Cantigas do Maio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cantigas do Maio
Álbum de estúdio de Zeca Afonso
Lançamento 1971
Gravação Studio, Herouville (França), de 11 de Outubro a 4 de Novembro de 1971[1]
Gênero(s) Folk, canções
Duração 34:50
Idioma(s) Português
Formato(s) Vinil
Gravadora(s) Orfeu
Cronologia de Zeca Afonso
Traz outro amigo também
(1970)
Eu Vou Ser Como a Toupeira
(1972)

Cantigas do Maio é um álbum do músico José Afonso, editado e lançado no Natal de 1971.

Este álbum é apontado como marco e ponto alto na carreira do artista, músico, cantor e poeta José Afonso. Trata-se de um álbum inovador a vários níveis dentro da carreira do seu autor. Tal deve-se, em parte, também encenação musical inovadora de José Mário Branco, produtor do disco. À viola e guitarra tradicionais, José Mário associou trompete, flauta, acordeão, piano e diversas formas de percussão, que revelam definitivamente a grandeza do poeta-cantor José Afonso.

Contexto[editar | editar código-fonte]

O aparecimento deste álbum coincide com a revelação ou confirmação de novos cantores como Manuel Freire, José Jorge Letria, Francisco Fanhais, Sérgio Godinho, Luís Cília, Fausto, Vitorino, Júlio Pereira e Janita Salomé. Este grupo heterogéneo e diferenciado comungava de um mesmo propósito: José Afonso como alargamento das expressões da Música Popular Portuguesa.

Gravação[editar | editar código-fonte]

Foi registado em Outubro de 1971 nos Strawberry Studios na localidade de Herouville, em França. Teve acompanhamento de Carlos Correia (o guitarrista de rock que no ano anterior tinha substituído Rui Pato na gravação de Traz Outro Amigo Também, em Londres), Francisco Fanhais, José Mário Branco e alguns músicos franceses.[2]

Importância Histórica[editar | editar código-fonte]

Este disco foi proibido pela Censura da Emissora Nacional, aquando do seu lançamento, sendo concedida uma excepção na Rádio Renascença à canção "Grândola, Vila Morena".

Foi precisamente essa canção que tocou na Rádio Renascença, na madrugada de 25 de Abril de 1974 como segundo sinal nacional, às 0h20, a seguir à canção "John Português" de Beatriz da Conceição, por Tony de Matos, para avisar os revolucionários que as manobras podiam prosseguir em segurança, e que a partir de agora já não se pode voltar atrás.[3]

Prémios[editar | editar código-fonte]

Em 1978, um painel de 25 críticos reunidos pelo semanário Se7e atribui-lhe o estatuto de Melhor Álbum de Sempre da Música Popular Portuguesa. [4]

  • Prémio Alemão do Disco da Academia Fonográfica Alemã.[5]

Lista de Faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Duração
1. "Senhor Arcanjo"    
2. "Cantigas Do Maio"   5:50
3. "Milho Verde"   2:15
4. "Cantar Alentejano"   5:30
5. "Grândola, Vila Morena"   3:30
6. "Maio Maduro Maio"   3:15
7. "Mulher da Erva"   2:55
8. "Ronda das Mafarricas"   2:50
9. "Coro da Primavera"   4:55
Duração total:
34:50


Referências

  1. https://www.discogs.com/Jos%C3%A9-Afonso-Cantigas-Do-Maio/release/1844613
  2. Blitz 25 anos, Edição Especial de Coleccionador, Novembro 2009 n.º 41.
  3. «Zeca Afonso morreu há 25 anos». TSF Rádio Notícias. Consultado em 19 de Setembro de 2013 
  4. Blitz 25 anos, Edição Especial de Coleccionador, Novembro 2009 n.º 41.
  5. «José Afonso». Vidas Lusófonas. Consultado em 19 de Setembro de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de José Afonso é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.