Cara & Coroa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cara e Coroa)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Cara & Coroa
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 50 minutos
Criador(es) Antônio Calmon
País de origem  Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Wolf Maya
Elenco Christiane Torloni
Victor Fasano
Luís Mello
Maitê Proença
Miguel Falabella
Lúcia Veríssimo
Marcos Paulo
Alessandra Negrini
Thierry Figueira
Rosi Campos
Wolf Maya
Carlos Zara
Marilena Ansaldi
(Ver mais)
Tema de abertura "Tocar Você", Edmon
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Globo
Transmissão original 24 de julho de 1995 - 29 de março de 1996
N.º de episódios 215
Cronologia
Último
Último
Quatro por Quatro
Vira Lata
Próximo
Próximo
Programas relacionados A Usurpadora

Cara & Coroa é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo no horário das 19 horas, de 24 de julho de 1995 e 29 de março de 1996, substituindo Quatro por Quatro e sendo substituída por Vira Lata, tendo 215 capítulos, sendo a 52ª "novela das sete" exibida pela emissora.

Escrita por Antônio Calmon, com a colaboração de Ângela Carneiro, Lílian Garcia e Eliane Garcia, supervisão de texto de Walther Negrão e dirigida por Wolf Maya, Maurício Farias, André Schultz, José Luiz Villamarim e Carlos Magalhães, com direção geral de Wolf Maya.[1]

Christiane Torloni, Victor Fasano, Luís Mello, Lúcia Veríssimo, Marcos Paulo, Thierry Figueira, Marilena Ansaldi, Carlos Zara, Rosi Campos, Wolf Maya, Alessandra Negrini, Miguel Falabella e Maitê Proença interpretaram os papéis principais da trama, que se centrava nos contrastes entre duas mulheres fisicamente idênticas, mas com personalidades completamente opostas.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Primeira fase[editar | editar código-fonte]

Fernanda é uma mulher muito rica, elegante e sedutora, além de muito namoradeira e meio desequilibrada emocionalmente, não se dá nada bem com a família. Prestes a se casar com Rubinho, seu noivo, foge da igreja e se casa com Miguel, seu ex-namorado, com quem tem um filho, o pequeno Pedro, criado por sua mãe, mas depois de um tempo morando com Miguel, ela o abandona e acaba por trocá-lo pelo irmão dele, Mauro, um advogado inescrupuloso que somente quer o seu dinheiro.

Passa-se o tempo e Fernanda está infeliz morando com Mauro, e após muitas brigas, descobre que ele tem um caso com Heloísa, uma mulher muito perigosa e cruel. Cega de ciúmes e não admitindo ser traída, Fernanda atira em Mauro, mas a bala atinge um estranho, matando-o. (No decorrer da novela descobre-se que Mauro foi quem atirou no homem para incriminar Fernanda, já que ela estava desmaiada após uma briga entre eles).

Jurando inocência e sabendo que não matou aquele desconhecido, ela se desespera e tenta fugir, mas é capturada e vai presa, se tornando uma mulher infeliz e esquecida por todos, apesar de Mauro ser o único a visitá-la e de vez em quando.

Segunda fase[editar | editar código-fonte]

Treze anos se passaram. Fernanda nunca se esqueceu de Mauro, e até hoje quer saber quem poderia ter matado aquele desconhecido.

Heloísa e Mauro descobrem que está presa com Fernanda uma sósia dela, Vitória, a Vivi, presa injustamente junto com amiga Margô. Elas foram acusadas por um assalto que não cometeram.

Vitória é doce e simples, criada em um orfanato de São Paulo, não tem tantos amigos e sonha conhecer um dia sua família. Antes de ser presa, trabalhava como voluntária em um hospital de dia e como garçonete em uma boate a noite.

Vitória e Fernanda ficam por alguns meses presas na mesma cela, assim que se conhecem e estranham a semelhança física entre as duas. Tirando partido dessa semelhança, Mauro e Heloísa armam um plano: Fernanda tem um derrame ao descobrir que Mauro se casou com Heloísa e teve uma filha e os dois, se aproveitando disso, internam Fernanda em uma clínica, e os médicos dizem que será quase impossível ela se recuperar.

Dando continuidade ao plano, o casal de bandidos sequestram Vivi, que acabara de ganhar sua liberdade condicional. Eles a obrigam a tomar o lugar de Fernanda, para se apoderarem dos bens e dos milhões que Fernanda irá receber ao assinar seu divórcio com Miguel. Vivi, ameaçada de morte, aceita, com medo de voltar para a cadeia. Ao chegar em Porto do Céu, uma pequena cidade do litoral, Vivi muda completamente de visual, cortando os cabelos e pondo lentes, ficando ainda mais idêntica a Fernanda.

Vitória, agora Fernanda, enfrentará muitos problemas entre eles, a revolta do filho de sua sósia, Pedro, que agora é um adolescente, mas que nunca se deu bem com a mãe na infância, por ter sido criado pela avó, achando que a mãe havia morrido. Vivi também enfrentará a revolta de sua família, principalmente de Guilhermina, mãe de Fernanda, que sempre foi maltratada pela filha e quando ela se casou, foi abandonada por ela, que teve de criar o neto.

Ela passa a ser mal vista por todos, já que Fernanda saía com todos os homens da cidade e por ter assassinado um homem. Vitória será ameaçada por Heloísa e Mauro de morte, terá que se passar por Fernanda e enfrentar todas as maldades que ela fez, e fugir da polícia, pois para a lei, ela é Fernanda e não Vitória, e como ganhou liberdade condicional e não voltou, a polícia está na sua cola.

Nesse meio tempo, Heloísa é assassinada por Mauro, que a joga de um penhasco, depois de uma forte discussão entre Heloísa e Fernanda por conta das falcatruas de Mauro.

No decorrer da trama Vivi se apaixona por Miguel, ele, pensando que ela é Fernanda, dá uma nova chance para o relacionamento dos dois. Rubinho também pensando que ela é Fernanda, vai querer voltar para ela, e a perdoa pelo abandono no altar. Assim, Vivi passa a ter um caso com Rubinho, ao mesmo tempo que está muito apaixonada e envolvida por Miguel.

Vivi reencontra sua amiga Margô, que ganhou a liberdade condicional. A par de toda história, as duas ajudam Fernanda a fugir da clínica, já que Fernanda está um pouco melhor e fica horrorizada ao saber de toda a história que fizeram Vivi se passar por ela e fica chocada como as duas são idênticas fisicamente.

Vivi se despede de Fernanda, volta para a cadeia e cumpre mais uns meses de prisão, e fica livre totalmente. Ela volta para o orfanato onde foi criada e se desespera ao saber que está grávida de Miguel. Ela decide enfrentar a vida e passa a trabalhar no orfanato, e não vai abandonar sua filha como sua mãe fez com ela. Está decidida a ser mãe solteira, apesar de amar loucamente Miguel.

Fernanda volta para Porto do Céu e assume novamente sua vida, se deparando com todas as mudanças que Vivi fez: Toda a família passou a se dar bem novamente, Pedro passou a compreender a mãe e Guilhermina perdoou a filha, tudo graças aos esforços e bondade de Vivi. Quando a filha de Vivi e Miguel nasce, Vivi coloca o nome da menina de Fernanda em homenagem à sósia, e todos do orfanato chamam a bebê de Nandinha.

Fernanda tenta ser como Vivi era, mas rapidamente sua família entra em desarmonia, e ela estranha o fato de Miguel estar falando que estavam juntos e que Rubinho se declara apaixonado, e ela logo percebe que Vivi se envolveu com os dois. Um tempo depois, Fernanda descobre que está doente, com sequelas do derrame. Ela vai ao orfanato e pede que Vivi volte para Porto do Céu, para ficar no seu lugar definitivamente após sua morte. Vivi aceita ajudar Fernada e diz que não será definitivamente, pois irá ajudá-la a se recuperar.

Fernanda se interna e Vivi se passa por ela, e leva sua filha junto, e diz a todos que Nandinha é sua filha adotiva, já que Fernanda não estava grávida e todos acham estranho.

Até que um dia Miguel resolve levar Fernanda (Vivi) para a Itália como sua intérprete. Vivi se desespera pois é Fernanda quem fala italiano, mesmo assim acaba indo, e é lá que Miguel descobre toda a farsa, inclusive que é pai de Nandinha. Ele perdoa Vivi e lá eles vivem uma romântica história de amor.

O estado de saúde de Fernada piora, Rubinho acaba a convencendo de ser operada e nessa operação ela acaba ficando cega. Vivi descobre que ela e Fernanda são irmãs gêmeas, que foram separadas na maternidade e que Guilhermina abandonou Vivi por ser mãe solteira e muito pobre.

Final da Trama[editar | editar código-fonte]

Fernanda, por estar menos apegada ao mundo, reza e ao longo do tempo, se tratando, volta a enxergar para poder salvar a irmã e Miguel que foram sequestrados por Mauro que ameaça matá-los, pois quer o dinheiro de Fernanda.

Fernanda consegue salvar Vivi e Miguel mas não desiste de sua vingança contra Mauro ao saber que foi ele quem a colocou na cadeia. Ela o sequestra e o amarra, e decola pilotando um avião e logo depois Mauro assume o controle do avião e joga a aeronave no mar provocando sua própria morte.

Todos choram pela morte de Fernanda, achando que ela morreu na explosão, mas a última cena da novela mostra Fernanda, chegando de ônibus à cidade e pedindo para que seu amado Rubinho acendesse seu cigarro, o homem que ela nunca esqueceu e de fato, sempre amou. [2] [3]

Produção[editar | editar código-fonte]

A novela era ambientada na fictícia cidade de Porto do Céu. A maioria das cenas foi gravada na cidade de Búzios, no Rio de Janeiro. Na cidade cenográfica, foi construída uma parte da Rua das Pedras, local famoso e badalado de Porto das Pedras.[4] As cenas na prisão foram rodadas, ora no presídio de Carandiru, ora em estúdio.

Nas cenas em que as gêmeas contracenavam foram usados o chromakey e o memory-head, tecnologias já utilizadas anteriormente em Mulheres de Areia, em 1993, para dar mais veracidade às cenas em que Ruth e Raquel apareciam juntas. [5]

Nos diversos estúdios foram elaborados 40 cenários, totalizando 200 ambientes.

Foi o retorno em novelas da rede Globo da atriz Rosi Campos, que um ano antes estava no ar em Castelo Rá-tim-bum, da TV Cultura, interpretando Morgana.

Foi a primeira novela de Juliana Baroni, que já era conhecida, desde 1990, por ser paquita, mais precisamente a Catuxa jujuba. Juliana não foi a única ex - paquita que ingressou em novelas após ter sido ajudante de palco e "filha" de Xuxa, assim como Letícia Spiller e Bianca Rinaldi, atrizes consagradas atualmente.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Christiane Torloni interpretou as protagonistas Fernanda e Vivi.
Victor Fasano interpretou o protagonista Miguel.
Miguel Falabella interpretou o antagonista Mauro.
Maitê Proença interpretou a antagonista Heloísa.
Luís Mello interpretou o atormentado Rubinho.
Lúcia Veríssimo interpretou a médica Nadine.
Alessandra Negrini interpretou Natália Santoro.
Ator Personagem [6]
Christiane Torloni Fernanda Gusmão Santoro
Vitória Figueiredo ("Vivi")
Victor Fasano Miguel Alcântara Prates
Miguel Falabella Mauro Alcântara Prates
Maitê Proença Heloísa Souto Brandão
Luís Mello Rubens Del Rey Villar ("Rubinho")
Lúcia Veríssimo Nadine
Marcos Paulo Heitor Morales Gonçalves
Louise Cardoso Laura Del Rey Villar ("Laurinha")
Alessandra Negrini Natália Santoro
Marcio Garcia Guiga
Carlos Zara Antenor Alcântara Prates
Marilena Ansaldi Guilhermina Tavares Gusmão
Arlete Salles Cacilda Montez
Hugo Carvana Aníbal Santoro
Chica Xavier Dinda
Wolf Maya Cícero Pinheiro Brandão
Carlos Vereza Amorim
Cláudia Alencar Martina Brandão
Mauro Mendonça Kléber Villar
Rosi Campos Margô ("Regininha")
Antônio Grassi Rômulo
Natália Lage Kika Villar
Tony Tornado Anselmo
Arlete Montenegro Leda Del Rey Villar
Maria Padilha Bruna
Mônica Fraga Helena Santoro ("Leninha")
Carmo Dalla Vecchia Fábio Brandão ("Fabinho")
Danielle Winits Diana
Heitor Martinez Mobral
Walther Verve Pepe Montez Caruzo
Karina Mello Ana
Carol Machado Clara
Ida Gomes Irmã Domitila
Oswaldo Louzada Cardosinho
Francisco Milani Juan Caruzo
Luiz Fernando Camarão Eugênio Alcântara Prates("Geninho")
Cláudia Liz Debbye
Thierry Figueira Pedro Santoro Alcântara Prates
Juliana Baroni Júlia Villar
Marcos Pasquim Cosme Del Rey Villar
Luiza Curvo Isabela Brandão Alcântara Prates ("Belinha")
Maria Maya Nádia Pinheiro

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Maria Helena Dias Constância
Henri Pagnoncelli Dr. Henrique
Marcelo Picchi Mário
José Augusto Branco Pai de Heitor
Oswaldo Loureiro
Emiliano Queiroz
Bruno Marques Alex
Nadia Bambirra Marisol
Alexandre Frota Boca
Nívea Stelmann
José D'Artagnan Júnior Jarbas
Walderez de Barros Souza
Manitou Felipe Sabará
Ana Furtado
Miriam Freeland
Victor Fasano
César Perez Juquinha (amigo do Geninho)

Audiência[editar | editar código-fonte]

Horário das 19 horas
Horário # Eps. Estreia Final Posição Temporada Classificação geral
Data Primeiro
capítulo
Data Último
capítulo
Segunda — Sábado
19:10
215
24 de julho de 1995
43
29 de março de 1996
51 #1 1995 - 1996 41

Cara & Coroa estreou com 43 pontos de média. A sua menor audiência foi de 29 pontos de média, no dia 30 de dezembro de 1995. Em seu último capítulo registrou 51 pontos de média. A sua média geral foi de 41 pontos de audiência, um grande sucesso para o horário.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora nacional[editar | editar código-fonte]

Cara & Coroa Nacional
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 1995
Gênero(s) Vários [7]
Duração 53 minutos
Formato(s) CD, Vinil, K7
Gravadora(s) Som Livre
Produção Iuri Cunha
Cronologia de Vários intérpretes
Último
Último
-
Cara e Coroa Internacional
Próximo
Próximo

Capa: Lúcia Veríssimo como Nadine

N.º Título Música Personagem Duração
1. "Foi a Primeira Vez"   Zezé Di Camargo e Luciano Cosme e Leninha 04:16
2. "Olhe o Tempo Passando"   Nana Caymmi Fernanda 02:53
3. "Um Segredo e um Amor"   Jorge Vercillo Guilhermina e Antenor 03:24
4. "Cais"   Caetano Veloso Miguel 04:47
5. "Com Muito Amor e Carinho"   Luís Melodia Martina e Cícero 03:22
6. "Um Homem em Volta do Mundo"   Ritchie Rubinho 04:23
7. "Eu Te Amo"   Zizi Possi Nadine 04:05
8. "Tocar Você"   Edmon Abertura 03:58
9. "Qualquer Outro Amor"   Paulinho Moska Guiga 03:15
10. "Encontros Amargos"   Papas da Língua Pedro 04:47
11. "Limousine Grana Suja"   Junia Lambert Vivi 03:29
12. "Sobrancelhas"   Biquini Cavadão Kika 04:21
13. "Primeiros Erros"   Simony Natália 03:21
14. "A Rã"   Ithamara Koorax Mauro e Heloísa 03:56

Trilha sonora internacional[editar | editar código-fonte]

Cara & Coroa Internacional
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 1995
Gênero(s) Vários
Duração 61 minutos
Formato(s) CD, Vinil, K7
Gravadora(s) Som Livre
Produção Iuri Cunha
Cronologia de Vários intérpretes
Último
Último
Cara e Coroa Nacional
-
Próximo
Próximo

Capa: Natália Lage como Kika

N.º Título Música Personagem Duração
1. "Save Me Now"   Andru Donalds Nadine 05:02
2. "Over My Shoulders"   Mike + The Mechanics Kika 03:35
3. "I Could Fall in Love"   Selena Natália 04:42
4. "Set Me Free"   Richy   03:46
5. "I Have To Say I Love You In A Song"   Jim Croce Miguel 02:30
6. "I Wanna Take Forever Tonight"   Peter Cetera   04:39
7. "La Solitudine"   Renato Russo Vivi 04:10
8. "Beautiful"   Marillion Fernanda 05:10
9. "I Want You"   Polo   05:39
10. "Julia Says"   Wet Wet Wet Mauro 04:22
11. "Take That"   Nobody Else   05:58
12. "Close to You"   Wighfield   04:08
13. "Can I Touch you... There?"   Michael Bolton   04:50
14. "A Kind of Christmas Card"   Morten Harket   04:17

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Troféu APCA (1995):

  • Melhor atriz coadjuvante - Rosi Campos

Prêmio Contigo! (1995):

  • Melhor atriz - Christiane Torloni
  • Melhor ator - Luís Mello

Referências

  1. Memória Globo. Ficha Técnica Cara & Coroa. Visitado em 27 de junho de 2015.
  2. Memória Globo. Trama Principal Cara & Coroa. Visitado em 27 de junho de 2015.
  3. Teledramaturgia. Cara & Coroa. Visitado em 27 de junho de 2015.
  4. Memória Globo. Cenografia e Arte Cara & Coroa. Visitado em 27 de junho de 2015.
  5. Memória Globo. Produção Cara & Coroa. Visitado em 27 de junho de 2015.
  6. Memória Globo. Galeria de Personagens Cara & Coroa. Visitado em 27 de junho de 2015.
  7. Memória Globo. Trilha Sonora Cara & Coroa. Visitado em 27 de junho de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]