Cao Guimarães (cineasta)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cao Guimarães
Nascimento 1965 (55 anos)
Belo Horizonte
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Residência Belo Horizonte
Ocupação Cineasta e artista plástico
IMDb: (inglês)

Cao Guimarães, cineasta e artista plástico, nasceu em 1965 em Belo Horizonte, onde vive e trabalha.

É premiado em festivais de vídeo e de cinema nacionais e internacionais. Publica artigos, críticas de arte e contos em suplementos literários de jornais e revistas.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vídeo Arte[editar | editar código-fonte]

Sin-peso[editar | editar código-fonte]

Filmado no méxico, em parceria com O Grivo.

Foi realizada uma pesquisa prévia de som, mistura de falas de vendedores ambulantes, pessoas que gritam nas ruas. As que se sobrepõe a esses sons são coloridas e geométricas.

Inquilino[editar | editar código-fonte]

Em uma casa em obras, pairam grande bolha de sabão fabricadas com a ajuda de gás hélio. Tentativa de atribuir um clima de suspense no vídeo.

Hypnosis[editar | editar código-fonte]

Feito em Kodachrome, o filme foi realizado em um parque de diversões, depois de uma noite de bebedeira.

Rua de mão dupla (instalação)[editar | editar código-fonte]

Foram convidadas pessoas que não se conheciam, para uma troca de casas, durante 24 horas. Ao final do dia, Cao pediu para que fosse feito um relato sobre a pessoa que mora na casa. Os comentários são colocados ao lado a uma retrato filmado do dono da residência.

Com o material desse projeto, foi montado também um documentário.

Cinema[editar | editar código-fonte]

Alma do Osso[editar | editar código-fonte]

Construção e desconstrução do personagem: na primeira parte do filme, Cao monta um eremita ideal, criado em sua cabeça antes de fazer um filme. Um homem que não fala. Depois, descontrói isso, deixando a personalidade de Dominguinhos, o eremita em questão, vir a tona, pois ele não parava de falar durante a filmagem do documentário.


Ex-isto[editar | editar código-fonte]

O Itaú cultural convidou Cao para realizar um filme sobre Paulo Leminsky, o que o levou a adaptar de uma forma muito peculiar o primeiro livro e único romance do poeta, o Catatau.


Na obra em questão, Leminski imagina (o filósofo) René Descartes vindo aos trópicos, na época da invasão holandesa do Maurício de Nassau. 


Prêmios[editar | editar código-fonte]

2014

Festival de Guadalajara 

Prêmio Especial do Júri, 

“O homem das multidões”(2013)

2013

Festival do Rio, “O homem das multidões”(2013)

Melhor direção

2012

45 Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. “Otto” (2012)

Melhor filme (longa-metragem documentário)

2008

Prêmio Lady Harimaguada de Oro - Melhor filme" no 9º Festival Internacional de Cine de Las Palmas de Gran Canaria com o filme "Andarilho"

2007

Prêmio de "Melhor Filme" no Forumdoc.bh.2007 - 11º Festival do Filme Documentário e Etnográfico / Brasil, com o filme "Andarilho"

Prêmio "Melhor Diretor" no Festival Internacional de Cinema do Rio, com o filme "Andarilho"

Prêmio de "Melhor Documentário IberoAmericano" no 22o Festival Internacional de Cinema de Guadalajara, com o filme "Acidente"

2006

Prêmio "ABDeC de Melhor Documentário" no Festival de Cinema do Rio, com o filme "Acidente"

2005

Prêmio de "Melhor Filme" no X Festival Internacional de Documentários - É Tudo Verdade / Brasil, com o filme "Da Janela do Meu Quarto"

Prêmio de "Melhor Curta Metragem" no III Cine Esquema Novo/Brasil, com o filme "Da Janela do Meu Quarto"

2004

Prêmios "Melhor documentário da Competição Internacional" (Júri Oficial) e "Melhor documentário da Competição Nacional" (Júri Oficial) no IX Festival Internacional de Documentários - É Tudo Verdade / Brasil

Prêmio de "Melhor Curta Metragem" no Festival de Curtas do Rio de Janeiro/Brasil, com o filme "Da Janela do Meu Quarto"

2001

 Prêmio aquisição no XXVII Panorama da Arte Brasileira - MAM, SP com a instalação "Histórias do Não Ver"

Prêmio E-cinema (filmes experimentais) no II Festival Brasil Digital, pelo filme "Sopro"

Prix George de Beauregard / Canal + - Competição Internacional do Festival Internacional do Documentário / fictions du réel / Marseille - França, com o filme O Fim do Sem Fim

Prêmio Cinema Indireto no Forumdoc.bh.2001 (V Festival do filme documentário e etnográfico, Belo Horizonte, com o filme "O fim do sem fim"

Prêmio de Melhor Montagem na competição de longas metragens do XI Cine Ceará, com o filme O Fim do Sem Fim

Prêmio GNT de Renovação de Linguagem no VI Festival Internacional de Documentários "É tudo verdade" com o filme O Fim do Sem Fim

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Título
1998 Otto, Eu Sou um Outro
2000 Sopro
2000 O Fim do Sem-Fim
2001 Hipnosis
2002 Coletivo
2003 Nanofania
2004 Da Janela do meu Quarto
2004 Rua de mão dupla
2004 A Alma do Osso
2005 Concerto para Clorofila
2006 Peiote
2006 Acidente
2007 Andarilho
2010 Ex-isto

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.