Cardeal da coroa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cardeal D. Henrique, simultaneamente cardeal e rei de Portugal (anteriormente, cardeal-infante).

Um cardeal da coroa (em italiano: cardinale della corona)[1] era um cardeal protetor de uma nação católica, nomeado ou apoiado por um monarca católico para servir como seu representante no Colégio dos Cardeais[2] [3] e, caso aplicável, exercer o jus exclusivae.[4] Mais em geral, o termo pode referir-se a qualquer cardeal que tenha exercido poder secular significativo como figura de Estado ou elevado ao cardinalato a pedido de um monarca.

Francis Burkle-Young define um cardeal da coroa como alguém "elevado ao cardinalato apenas por recomendação de reis europeus e, em muitos casos sem ter executado nenhum serviço para o avanço da Igreja."[5]

De acordo com o historiador de conclaves Frederic Baumgartner, os cardeais da coroa "raramente iam a Roma, excepto eventualmente para os conclaves, e eram francamente desconhecidos da maioria do Colégio. Habitualmente incapazes de tomar parte nas prattiche, não eram papabile e raramente recebiam mais de um ou dois votos".[6] Os cardeais da coroa geralmente opunham-se à eleição de cardeais da coroa de outros reinos, embora tendessem a unir-se contra a eleição de cardeais-sobrinhos.[6]

A oposição aos cardeais protectores nacionais surgiu no século XV devido a conflito de interesses, e o Papa Martinho V tentou proibi-los por inteiro em 1425.[7] Uma reforma do Papa Pio II de 1464 vê os cardeais nacionais protectores como geralmente inconsistentes com responsabilidades da Cúria Romana, embora haja excepções.[7] Tais protectorados foram de início permitidos abertamente pelos papas Inocêncio VIII e Alexandre VI, ambos requerendo consentimento explícito por escrito do pontífice para que um cardeal pudesse tomar uma "posição de serviço a um príncipe secular".[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Baumgartner, Frederic J. 2003. Behind Locked Doors: A History of the Papal Elections. Palgrave Macmillan. ISBN 0-312-29463-8.
  • Pastor, Ludwig. 1902. The History of Popes. K. Paul, Trench, Trübner & Co., Ltd.
  • Wilkie, William E. 1974. The cardinal protectors of England. Cambridge University Press.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

Armand Jean du Plessis, o Cardeal Richelieu
Henry Benedict Stuart, cardeal e jacobita
  1. Chadwick, Owen. pp. 265-267.
  2. Wikisource-logo.svg "Cardinal " na ed. de 1913 da Catholic Encyclopedia.
  3. Reinerman, Alan J. 1989. Austria and the Papacy in the Age of Metternich. Catholic University of America Press. p. 59.
  4. Wikisource-logo.svg "Right of Exclusion " na ed. de 1913 da Catholic Encyclopedia.
  5. Francis A. Burkle-Young. 1998. "The Cardinals of the Holy Roman Church: Papal elections in the Fifteenth Century: The election of Pope Eugenius IV (1431)."
  6. a b Baumgartner, 2003, p. 150.
  7. a b Wilkie, 1974, p. 8.
  8. Wilkie, 1974, p. 9.