Carcará

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o distrito, veja Caracará (Sobral).
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde agosto de 2016).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCarcará
Schopfkarakara.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Falconiformes
Família: Falconidae
Género: Caracara
Espécie: C. plancus
Nome binomial
Caracara plancus
Miller, 1777
Distribuição geográfica
Área de ocorrência do carcará.
Área de ocorrência do carcará.

O carcará, caracará ou carancho (nome científico: Caracara plancus)[1] é uma espécie de ave de rapina da família dos falconídeos. Mede até 60 cm de altura e sua envergadura chega a 123 cm. Habita o centro e o sul de toda a América do Sul.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Carancho" vem do tupi ka'rãi, "arranhar, rasgar com as unhas".[2] "Caracará" e "carcará" vêm do tupi karaka'rá.[3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O carcará é facilmente reconhecível, quando pousado, pelo fato de ter uma espécie de solidéu preto sobre a cabeça, assim como um bico adunco e alto, que se assemelha à lâmina de um cutelo; a face é vermelha. É recoberto de preto na parte superior e tem no peito de uma combinação de marrom claro com riscas pretas, de tipo carijó/pedrês; patas compridas e de cor amarela; em voo, assemelha-se a um urubu, mas é reconhecível por duas manchas de cor clara na extremidade das asas.[carece de fontes?]

Carcará

O carcará não é, taxonomicamente, uma águia e sim um parente distante dos falcões. Diferentemente destes, no entanto, não é um predador especializado e sim um generalista e oportunista (assim como os seus parentes próximos, o chimango e o gavião-carrapateiro), alimentando-se de insetos, anfíbios, roedores e quaisquer outras presas fáceis; ataca crias de mamíferos (como filhotes recém-nascidos de ovelhas), acompanha urubus em busca de carniça, são aves necrofagas. Passa muito tempo no chão, ajudado pelas suas longas patas adaptadas à marcha, mas é também um excelente voador e planador.[carece de fontes?]

Um casal de carcarás pode ser visto próximo dos humanos, por exemplo, numa área de atividade agrícola, mais especificamente, chegando a alguns metros distante de um trator que esteja arando terra, à espera de uma oportunidade de encontrar insetos e outros eventuais animais que inevitavelmente se tornam visíveis a essas aves predadoras.[carece de fontes?]

Mede cerca de 97 centímetros (cabeça a cauda) e 124 centímetros de envergadura (de uma asa a outra), o carcará pode ser facilmente reconhecido quando pousado, por possuir uma espécie de solidéu preto sobre a cabeça, é um bico adunco e alto, parecido com uma lâmina de cutelo; possui face avermelhada. É recoberto de preto na parte superior com o peito de uma combinação de marrom com riscas pretas, de tipo "carijó", patas compridas e amarelas; quando está em voo se assemelha a um urubu.

Indivíduo com plumagem flavística, ou seja, apresenta coloração diluída, devido a perda de melanina, tanto da eumelanina(pigmento negro) quanto da feomelanina( pigmento castanho)

Espécies do gênero Caracara[editar | editar código-fonte]

Na atualidade, se reconhecem as seguintes espécies:[carece de fontes?]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Não é um predador especializado, e sim um generalista e oportunista assim como o seu parente próximo, o carrapateiro (Milvago chimachima). Onívoro, alimenta-se de quase tudo o que acha, de animais vivos ou mortos até o lixo produzido pelos humanos, tanto nas áreas rurais quanto urbanas. Adaptou-se à presença humana, comendo restos de comida no lixo das casas ou as vísceras de peixe nos acampamentos de pescadores.

Suas estratégias para obtenção de alimento são variadas: caça lagartos, cobras, sapinhos e caramujos; rouba filhotes de outras aves, até de espécies grandes como garças, colhereiros e tuiuiú (Jabiru mycteria); arranha o solo com os pés em busca de amendoim e feijão; apanha frutos de dendê; ataca filhotes recém-nascidos de cordeiros e outros animais. Também segue tratores que estão arando os campos, em busca de minhocas e larvas.

É muito comum ser avistado ao longo das rodovias para alimentar-se dos animais atropelados. Fica nas proximidades dos ninhais para comer restos de comida caídos no chão, ovos ou filhotes deixados sem a presença dos pais. Chega a reunir-se a outros carcarás para matar uma presa maior.

É também uma ave comedora de carniça e é comumente visto voando ou pousado junto a urubus pacificamente, principalmente ao longo de rodovias ou nas proximidades de aterros sanitários e locais de depósito de lixo.

Dois hábitos pouco conhecidos são a caça de crustáceos nos manguezais (seja entrando na água para abocanhar os que estão perto, ou percorrendo o mangue a pé, na maré baixa) e a pirataria (o fato de perseguir gaivotas e águias-pescadoras (Pandion haliaetus), forçando-as a deixar a presa cair, que apanha em voo).

Hábitos e reprodução[editar | editar código-fonte]

Vive solitário, aos pares ou em grupos, beneficiando-se da conversão da floresta em áreas de pastagem, como aconteceu no leste do Pará. Pousa em árvores ou cercas, sendo frequentemente observado no chão, junto à queimadas e ao longo de estradas. Passa muito tempo no chão, ajudado pelas suas longas patas adaptadas à marcha, mas é também um excelente voador e planador, costuma acompanhar as correntes de ar ascendentes. Durante a noite ou nas horas mais quentes do dia, costuma ficar pousado nos galhos mais altos, sob a copa de árvores isoladas ou nas matas ribeirinhas.

Para avisar os outros carcarás de seu território ou comunicação entre o casal, possui um chamado que origina o seu nome comum, “carcará”. Nesse chamado, dobra o pescoço e mantém a cabeça sobre as costas, enquanto emite o som (algumas espécies de aves de rapina tem o mesmo habito de dobrar o pescoço para trás quando emitem som). É visto com frequência em áreas urbanas.

Para se reproduzir, constrói um ninho com galhos em bainhas de folhas de palmeiras ou em outras árvore.Usa o ninho de outras aves também. A postura do carcará é composta de dois ou três ovos, sendo raro encontrar um quarto ovo. A coloração dos ovos é entre branco e castanho avermelhado, podendo variar nas tonalidades existentes entre estas cores. Os ovos possuem manchas castanhas ou vermelhas e medem cerca de 56 a 61 mm de comprimento por 44 a 47 mm de largura. A incubação dura em média 28 dias e é feita por ambos os pais. Os filhotes saem do ninho por volta do terceiro mês de vida, mas continua sendo cuidado pelos pais.

Referências culturais[editar | editar código-fonte]

A espécie ficou conhecida no Brasil em 1965 em razão da música "Carcará", de João do Vale, que era interpretada por Maria Bethânia.[carece de fontes?]

A espécie também foi citada na telenovela da Rede Globo Roque Santeiro, de 1985. Na novela, "carcará" era o apelido de Roque Santeiro dado por Sinhozinho Malta, talvez por ambos serem supostamente oportunistas.[carece de fontes?]

Tal espécie foi adotada no ano de 2005 para representar a Agência Brasileira de Inteligência no lugar do seu símbolo anterior, a araponga.[4]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Carcará

A ave é o mascote do Núcleo de Operações Aéreas da Polícia Civil de Minas Gerais - NOA, que batizou suas aeronaves como Carcará 01 e Carcará 02, helicópteros modelo esquilo e Carcará 03 um avião Embraer Sertanejo.[carece de fontes?]

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Carcará

Há menções à ave na música "Caça e Caçador", da banda Angra.[carece de fontes?]

Ultimamente a equipe de basquete do Basquete Cearense, participante do NBB (Novo Basquete Brasil) liga de basquetebol Brasileira, adotou o Carcará como seu mascote e o mesmo anima a torcida em seus jogos realizados em Fortaleza, Ceará.[carece de fontes?]

A equipe de futebol da cidade de Salgueiro, no sertão de Pernambuco, o Salgueiro Atlético Clube, e o Mossoró Esporte Clube, da cidade de Mossoró, na região oeste do Rio Grande do Norte, têm como mascote o carcará, e seu escudo usa a imagem da ave.

Existe um time de Futebol Americano em Minas Gerais chamado Ouro Preto Carcarás, um projeto de extensão da Universidade Federal de Ouro Preto. O nome se deu em homenagem a um casal de Carcarás que habitam o campus da universidade que muitas vezes visitam os treinos no campo.

O Carcará é o mascote também do time de futebol Alagoinhas Atlético Clube, na Bahia.

Referências

  1. Avibase. The world bird database. «Caracara Carancho Caracara [plancus or cheriway] (= Caracara plancus) (Miller, JF, 1777)». Consultado em 15 jun. 2017. 
  2. FERREIRA, A. B. H. 1986. p.348.
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p.346
  4. Abin: protocolo e cerimonial. Disponível em http://www.abin.gov.br/modules/mastop_publish/print.php?tac=Protocolo_e_Cerimonial. Acesso em 9 de janeiro de 2014.
  • (em inglês) BirdLife International (2004). Caracara plancus. 2006 IUCN Red List of Threatened Species. IUCN 2006. Acesso a 28.10.2007.
Ícone de esboço Este artigo sobre Aves, integrado no Projeto Aves é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.