Carl Larsson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2009).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Autorretrato
Brita e Eu, auto-retrato com uma das filhas (1895).
A casa de Sundborn.

Carl Larsson (Estocolmo,28 de maio de 1853Sundborn, Dalecárlia, 22 de janeiro de 1919) foi um pintor sueco. É conhecido pelas suas aguarelas, retratando a vida familiar e os interiores de sua casa na pequena aldeia de Sundborn, perto de Falun, na província histórica da Dalecárlia. Foi um dos mais importantes pintores do realismo na Suécia do século XIX.[1][2][3][4][5] [carece de fontes?]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carl Larsson nasceu em Gamla Stan, uma antiga região de Estocolmo, em 28 de maio de 1853. Sua família era muito pobre e Carl cresceu em tristes circunstâncias. O único brilho de esperança era seu forte talento artístico, que apareceu mais tarde em sua vida. Quando ele tinha treze anos seu professor o convenceu a tentar uma vaga na Principskolan, um departamento temporário da Academia de Arte. Durante os primeiros anos na Principskolan, Carl encontrou dificuldade de adaptação. Seu senso de inferioridade social o fez sentir um estranho. Mas quando tinha dezesseis anos, ele foi transferido para uma escola antiga, o mais simples departamento da Academia de Arte. Ele começou a sentir-se mais confiante e não demorou para que se tornasse uma das figuras centrais do círculo de estudantes.

Depois da Academia de Arte, Carl trabalhou na ilustração de livros, revistas e jornais diários. Ele também gastou muitos anos em Paris onde tentou se manter como um artista, mas apesar de todo o seu duro trabalho nunca encontrou sucesso. A reviravolta veio em 1882 quando ele se mudou para Grez, uma colônia escandinava de artistas fora de Paris. E foi lá que ele conheceu sua futura esposa Karin Bergöö e onde houve uma transformação artística, depois de abandonar suas pretensões de pintura a óleo em favor da aquarela – uma mudança de sorte que significaria em partes no seu desenvolvimento artístico. E foi em Grez que ele pintou algum de seus trabalhos mais significantes.

Carl e Karin se casaram em 1883 e tiveram oito filhos (um deles morreu com dois meses). Karin e seus filhos tornaram-se rapidamente os modelos favoritos de Carl.

De volta à Suécia, Carl Larsson aderiu aos "opositores" (opponenterna), desenvolvendo um estilo decorativo inspirado no estilo jugend e na arte japonesa.[6]

O pai de Karin, Adolf Bergöö, deu a casa Lilla Hyttnäs para Carl e Karin em 1888. O minúsculo chalé de madeira, que foi construído em 1837, tornou-se o centro artístico do pintor. Lilla Hyttnäs, localizado em Sundborn, manteve-se na família Larsson por gerações é agora administrada pela família legítima de Carl e Karin Larsson.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Larsson ficou famoso por suas pinturas em aquarela, especialmente a coleção de 26 aquarelas encontradas em seu livro Ett Hem (Uma Casa) de 1899, as 32 em seu livro Larssons (Os Larssons) de 1902, e as 31 em seu livro Åt solsidan (O Lado Ensolarado) – todos eles ilustrando a vida simples do campo de sua família e tendo uma enorme influência no design de interior sueco para as gerações seguintes. A seguir algumas dessas aquarelas da coleção Ett Hem[7]:

Obras monumentais[editar | editar código-fonte]

Carl Larsson produziu duas grandes obras monumentais, expostas no Museu Nacional de Belas-Artes em Estocolmo (Nationalmuseum): Midvinterblot e Gustav Vasas intåg.[8]

Referências

  1. Brita Linde. «Carl O Larsson» (em sueco). Dicionário Biográfico Sueco (Svenskt biografiskt lexikon) (Arquivo Nacional SuecoRiksarkivet). Consultado em 14 de junho de 2016 
  2. Ernby, Birgitta; Martin Gellerstam, Sven-Göran Malmgren, Per Axelsson, Thomas Fehrm. Norstedts första svenska ordbok (em sueco). Estocolmo: Norstedts ordbok, 2001. Capítulo: Carl Larsson.  793 p. p. 350. ISBN 91-7227-186-8
  3. Magnusson, Thomas; et al.. Vad varje svensk bör veta (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag e Publisher Produktion AB, 2004. Capítulo: Carl Larsson.  654 p. p. 245-246. ISBN 91-0-010680-1
  4. Norstedts uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Norstedts, 2007-2008. Capítulo: Carl Larsson.  1488 p. p. 716. ISBN 9789113017136
  5. Miranda, Ulrika Junker; Anne Hallberg. Bonniers uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag, 2007. Capítulo: Carl Larsson.  1143 p. p. 554. ISBN 91-0-011462-6
  6. Miranda, Ulrika Junker; Anne Hallberg. Bonniers uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag, 2007. Capítulo: Carl Larsson.  1143 p. p. 554. ISBN 91-0-011462-6
  7. Ernby, Birgitta; Martin Gellerstam, Sven-Göran Malmgren, Per Axelsson, Thomas Fehrm. Norstedts första svenska ordbok (em sueco). Estocolmo: Norstedts ordbok, 2001. Capítulo: Carl Larsson.  793 p. p. 350. ISBN 91-7227-186-8
  8. Miranda, Ulrika Junker; Anne Hallberg. Bonniers uppslagsbok (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag, 2007. Capítulo: Carl Larsson.  1143 p. p. 554. ISBN 91-0-011462-6

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Carl Larsson
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.