Carl Grimes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carl Grimes
Personagem fictícia de The Walking Dead
Carl Grimes (quadrinhos).png
Sexo Masculino
Ocupação Estudante
Família Rick Grimes (pai)
Lori Grimes (mãe)
Judith Grimes (irmã)
Amigo(s) Sophia Peletier
Inimigo(s) Governador Philip
Ron Anderson
Status Vivo (quadrinhos)
Morto (série de TV)
Criado por Robert Kirkman
Tony Moore
Charlie Adlard
Romance(s) Lydia (quadrinhos)
Enid (série de TV)
Primeira aparição Edição #2 (quadrinhos)
"Days Gone Bye" (televisão)
Última aparição "Honor"
Época(s) 2003–presente (quadrinhos)
2010–2017 (televisão)
Interpretado por Chandler Riggs
Internet Movie Database IMDb

Carl Grimes é um personagem fictício da história em quadrinhos em preto e branco The Walking Dead, interpretado por Chandler Riggs na série de televisão de mesmo nome. Criado por Robert Kirkman e o artista Tony Moore, o personagem fez sua estréia em The Walking Dead em 2003 e na televisão em 2010.

Sua última aparição na televisão foi em 25 de fevereiro de 2018. A morte de Carl foi aparentemente decretada quando, no episódio 08 da oitava temporada, ele revelou ter levado uma mordida de zumbi na barriga. No episódio 09 da oitava temporada, Rick e Michonne levaram Carl a igreja, onde ele cometeu suicídio para não virar um zumbi.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

Carl começa como uma criança normal e inocente, mas como os eventos da nova ordem mundial forçá-lo a crescer, ele se torna mais frio e competente toma decisões ousadas, às vezes para o bem de seu grupo de amigos. Ele é um dos sobreviventes mais longas de vida desde que a série lançados, ao lado de Rick, Andrea, Maggie Grenne e Sophia Peletier.[1]

Carl Grimes é um garoto de 8 anos de idade. Ele é um aluno de uma escola, e quando acontece o apocalipse zumbi, ele fica em companhia de Shane e Lori, no acampamento, juntamente com outros sobreviventes. Carl começa a aceitar a ideia de que seu pai está morto, e passa a adotar Shane como uma figura paterna, no entanto muda totalmente de ideia ao ver que seu pai está vivo (assim como Lori), o que causa profundo ódio em Shane.[1]

Depois que o grupo enterra Shane, Carl é baleado e ferido por um capataz de fazenda chamado Otis enquanto busca de suprimentos na floresta. Os sobreviventes são levados para a fazenda do patrão de Otis, o veterinário Hershel Greene, que tratou Carl com sucesso.[2]Quando Carl, eventualmente, acorda, ele está muito diferente do garoto sorridente que nós conhecemos na edição um. Ele sentiu o que é estar à beira da morte e ele não vai deixar isso acontecer de novo com ninguém que ele ama.[3] O grupo permanece na fazenda por vários dias até que as tensões fazem Hershel expulsá-los.[4]

Ele foi endurecido pelo mundo, sua noção moral começou a sair do controle depois de vêr a morte de sua mãe, Lori e de sua irmã recém nascida, Judith.[5]

Série de televisão[editar | editar código-fonte]

Carl Grimes sendo interpretado por Chandler Riggs, na série de televisão.

Primeira temporada[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Walking Dead (1ª temporada)

Quando o surto começou, Carl foi levado por Shane e Lori para uma zona segura (supostamente) em Atlanta. No caminho até lá, ele foi informado de que seu pai estava morto, e ele gradualmente começou a aceitar a ideia.

Depois que eles montaram um acampamento com outros sobreviventes, nos arredores de Atlanta, Carl passa a olha Shane como uma figura de pai, pescando, brincando e recebendo conselhos do homem. Ele, então, parece não saber do relacionamento de Shane e Lori.

No acampamento, o menino faz amigos, e sua melhor amiga é Sophia, filha de Carol Peletier, bem como os filhos dos Morales, com quem costumava brincar, o que ajudava a mantê-lo num mundo infantil, tanto quanto possível. Quando Carl passa aceitar por definitivo, que seu pai havia morrido, Rick Grimes surge no acampamento, no qual o faz muito feliz. Com o reaparecimento de seu pai, e mais tarde um ataque de zumbis no acampamento, Carl, sua família e um pequeno grupo de sobreviventes, são obrigados a ir embora, onde sofrem o medo de morrerem no CDC, quando o lugar estava prestes a explodir. Porém, com os esforços de seu pai e dos outros, Carl e seus amigos vão embora.

Segunda temporada[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Walking Dead (2ª temporada)

Sem um lugar seguro para ficarem em Atlanta, Carl e seu grupo decidem ir para o Fort Benning, porém no caminho, sua amiga Sophia Peletier acaba desaparecendo por causa de uma horda de zumbis na estrada, e com isso, Carl resolve procurá-la junto com os outros, admitindo que iria encontrá-la e deixá-la segura. Durante as buscas, Carl é acidentalmente baleado por Otis, capataz de uma fazenda próxima.

Para salvar seu filho, Rick leva Carl até a Fazenda Greene, onde o proprietário Hershel faz procedimentos médicos para salvá-lo. Durante o tempo de repouso do Carl, o grupo se instala na fazenda, e quando o menino se recupera, todos recebem um choque emocional, ao descobrirem Sophia zumbificada no celeiro do lugar, onde é morta por Rick. Após também o massacre de membros de sua família e amigos no celeiro, Hershel, pela atitude rude de Shane, manda os sobreviventes irem embora de sua fazenda, porém eles permanecem no lugar devido a chegada de Randall, um jovem que poderia comprometer o lugar, e o período de gravidez da Lori, que acaba revelando a todos que iria ter um bebê.

Dias depois, quando o grupo decidia o que fazer com Randall, Carl faz um passeio pelo pântano onde acaba libertando um zumbi preso na lama, que o segue, e durante a noite, ataca Dale Horvath levando-o a morte. Carl se sente extremamente culpado pela morte do idoso, mas recebe conselhos de seu pai dizendo que não foi culpa dele. Mais tarde, durante a ausência de Rick, Shane, Daryl Dixon e Glenn Rhee atrás de Randall, Carl decide ir atrás deles escondido, onde precencia Shane se transformar em zumbi após ter sido morto por Rick. Carl então atira em Shane. O som do disparo atrai um bando de zumbis para fazenda, fazendo os sobreviventes se separarem um dos outros e abandonarem a fazenda. Na amanhã seguinte o grupo todo se reencontra na estrada, com a exceção da Andrea que foi deixada para trás. Na noite seguinte, Carl acaba descobrindo que seu pai tinha matado Shane por segurança, e chora por sua morte nos braços de Lori.

Terceira temporada[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Walking Dead (3ª temporada)

Oito meses depois, Carl e seu grupo acabam encontrando uma prisão, que seria um ótimo lugar para o parto de Lori. Durante os primeiros dias na prisão, o grupo recebeu grandes perigos causados por dois dos cinco detentos remanescentes do lugar. Onde um deles, Andrew, por vingança pela morte de seu amigo Tomas, faz uma emboscada para os sobreviventes utilizando zumbis. Carl se junta com sua mãe e uma das filhas de Hershel, Maggie Greene, para escapar dos caminhantes, se refugiando dentro da prisão, porém isso é resumido em momentos de horrores. Lori entra em trabalho de parto, e não consegue ter o bebê normalmente, e implora a Maggie fazer uma cesariana. Quando tal ato é feito, Lori acaba morrendo devido a falta de sangue, e Carl é obrigado em lágrimas atirar na cabeça de sua mãe, para evitar a reanimação.

Afetado com isso, Carl se fecha tornando-se frio. Depois de contínuos ataques de insanidade de Rick, Carl sugere ao pai que ele abandone a sua liderança. Ao mesmo tempo, ele desenvolve amizade com Michonne, mas também expressa ressentimento em direção a ela em sua viagem para King County. Após o episódio em que Merle Dixon morre e Rick revelar o fato de ter considerado entregar Michonne ao governador, Carl começa a se tornar amargurado em relação ao pai. Ele mata um soldado indefeso de Woodbury (Jody) a sangue frio, deixando Hershel e sua filha Beth, testemunhas da ação, horrorizados. Quando confrontado por Rick sobre o feito, Carl diz que ele teve que eliminar a ameaça, em seguida, traz à tona falhas de seu pai por não ter matado - quando teve tempo - Andrew e O Governador, o que levou à morte de Lori, T-Dog e Merle.

Quarta temporada[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Walking Dead (4ª temporada)

Sete meses depois, Rick o proíbe de usar armas de fogo, mas volta atrás em sua decisão após ele matar alguns zumbis, salvando alguns moradores da prisão. Carl também reprime as irmãs Lizzie e Mika Samuels, quando as vê nomeando os zumbis e, posteriormente, cria desavenças com Carol quando conta para Rick que ela ensina as crianças da prisão medidas de autodefesa. Após a queda da prisão, na última batalha contra O Governador, Carl culpa Rick pelo ocorrido e chega a desejar sua morte, mas se retrata ao perceber que não consegue viver sozinho. Ele inicia uma relação fraternal com Michonne, a quem ela conta parte de sua vida passada. No caminho para Terminus, Carl sofre uma tentativa de estupro por Dan, membro do grupo de Joe.

Após seu pai, Michonne e Daryl matar o grupo de Joe, Carl e seu grupo chegam no Terminus, onde são feitos reféns por Gareth e seus canibais. Carl é trancado com seu pai e os outros em vagão de trem, onde lá, encontram seus amigos Glenn, Maggie, Sasha e Bob Stookey com seu novo grupo de amigos, Abraham Ford, Rosita Espinosa, Eugene Porter e Tara Chambler.

Quinta temporada[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Walking Dead (5ª temporada)

Momentos depois de serem trancados, Carl e seus amigos preparam armas improvisadas com pedaços de madeira e ferro. Quando seu pai, Glenn, Daryl e Bob são levados, Carl fica ciente de que eles iriam voltar bem, e quando eles regressam, o grupo foge quando Terminus é destruído graças ao plano de Carol, que surge para salvar seus amigos. A mulher leva o grupo até uma cabana próxima, onde Carl e Rick tem um encontro emocionante com Judith, na qual pensavam que ela havia morrido no ataque à prisão. A bebê tinha sido salva por Tyreese, que também tem um reencontro feliz com sua irmã Sasha. O grupo segue em frente, e encontram o padre Gabriel Stokes, que os levam até sua igreja. Mais tarde, quando Gareth e seus canibais sobreviventes da queda de Terminus, sequestram Bob, Carl fica com Judith, Tyreese, Gabriel, Rosita e Eugene na igreja, enquanto seu pai e os outros vão atrás dos canibais. Após todos os canibais serem mortos, Carl, assim como os outros, dá seu último adeus a Bob, que tinha sido mordido por um zumbi mais cedo numa ronda.

Depois da partida de Glenn e Maggie com seus novos amigos até Washington, DC, Carl fica com seu pai, Sasha, Tyreese, Michonne, Judith e Gabriel na igreja e novamente com esses três últimos um dia depois, quando Rick e os outros vão com Daryl e Noah, atrás de Beth e Carol num hospital em Atlanta. Carl tenta ensinar para o padre como se deve matar os caminhantes, e durante um ataque de zumbis na igreja, ele e os outros conseguem sair do lugar a tempo de serem resgatados por Glenn e seu grupo que regressam de sua viagem. Todos partem para Atlanta, onde chegam a tempo de encontrarem Rick saindo do Hospital Memorial Grady triste, sendo seguido por Daryl chorando, segurando Beth morta em seus braços e Meggie chorando demais por perder sua irmã.

Carl e os outros então seguem - mesmo assim - para Washington, e durante a viagem perdem mais um amigo, o Tyreese. Com poucas chances de sobreviverem, o garoto e os outros são encontrados por Aaron, um recrutador de uma comunidade murada localizada em Alexandria, Virgínia. Aaron e seu namorado Eric, levam o grupo para a Zona Segura de Alexandria, onde lá são bem recebidos pelos moradores, incluindo a líder do lugar, Deanna Monroe. Carl faz novos amigos, entre ele Ron Anderson, Mikey e a jovem Enid, que começa a chamar atenção do garoto.

Sexta temporada[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Walking Dead (6ª temporada)

Dias depois, Carl começa a gostar da Enid, e impendindo-a de ir embora quando um ataque de uma gangue malévola prossegue na comunidade. Ele salva Ron de um bandido, e o pede para se refugiar em sua casa, onde o garoto - já com antipatia por Carl estar com a Enid - se recusa. Quando Enid foge, Carl pede ajuda a ron para encontrá-la, mas o garoto se recusa, e mais tarde, sucumbido uma raiva por Carl, Ron decide matá-lo ao roubar uma arma escondida do arsenal de Olivia. O garoto passa a segui-lo por todos os lugares, e quando iria matá-lo ele é obrigado a se juntar com Carl quando Alexandria é invadida por uma horda de zumbis, depois que a torre de vigia cai sobre os muros. Carl e Ron encontram Rick, Deanna, Michonne e Gabriel, onde se refugiam na casa de Jessie. Lá, na garagem da casa, Ron tenta mais uma vez matar Carl, e durante uma briga os dois acabam deixando vários zumbis entrarem na casa. Carl se encontra com Ron de novo, onde este último pede desculpas pelo o que fez, e depois os dois seguem um plano feito por Rick, para passarem despercebidos entre os zumbis. De maneira similar aos quadrinhos de mesmo nome, Carl Grimes sofre um acidente durante o ataque de zumbis à Alexandria onde leva um tiro a queima roupa acertando assim o seu olho direito. O ferimento é grave, porém o mesmo sobrevive e depois mede esforços para recompor Alexandria ao lado do seu grupo.

Sétima temporada[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Walking Dead (7ª temporada)

Após alguns conflitos envolvendo um novo grupo de bandidos chamado Os Salvadores, Carl, assim como os demais de seu grupo, recebem um "castigo" por matarem vários homens do líder cético dos Salvadores: Negan. O garoto teve que presenciar a morte brutal de Abraham e Glenn, e aceitar o fato de que Negan é o novo dono de Alexandria e que o grupo de Rick deve trabalhar para ele. Essa nova forma de liderança não agrada Carl, que toma ódio dos Salvadores mais do que todos, e em um certo dia, foi escondido até a base de Negan (O Santuário), e mata alguns bandidos, arriscando a própria vida, porém, Negan o poupa e conhece um pouco sobre o garoto corajoso que Carl é. Devido várias ações erráticas do grupo de Carl, mortes ocorrem como punição, e o garoto farto da "monarquia" de Negan, apoia Rick e os outros em ir atrás de aliados para que se possa derrotar os Salvadores. E quando o grupo de Rick consegue unir forças com mais duas comunidades (Hilltop e O Reino), uma guerra se inícia entre as três comunidades unificadas contra os Salvadores.

Oitava temporada[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Walking Dead (8ª temporada)

A época da Guerra Total então tem início, e os respectivos líderes das comunidades de Alexandria, Hilltop e do Reino (Rick, Maggie e Ezekiel), saem para atacar todas as bases dos Salvadores na região. Sem Rick no comando de Alexandria, Carl então toma rédeas da situação na comunidade, ao lado de Michonne. Mesmo assim, o garoto sai atrás de previsões e acaba encontrando um homem chamado Siddiq, no qual já havia o visto dias antes do início da guerra. Carl tenta ser amigo, e oferece abrigo em sua comunidade, fazendo o que sua mãe lhe pediu antes de morrer: que ele faça sempre a coisa certa, quando ver que é a coisa certa a se fazer. Durante o caminho de volta para Alexandria, ocorre um ataque de zumbis, no qual Carl é obrigado a agir. Passado o sufoco, Carl retorna a comunidade e logo percebe a chegada de Negan, que estava furioso por Rick e seus aliados terem destruído seu Santuário. Sabendo que iria ter consequências graves, Carl arquiteta um plano para que todos fujam da cidade e se escondam nos esgotos. Ele lidera a população para fora antes de Negan invadir a comunidade. Após a cidade ser invadida, Carl permanece escondido nos esgotos com os demais do grupo e moradores. Quando Rick aparece com Michonne, eles encontraram Carl debilitado, e sabendo que seu destino já estava traçado, o garoto mostra uma mordida no abdômen que sofreu no ataque de zumbis mais cedo, revelando assim que sua morte é inevitável. Carl Grimes é morto após ser mordido por um walker no episódio 8 da oitava temporada da série.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Referências

  1. a b The Walking Dead #2 (Novembro de 2003)
  2. The Walking Dead #9 (Junho de 2004)
  3. The Walking Dead #11 (Agosto de 2004)
  4. The Walking Dead #12 (Setembro de 2004)
  5. The Walking Dead #48 (Abril de 2008)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]