Cantar dos Reis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vicente Gil: Adoração dos três Reis Magos (1498-1518) no Museu Nacional Machado de Castro.

O cantar dos reis ou reisadas[1] é uma tradição secular portuguesa celebrada por volta do dia de Reis. Nesta, um grupo de populares, chamados de "reiseiros", tocam e cantam às portas das casas, invocando a celebração da visita dos três Reis Magos para pedir esmolas e donativos.[2] É muito semelhante à tradição das janeiras, que usa como pretexto o ano-novo.

O costume é já referido no final do século XVI em duas obras do dramaturgo português António Prestes: Auto do Procurador e Auto dos Dous Irmãos:

Primo se forem bem pagos
de terreiro aqui diremos
cantaremos, bailaremos
bem cantados uns Reis Magos.[3]

Vilão, i-vos, estai lá
cantai-lhe os Reis se cumprir.[3]

Como exemplo pode realçar-se a tradição do Porto, em que os grupos de reiseiros se organizavam de acordo com a ocupação, vizinhança, associação, ou nacionalidade, para percorrerem as ruas da cidade em procissão, cantando também à porta das casas. Existem registos de que nos Reis de 1882 soavam instrumentos como "zabumbas, ferrinhos e as gaitas de foles anasaladas, exclusivas dos carrejões galegos". Durante as celebrações ainda tinham lugar uma pantomina e um auto dos Reis.[2]

As cantigas interpretadas, recolhidas por vários autores portugueses, comummente adaptam antigos romances, conhecidos invariavelmente como romances dos três Reis Magos. Por vezes principiam com o famoso chamamento "Ó da casa, nobre gente / escutai e ouvireis, / da parte do Oriente, / são chegados os três Reis".[4]

A tradição não é exclusiva de Portugal, existindo paralelos um pouco por toda a Europa, como os "cantores da estrela".[5]

Referências

  1. «Reisadas». Guimarães Turismo. Consultado em 28 de dezembro de 2015 
  2. a b «A Festa dos Reis Magos na tradição dos portuenses». Jornal de Notícias. 2 de janeiro de 2004 
  3. a b Lopes, Afonso (1587). Primeira parte dos Autos e comedias portuguesas. feitas por Antonio Prestes & por Luis de Camões & por outros autores portugueses cujos nomes vão no principio das obras 1 ed. Lisboa: Andres Lobato 
  4. Pedroso, Zófimo Consiglieri (2014). Tradições Populares Portuguesas. [S.l.]: Edições Vercial 
  5. Bowler, Gerry, Dizionario universale del Natale [The World Encyclopedia of Christmas], ed. italiana a cura di C. Corvino ed E. Petoia, Newton & Compton, Roma, 2003, p. 286

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.