Canto gutural

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O canto gutural (ou throat singing) se refere a várias práticas vocais encontradas em diferentes culturas ao redor do mundo. [1] [2] [3] [4] A característica mais comum de tais práticas é a de estarem ligadas a processos fonatórios identificados como voz gutural, que contrastam com a voz mais comumente usada na voz falada e cantada. Um aspecto geralmente associado ao canto gutural é o de produzir a sensação de mais de um tom por vez, ou seja, o ouvinte percebe duas ou mais notas musicais distintas quando o cantor está produzindo uma única vocalização. Esta descrição perceptiva de mais de uma altura tonal também se refere ao chamado canto dos harmônicos (ou canto difônico, na terminologia francesa).

O canto gutural, portanto, consiste em uma ampla gama de técnicas que originalmente pertencem a algumas culturas particulares e que parecem compartilhar algumas características sonoras que as tornam especialmente perceptíveis por outras culturas e usuários dos estilos de canto convencionais. [5] [6] [7] [8] [9] O termo se origina da tradução da palavra tuvaniana / mongol Xhöömei / Xhöömi, que literalmente significa garganta, gutural [10] . Grupos étnicos da Rússia, Mongólia, África do Sul, Canadá, Itália, China e Índia, entre outros, aceitam e normalmente empregam o canto gutural para descrever, em inglês, sua maneira especial de produzir voz e canto.

O termo canto gutural não é preciso, pois qualquer técnica de canto envolve a geração do som na "garganta", ou seja, a voz produzida ao nível da laringe, que inclui as pregas vocais e outras estruturas. [7] [11] [12] [9] Portanto, seria, em princípio, admissível referir-se ao canto lírico clássico ou ao canto pop como "canto gutural", por exemplo. No entanto, o termo garganta não é adotado pela terminologia oficial da anatomia e não está tecnicamente associado à maioria das técnicas de canto.

Muitos autores, performers, treinadores e ouvintes associam o canto gutural ao canto harmônico . Canto de garganta e canto harmônico certamente não são sinônimos, mas, em alguns casos, ambos os aspectos podem estar claramente presentes, como na técnica khargyraa de Tuva, com uma voz muito profunda e forçada e com rica manipulação de tons harmônicos.

O termo voz gutural é usada em outros contextos, como no Rock e na fonética para se referir a determinados fonemas. No Rock, se utiliza muito o termo vocal gutural para o estilo, que inclui diversas técnicas. A palavra "gutural", como qualidade vocal, costuma estar associada a uma voz áspera, forçosa, rouca, soprosa ou rouca.

As técnicas de canto gutural podem ser classificadas em (1) uma abordagem etnomusicológica : considerando os vários aspectos culturais, a associação a rituais, práticas religiosas, contação de histórias, canções de trabalho, jogos vocais e outros contextos; (2) uma abordagem musical: considerando seu uso artístico, os princípios acústicos básicos e os procedimentos fisiológicos e mecânicos para aprendê-los, treiná-los e produzi-los.

Há uma aceitação internacional consistente e entusiástica de concertos e workshops ministrados por grupos musicais pertencentes às diversas culturas que incorporam o canto gutural. Além das apresentações étnicas tradicionais, o canto gutural também é cultivado e explorado por numerosos músicos pertencentes aps movimentos contemporâneo, rock, new age, pop, independente, dentre outros. O mais relevante músico de rock e do gênero contemporâneo que utilizou técnicas de canto gutural no século XX foi o artista greco-italiano Demetrio Stratos.

Tipos de canto gutural[editar | editar código-fonte]

Os tipos de técnicas de canto gutural mais referidos, presentes em textos musicológicos e etnomusicológicos, estão geralmente associados a culturas tradicionais:

Em termos musicalmente relacionados, o canto gutural se refere, entre outras, às seguintes técnicas específicas:

  • Canto difônico, também conhecido como canto do harmônicos. Este é o estilo de canto mais comumente associado ao canto gutural [13] [14] [15], embora não sejam termos sinônimos. Nem todos os tipos de canto difônico envolvem uma voz gutural, nem todos os casos de voz gutural possuem claras manipulações dos harmônicos.
  • Canto de subharmônicos [16], isto é, técnicas que compreendem sons subharmônicos, geradas pelas vibrações combinadas de partes do aparelho de canto em uma certa frequência e frequências que correspondem a divisões inteiras de tal frequência, como 1: 2, 1: 3 e 1 : 4 proporções. [8]
  • Voz diplofônica, isto é, técnicas que consistem em partes do aparelho de canto vibrando em proporções não inteiras, são geralmente consideradas como associadas a processos patológicos - veja diplofonia . [17]
  • Voz de growl ou growling- consiste em uma técnica que utiliza estruturas do aparelho vocal localizadas acima da laringe, vibrando ao mesmo tempo que as pregas vocais, principalmente as ariepiglóticas. [18]
  • Vocal Fry, [19] uma técnica associada ao registro pulsátil ou do vocal fry.

Exemplos de áudio[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]

  • Cantando garganta tuvan
  • Lista de músicos harmônicos
  • Cantu a tenore

links externos[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Aksenov, A. N. (1973). «Tuvin Folk Music». Asian Music. 4: 7–18. JSTOR 833827. doi:10.2307/833827 
  2. Lindestad, P. A.; Södersten, M.; Merker, B.; Granqvist, S. (2001). «Voice source characteristics in Mongolian "throat singing" studied with high-speed imaging technique, acoustic spectra, and inverse filtering». Journal of Voice: Official Journal of the Voice Foundation. 15: 78–85. ISSN 0892-1997. PMID 12269637. doi:10.1016/S0892-1997(01)00008-X 
  3. Kob, Malte; Henrich, Nathalie; Herzel, Hanspeter; Howard, David; Tokuda, Isao; Wolfe, Joe (1 de setembro de 2011). «Analysing and Understanding the Singing Voice: Recent Progress and Open Questions». Current Bioinformatics. 6: 362–374. ISSN 1574-8936. doi:10.2174/157489311796904709 
  4. Sundberg, Johan (2015). Die Wissenschaft von der Singstimme. [S.l.]: Wissner-Verlag. ISBN 978-3-89639-959-5. OCLC 1001652162 
  5. Story, Brad (11 de abril de 2019), Welch, Graham F.; Howard, David M.; Nix, John, eds., «The Vocal Tract in Singing», ISBN 978-0-19-966077-3, Oxford University Press, The Oxford Handbook of Singing (em inglês): 144–166, doi:10.1093/oxfordhb/9780199660773.013.012, consultado em 1 de outubro de 2021 
  6. Mergell, Patrick; Herzel, Hanspeter (1997). «Modelling biphonation — The role of the vocal tract». Speech Communication (em inglês). 22: 141–154. doi:10.1016/S0167-6393(97)00016-2 
  7. a b Lindblom, B. E.; Sundberg, J. E. (1971). «Acoustical consequences of lip, tongue, jaw, and larynx movement». The Journal of the Acoustical Society of America. 50: 1166–1179. ISSN 0001-4966. PMID 5117649. doi:10.1121/1.1912750  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":1" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  8. a b Fuks, L, B Hammarberg, J Sundberg (1998). «A self-sustained vocal-ventricular phonation mode: acoustical, aerodynamic and glottographic evidences». KTH TMH-QPSR: 49–59  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":2" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  9. a b Edmondson, Jerold A.; Esling, John H. (2006). «The valves of the throat and their functioning in tone, vocal register and stress: laryngoscopic case studies». Phonology (em inglês). 23: 157–191. ISSN 0952-6757. doi:10.1017/S095267570600087X  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome ":3" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  10. Walcott, Ronald (1974). «The Chöömij of Mongolia: A Spectral Analysis of Overtone Singing». SELECTED REPORTS IN Ethnomusicology. Volume II, No. 1 1974 
  11. Story, B. H.; Titze, I. R.; Hoffman, E. A. (1996). «Vocal tract area functions from magnetic resonance imaging». The Journal of the Acoustical Society of America. 100: 537–554. ISSN 0001-4966. PMID 8675847. doi:10.1121/1.415960 
  12. Johan, Sundberg (2007). Röstlära : fakta om rösten i tal och sång. [S.l.]: Johan Sundberg. ISBN 978-91-633-0485-9. OCLC 862100792 
  13. Kob, Malte (2004). «Analysis and modelling of overtone singing in the sygyt style». Applied Acoustics (em inglês). 65: 1249–1259. doi:10.1016/j.apacoust.2004.04.010 
  14. Bergevin, Christopher; Narayan, Chandan; Williams, Joy; Mhatre, Natasha; Steeves, Jennifer KE; Bernstein, Joshua GW; Story, Brad (17 de fevereiro de 2020). «Overtone focusing in biphonic tuvan throat singing». eLife (em inglês). 9: e50476. ISSN 2050-084X. PMC 7064340Acessível livremente. PMID 32048990. doi:10.7554/eLife.50476 
  15. Bloothooft, G.; Bringmann, E.; van Cappellen, M.; van Luipen, J. B.; Thomassen, K. P. (1992). «Acoustics and perception of overtone singing». The Journal of the Acoustical Society of America. 92: 1827–1836. ISSN 0001-4966. PMID 1401528. doi:10.1121/1.403839 
  16. Švec, Jan G.; Schutte, Harm K.; Miller, Donald G. (1996). «A Subharmonic Vibratory Pattern in Normal Vocal Folds». Journal of Speech, Language, and Hearing Research (em inglês). 39: 135–143. ISSN 1092-4388. PMID 8820705. doi:10.1044/jshr.3901.135 
  17. Herzel, Hanspeter; Reuter, Robert (1996). «Biphonation in voice signals». Mystic, Connecticut (USA): AIP. AIP Conference Proceedings (em inglês). 375: 644–657. doi:10.1063/1.51002 
  18. Sakakibara, K-I, Fuks L, Imagawa H (2004). Growl Voice in Ethnic and Pop Styles. Nara, Japan: Proceedings of the International Symposium on Musical Acoustics, ISMA 2004 
  19. Lindsey, Geoff (2019), «Chapter 27 Vocal Fry», ISBN 978-3-030-04356-8, Cham: Springer International Publishing, English After RP: 95–96, doi:10.1007/978-3-030-04357-5_28, consultado em 1 de outubro de 2021