Caracórum (cidade)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre antiga capital mongol. Para a região na fronteira comum entre Paquistão, China e Índia, veja Caracórum.
Caracórum
Karakorum Silver Tree.jpg
Geografia
País
Província
Parte de
Capital de
Área
2 072 km2
Coordenadas
Demografia
População
9 439 hab. ()
Densidade
4,6 hab./km2 ()
Funcionamento
Estatuto
História
Fundação

Caracórum ou Karakorum, (em mongol clássico: ᠬᠠᠷᠠᠬᠣᠷᠣᠮ Qara Qorum, calca-mongol: Хархорум Kharkhorum), foi uma cidade que foi capital do Império Mongol no século XIII, durante 30 anos, e da Dinastia Iuã do Norte (Mongólia pós-imperial), nos séculos XIV e XV. Situa-se nas imediações da cidade atual de Kharkhorin (ou Harhorin), no extremo noroeste da província de Övörkhangay, Mongólia. As ruínas da cidade, as quais incluem o palácio homónimo, fazem parte da área de Paisagem Cultural do Vale de Orcom, classificada em 2004 como Património Mundial pela UNESCO.

Escavações[editar | editar código-fonte]

O Mosteiro Erdene Zuu fica perto de Caracórum.[1] Vários materiais de construção foram retirados das ruínas para construir este mosteiro. A localização real de Caracórum foi por muito tempo não clara. Os primeiros indícios de que Caracórum estava localizado em Erdene Zuu já eram conhecidos no século XVIII, mas até o XX havia uma disputa se as ruínas de Balasagum, ou Ordu-Balique, eram de fato as de Caracórum.[2] Em 1889, o local foi conclusivamente identificado como a antiga capital mongol por Nikolai Yadrintsev, que descobriu exemplos da escrita Orcom durante a mesma expedição. As conclusões de Yadrintsev foram confirmadas por Wilhelm Radloff.[3]

As primeiras escavações ocorreram em 1933–34 sob D. Bukinich. Após suas escavações soviético-mongólicas de 1948 a 1949, Sergei Kiselyov concluiu que havia encontrado os restos do palácio de Ögödei.[4] No entanto, essa conclusão foi posta em dúvida pelos achados das escavações germano-mongóis de 2000-2004, que parecem identificá-los como pertencentes ao grande templo da estupa, e não ao palácio de Ögödei.[5]

As descobertas da escavação incluem estradas pavimentadas, alguns tijolos e muitos edifícios de adobe, sistemas de aquecimento de piso, fogões-cama, evidências para o processamento de cobre, ouro, prata, ferro (incluindo naves de roda de ferro), vidro, joias, ossos e casca de bétula, bem como cerâmicas e moedas da China e da Ásia Central. Quatro fornos também foram desenterrados.[5]

Em 2021, os pesquisadores utilizaram métodos geofísicos avançados para publicar um mapa detalhado da capital. Eles descobriram que a cidade se estendia por mais de 3 km ao longo das estradas que se aproximavam.[6] No interior das muralhas, a cidade ocupava 1,33 km2, com bairros compostos por diferentes projetos de construção, sugerindo funções ou habitantes distintos em vários pontos da cidade.[7]

Referências

  1. Centre, UNESCO World Heritage. «Orkhon Valley Cultural Landscape». UNESCO World Heritage Centre (em inglês). Consultado em 8 de novembro de 2021 
  2. «Orkhon Valley Cultural Landscape - New World Encyclopedia». www.newworldencyclopedia.org. Consultado em 8 de novembro de 2021 
  3. «REMARKS ON THE SALAR LANGUAGE» (PDF). web.archive.org. 16 de março de 2012. Consultado em 8 de novembro de 2021 
  4. Bemmann, Jan; Reichert, Susanne (1 de março de 2021). «Karakorum, the first capital of the Mongol world empire: an imperial city in a non-urban society». Asian Archaeology (em inglês) (2): 121–143. ISSN 2520-8101. doi:10.1007/s41826-020-00039-x. Consultado em 8 de novembro de 2021 
  5. a b scientifique., Müller, Claudius. Éditeur. Dschingis Khan und seine Erben : Das Weltreich der Mongolen. Staatliches Museum f. Völkerkunde.,: [s.n.] OCLC 491910736 
  6. «Archaeologists have mapped the ancient capital of the Mongolian Empire». The Art Newspaper - International art news and events. 4 de novembro de 2021. Consultado em 8 de novembro de 2021 
  7. Magazine, Smithsonian; McGreevy, Nora. «Archaeologists Map Ruins of Karakorum, Capital of the Mongol Empire, for the First Time». Smithsonian Magazine (em inglês). Consultado em 8 de novembro de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Micheal Walther, Ein idealer Ort für ein festes Lager. Zur Geographie des Orchontals und der Umgebung von Charchorin (Karakorum), in: Dschingis Khan und seine Erben
  • Jagar, Bayar, Baatar, Och, Urtogtokh, Wang, Bayartogtokh, J.Saintsogt, Mongol nuudel soyoliin tuuhen murdul (Historical investigation of Mongolian nomadic culture), Uvur Mongoliin surgan humuujliin hevleliin horoo (Educational Printing Committee of Inner Mongolia), Hohhot, 2001
  • Hans–Georg Hüttel, Karakorum - Eine historische Skizze, in: Dschingis Khan und seine Erben
  • Christina Franken, Die Brennöfen im Palastbezirk von Karakorum, in: Dschingis Khan und seine Erben
  • Ulambayar Erdenebat, Ernst Pohl, Aus der Mitte der Hauptstadt - Die Ausgrabungen der Universität Bonn im Zentrum von Karakorum, in: Dschingis Khan und seine Erben
  • Dschingis Khan und seine Erben (exhibition catalogue), München 2005
  • Qara Qorum-City (Mongolia). 1: Preliminary Report of the Excavations, Bonn 2002

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Caracórum (cidade)
Wikivoyage
O Wikivoyage possui o guia Karakorum
Ícone de esboço Este artigo sobre história ou um(a) historiador(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Mongólia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.