Capela de D. Fradique de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Capela de D. Fradique de Portugal
Altar da Capela de D. Fradique de Portugal
Construção séc. XVI
Promotor / construtor D. Fradique de Portugal
Aberto ao público Sim
Estilos arquitetónicos Manuelino
Património Nacional
Classificação Logotipo Anta Vilarinho PT.png Monumento Nacional
(Decreto n.º 8 228, DG n.º 133)
Data 04-07-1922
DGPC 70536
SIPA 70536
Estado de conservação Bom
Geografia
País Portugal

A Capela de D. Fradique de Portugal encontra-se no interior da Igreja do Convento de São Francisco, na freguesia de Santo André, no Concelho de Estremoz, Distrito de Évora, Portugal.[1][2]

Edifício classificado como Monumento Nacional desde 1922,[3] está aberto ao público diariamente das 14 às 19 horas.[4]

História e descrição[editar | editar código-fonte]

A capela foi construída em 1539, em estilo manuelino, por ordem de D. Fradique de Portugal, bispo de Calatrava, Segóvia e Sigüenza, arcebispo de Saragoça, vice-rei da Catalunha e filho dos condes de Faro, Odemira e Vimieiro. Foi instituida para panteão da sua família, que teve o senhorio de Estremoz.[5]

No panteão dos senhores do Vimieiro, estão sepultados D. Fernando de Noronha (falecido em 1552) e D. Isabel de Melo (1563), sua esposa.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. IGESPAR, Ministério da Cultura de Portugal. «Ficha da Capela de D. Fradique de Portugal». Consultado em 1 de março de 2011 
  2. «Capela de D. Fradique de Portugal. Site do SIPA - Sistema de Informação para o Património Arquitectónico». Consultado em 1 de março de 2011 
  3. Decreto n.º 8 228, DG n.º 133, de 04-07-1922
  4. «Capela de D. Fradique de Portugal. Descrição na página oficial do Município de Estremoz». Consultado em 1 de março de 2011 
  5. MENDEIROS, José Filipe. Património religioso de Estremoz, pág. 33. Estremoz, 2001

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MENDEIROS, José Filipe, "Património Religioso de Estremoz"´´, edição da Câmara Municipal de Estremoz, 2001, ISBN 972-9700-1-5
  • CRESPO, Marques, "Estremoz e o seu termo municipal", editora Tipografia Brados do Alentejo, Estremoz, 1950
  • PROENÇA, Raul e SANTOS Reynaldo dos, Notícia sobre a Reparação da Igreja do Real Convento de S. Francisco de Estremoz, Lisboa, 1883;
  • CHAVES, Luís, Arqueologia Artística III - Siglas nos edifícios Medievais de Estremoz, Estremoz, 1917;
  • ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico de Portugal-Distrito de Évora, Vol.7, Lisboa, 1975.