Carisma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Carisma (desambiguação).

Carisma (do grego khárisma,atos, graça; favor, benefício, através do latim charísma,àtis, dom da natureza, graça divina) tem dois sentidos:

Em sentido teológico[editar | editar código-fonte]

Este termo é usado no Cristianismo - Catolicismo e igrejas evangélicas renovadas- para indicar um dos diversos dons espirituais ou graças especiais concedidos pelo Espírito Santo, àqueles desejosos de servir a Deus.

Os carismas também chamado Dons do Espírito Santo, segundo o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, "são dons especiais do Espírito, concedidos a alguém para o bem dos homens, para as necessidades do mundo e, em particular, para a edificação da Igreja" (n. 160).

Os Carismas se enraízam dos 7 dons de santificação(Is 11.2): Sabedoria, Entendimento, Conselho, Fortaleza, Ciência, Piedade e Temor a Deus [1]. No Novo Testamento são enumerados 9 dons do Espírito Santo: palavra de Sabedoria, palavra de Conhecimento (ciência), , dom da Cura, Operações de Milagres, Profecia, Discernimento de espíritos, Variedade de Línguas e Interpretação de línguas.

Estes geram diversas formas de atuação como instrumentos do próprio Deus (Espírito Santo) na Igreja para seus fiéis e para o mundo. Como exemplos, têm-se a vida religiosa contemplativa, apostólica, missionária e a vocação Sacerdotal (pastoral).

Nas igrejas cristãs carismáticas e neopentecostais dá-se ênfase à atuação específica de dons e revelações particulares dada à igreja ou a indivíduos mesmo por pessoas leigas. Crê-se no ministério e dons proféticos, dados por Deus com o propósito de entregar uma profecia, revelar algo sobre alguém, admoestar, edificar ou consolar um fiel ou toda uma igreja através de uma palavra de sabedoria ou de conhecimento.

No Catolicismo, o termo é especialmente aplicado aos sacramentos e à Crisma; nas igrejas evangélicas pentecostais e neopentecostais, os dons carismáticos advém do Batismo no Espírito Santo e foram primeiramente difundidos pelas igrejas pentecostais, em 1906 nos Estados Unidos na Rua Azuza e depois usados pelo movimento de Renovação Carismática Católica, sendo um dos conceitos para exprimir sua origem e seus dons. Também existem Igrejas católicas não romanas que se assumem como carismáticas, caso da Igreja Católica Apostólica Carismática. Neste sentido, o carisma são os dons Efusos do Espirito Santo, recebidos através da confirmação do batismo e efusão do Espirito Santo.

Carácter Laico[editar | editar código-fonte]

A palavra é amplamente utilizada para definir a influência e admiração por alguma pessoa, notadamente marcada pela tentativa de criar simpatia para agradar a maioria. Na área de Comunicação, o carismático é predominantemente voltado para a aprovação do público ou mesmo de apenas um interlocutor e utiliza palavras e gestos natos e ensaiados que a maioria supostamente deseja ouvir e ver, mesmo que não tenha caráter prático. Os pregadores religiosos e oradores políticos possuem carisma nato ou adquirido. O carisma está ligado a forma da pessoa ser em público e não espelha caráter e valores (é inquestionável o carisma do ditador alemão Adolf Hitler, do ativista indiano Mahatma Gandhi, do presidente americano John F. Kennedy e do operador do SocGen Jérôme Kerviel).

Na Psicologia analítica junguiana, o carisma é considerado como uma qualidade das chamadas personalidades maná.

O carismático não deve ser confundido com o pragmático, que se importa menos com a opinião alheia sobre si e mais com a realização, a concretização do processo para o atingimento de um ou mais objetivos. O pragmatismo se aproxima do sentido popular, segundo o qual um sujeito "pragmático" é aquele que tem o hábito mental de reduzir o sentido dos fenômenos à avaliação de seus aspectos práticos, úteisnecessários, limitando a especulação aos efeitos práticos da concretização eficaz do que é necessário. O físico Albert Einstein, o fundador da Microsoft, Bill Gates, o fundador do Virgin Group, Richard Branson e Steve Jobs, criador da Apple, são exemplos de pessoas pragmáticas e não carismáticas.

Na história, são raros os que conseguiram ser ao mesmo tempo carismáticos e pragmáticos, como o imperador Alexandre, o presidente americano Barack Obama e o Papa Francisco.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]