Capela de Santa Luzia (Vitória)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Capela de Santa Luzia
Tipo igreja
Inauguração 1537 (485 anos)
Geografia
Coordenadas 20° 19' 10.643" S 40° 20' 18.19" O
Localização Vitória - Brasil
Patrimônio Património de Influência Portuguesa (base de dados), bem tombado pelo IPHAN, bem tombado pela SEMC

A capela de Santa Luzia é um templo católico construído em 1537, localizado no centro histórico da cidade de Vitória, capital do Espírito Santo.

História[editar | editar código-fonte]

A capela de Santa Luzia é considerada a construção mais antiga da cidade de Vitória e foi construída no século XVI sobre uma pedra como capela particular da fazenda de Duarte de Lemos, primeiro morador da ilha de Santo Antônio – atual cidade de Vitória – que recebeu as terras como sesmaria doara pelo primeiro donatário da capitania do Espírito Santo Vasco Fernandes Coutinho.

Ela possui traços arquitetônicos simples, uma nave retangular e capela-mor, característica comum das igrejas barrocas do estado, o que possivelmente mostra alterações em seus traços, já que foi construída antes do período barroco, que se destacou nos séculos XVIII e XIX[1].

A pequena igreja está "erguida sobre uma pedra, com fundações e alicerces em alvenaria de pedra argamassada apoiados diretamente e visíveis nas fachadas lateral e frontal"[2]. É o único monumento da cidade alta que preserva as características da arquitetura colonial brasileira[3].

Interior e Altar da Capela.

A igreja sofreu algumas reformas ao longo do tempo, a primeira ocorreu em 1812, quando provavelmente ganhou os atuais traços barrocos, para que o local funcionasse como templo religioso nos anos seguintes até 1928, quando foi desocupada[4].

Tombamento e reformas[editar | editar código-fonte]

A Capela de Santa Luzia foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 1946[5]. Após o tombamento, ela passou por uma série de restauros, reformas e funções:

  • Uma reforma foi feita logo após o tombamento, em 1947, devido ao fato de que se encontrava em ruínas;
  • outra aconteceu em 1970 para que fossem recuperados o telhado, forro e pisos;
  • uma restauração ocorreu durante o período de 1994 – 1996;
  • mais uma em 1998 para o restauro do altar mor e púlpito;
  • outra em 2005 que resultou na descoberta de pinturas do forro em madeira e nas paredes da capela mor, provavelmente executadas no século XIX;
  • uma em 2012 para o restauro da fachada.
  • Por fim, a capela foi fechada ao público para obras de restauro em 2016, com reabertura em 2019.

Durante o período de 1950 a 1970 sediou o Museu de Arte Sacra do Espírito Santo que foi transferido para o Museu Solar Monjardim, entre 1976 a 1994 funcionou como Galeria de Arte e Pesquisa da Universidade Federal do Espírito Santo[6]. Anos depois, quando o Iphan voltou a assumir a gestão da capela, retornando para lá a coleção de arte sacra até a criação do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram)[6].

Atualmente é um ponto turístico imprescindível aos turistas que buscam conhecer o centro Histórico de Vitória.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. portobello (26 de julho de 2019). «Arquitetura barroca e influências brasileiras: entenda mais sobre o movimento». Archtrends Portobello Blog. Consultado em 5 de julho de 2022 
  2. PRODEST; APEES. «Governo do Estado entrega restauro da Capela de Santa Luzia na próxima segunda-feira (02)». APEES. Consultado em 5 de julho de 2022 
  3. «Igreja de Santa Luzia (Vitória, ES). IPHAN». Consultado em 21 de dezembro de 2016 
  4. «Capela de Santa Luzia é reaberta após obras de restauro». Prefeitura de Vitória. Consultado em 5 de julho de 2022 
  5. «Página - IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional». portal.iphan.gov.br. Consultado em 5 de julho de 2022 
  6. a b Fabio (20 de abril de 2021). «07/11/2014: Entrevista da Sra. Carolina Abreu, ex-diretora da Superintendência do Iphan no Espírito Santo, realizada no dia 07 de novembro de 2014, por email». História Capixaba. Consultado em 5 de julho de 2022