolo do desconhecido.[1][2]

A tela alterna cores vibrantes, na canoa e na vegetação, e representações de vulto, como a da nau fantasma. A obra foi produzida com pintura a óleo. Suas medidas são: 29,2 centímetros de altura e 43 centímetros de largura.[3]

A obra foi uma encomenda de Afonso Taunay, no contexto do Programa Decorativo do Museu Paulista, que aliás orientou a produção. Em carta de 1943, Taunay escreveu à artista:[3]

Um outro quadro em que a Sra. Podia passar para um croquis e que seria a réplica deste: num cenário como este representar outra cena das tradições do Tietê das Monções: a do canoão misterioso espécie de nau catarineta do rio. Num estirão do rio enevoado dois canoões a distância no da frente vultos confusos de homens de costas, vestidos de branco, no de traz uma guarnição de remadores, remando todos a força e na proa um homem de pé soprando enorme buzina.

Uma influência principal da obra foi Partida da Monção, de Almeida Júnior, em especial pela presença de bruma -- uma sugestão de Taunay a Opromolla.[3]

Ligação externa[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hessel, Rodolfo Jacob (10 de novembro de 2006). «Iconografia monçoeira: imagens e ideologia» 
  2. Juzarte, Teotônio José; Souza, Jonas Soares de; Makino, Miyoko (2000). Diário da navegação. [S.l.]: EdUSP. ISBN 9788531405648 
  3. a b c Oliveira, Marcela Marrafon de (2007). «Paquequer, São Francisco e Tiete : as imagens dos rios e a construção da nacionalidade». bdtd.ibict.br. Consultado em 28 de janeiro de 2019