Carla Chambel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carla Chambel
Nascimento 30 de novembro de 1976 (41 anos)
Nacionalidade portuguesa
Ocupação Atriz e dobradora
Cônjuge Miguel Bica
Prémios Sophia
Film-award-stub.svg2016 - Melhor Actriz Secundária (Se Eu Fosse Ladrão, Roubava)
IMDb: (inglês)

Carla Sofia Dias Chambel, mais conhecida por Carla Chambel[1] (Amadora, 30 de novembro de 1976), é uma atriz e dobradora portuguesa.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Concluiu o Curso de Formação de Actores da Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. Estreou-se como actriz na peça A Disputa de Marivaux, no Teatro Nacional D. Maria II, sob a direcção de João Perry (1995), encenador com quem trabalhou em Sonho de uma Noite de Verão, de William Shakespeare (Teatro Nacional D. Maria II, ’96). Foi dirigida por João Mota na Comuna - Teatro de Pesquisa, nas peças O Mal da Juventude de Ferdinand Bruckner (’97), Medida por Medida de Shakespeare (’97) e Cara de Fogo de Mayenburg (’04); por Carlos Avilez no Teatro Nacional D. Maria II, em Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett (’99). Trabalhou com Graca P. Correa em Zero Horas ('98), com Manuel Wiborg na Actores Produtores Associados em Crime e Castigo adaptado de Dostoievski (’99) e no Teatro Meridional participou em História de Uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar de Luis Sepúlveda, encenação de Miguel Seabra (’02). Com Bruno Bravo integrou na Primeiros Sintomas o elenco da peça A Montanha Também Quem de Miguel Castro Caldas (’99) e trabalhou com João Lourenço no Teatro Aberto em O Bobo e a Sua Mulher Esta Noite na Pancomédia de Botho Strauss (’04) e em A Vida de Galileu de Bertolt Brecht - 2006; com Fernanda Lapa em A Valsa de Baltimore de Paula Voguel (’04).

No cinema destaca a co-protagonização de 98 Octanas de Fernando Lopes (2006), tendo participado ainda em filmes de Margarida Gil, Catarina Ruivo, Manuel Mozos, Luís Filipe Rocha, Paulo Rocha, Joaquim Leitão e Alberto Seixas Santos.

Regular na televisão, integrou o elenco de variadas séries como A Ferreirinha (RTP, 2004); João Semana (RTP, 2005), Pedro e Inês (RTP, 2005) ou Até Amanhã Camaradas (de Joaquim Leitão, SIC, 2005). Participou na série da SIC, Jura em 2007 e desempenhou o papel de Vera na telenovela Vingança. Em 2008 desempenhou o papel de Julia Mascarenhas na telenovela Resistirei também da SIC. Após o final da telenovela da SIC, de 2008, foi convidada para ser a directora de actores da produção da SIC, Laços de Sangue. Em 2012 protaganizou o filme Quarta Divisão sobre a realização de Joaquim Leitão onde interpretou o papel de Helena Tavares, uma agente da PSP que procura apurar a verdade sobre as circunstâncias do desaparecimento de uma criança de 9 anos, oriunda de uma família da alta sociedade portuguesa.[3] Em 2013 muda-se para a RTP1 para interpretar o papel de Marina na série Bem-vindos a Beirais. Em 2015, continuando como Marina em Bem-vindos a Beirais, faz uma participação especial na nova novela da SIC "Poderosas", no papel de Dália, mãe de Amélia em 1987. A sua personagem morre no primeiro episódio.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (pdf). IGAC/Ministério da Cultura. 25 de julho de 2007. Consultado em 15 de Janeiro de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 24 de Dezembro de 2013 
  2. Martins Silva, Marta (19 de fevereiro). «Carla Chambel: "Não vejo problema na nudez em TV..."». cmjornal.xl.pt. Consultado em 11 de julho de 2013  Verifique data em: |data= (ajuda)
  3. Carla Chambel (7 de abril de 2013). «"O teatro é a minha casa, o meu berço"». vip.pt. Consultado em 11 de julho de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]