Capela palatina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Interior.

A Capela palatina é uma capela medieval situada em Aachen, na Alemanha. É a única estrutura sobrevivente do desaparecido Palácio de Aachen de Carlos Magno. Trata-se de um dos principais monumentos do Renascimento carolíngio. Na capela estão depositados os restos mortais de Carlos Magno. O edifício foi apropriado pela dinastia otoniana, tendo aí sido realizadas a coroações entre 963 e 1531.[1] Enquanto parte da Catedral de Aachen, a capela é classificada como Património da Humanidade pela UNESCO.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Exterior.

Carlos Magno iniciou a construção da capela por volta do ano 792, a par da edificação das restantes estruturas do palácio.[3] Foi consagrada em 805 pelo Papa Leão III em honra da Virgem Maria. O edifício é abobadado e de planta centralizada. A parte oriental apresenta uma ábside retangular, sendo inicialmente ladeada por duas estruturas basilicais, hoje em dia inexistentes e só reveladas através de escavações arqueológicas. A entrada fazia-se por um átrio monumental a ocidente. A planta e a decoração do edifício conjuga elementos da arquitetura clássica, bizantina e pré-românica. O nome do arquiteto responsável, Odo de Metz, está gravado numa inscrição do século X em torno da cúpula, sendo desconhecida qualquer outra obra sua. O exterior apresenta uma decoração simples, contrastando com a complexidade do interior e dos programas decorativos. A cúpula octogonal assenta em pilares de grande dimensão, tendo o interior uma altura equivalente a dois pisos.[4] Em 936, Oto I, o primeiro Sacro Imperador Romano da dinastia otoniana, aproveitando-se da associação da capela à imagem de Carlos Magno, realizou nela a sua coroação enquanto rei da Alemanha. Os restantes monarcas da dinastia mantiveram esta tradição até 1531.[1]

Interior[editar | editar código-fonte]

Planta.

O espaço central da capela é dominado por um deambulatório de dezasseis lados, sobre o qual existe uma galeria em torno da cúpula octogonal. A planta e a decoração mostram influências da Basílica de São Vital em Ravena, do século VI, cidade que Carlos Magno visitou por três vezes, a primeira das quais em 787. Nesse mesmo ano escreveu ao Papa Adriano I, requisitando mosaicos, mármores e diversos materiais para os pavimentos e paredes para o seu palácio.[5]


Referências

  1. a b Jeep, John M., ed. (2001). Medieval Germany: an Encyclopedia. Nova Iorque: Garland. p. 1. ISBN 978-0-8240-7644-3 
  2. «Aachen Cathedral». UNESCO World Heritage Centre. Consultado em 2 de outubro de 2013 
  3. Conant, Kenneth J. (1994). Carolingian and Romanesque Architecture 4th ed. New Haven: Yale University Press. p. 47. ISBN 0300052987 
  4. Gould, Andrew (January 8, 2013). «Marble Revetments». Orthodox Arts Journal. Consultado em 18 May 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  5. Monumenta Germaniae Historica, "Epistolae Merowingici et Karolini Aevi (I)", 614.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Capela palatina