Carlo Felice Biscarra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carlo Felice Biscarra
Nascimento 1823
Turim
Morte 31 de julho de 1894 (71 anos)
Turim
Cidadania Reino de Itália
Alma mater Accademia Albertina
Ocupação pintor

Carlo Felice Biscarra (26 de Março de 1823 – 31 de julho de 1894) foi um pintor e crítico de arte italiano.

Encontro com Garibaldi
Prisão de Silvio Pellico e Piero Maroncelli

Nascido em Turim, Carlo Felice inicialmente treinou com seu pai, Giovanni Battista, que foi diretor da Accademia Albertina. Carlo Felice recebeu uma pensão da rainha para estudar em Florença e Roma. Em 1850, sua primeira tela de grande sucesso, Cola di Rienzo che arringa il popolo romano, foi apresentada e muito admirada em uma exposição em Castello del Valentino e comprada por Vítor Emanuel II.[1] Outros trabalhos incluem Galileo che spiega la teoria del moto della terra, comprada pelo Duque de Gênova[1] os I fratelli Zuccato mosaicisti, Fanfulla in S. Marco di Firenze; Filippo Lippi schiavo in Barberia; Giambellino che scopre il segreto della pittura ad olio,recato in Italia da Antonello da Messina; Maso Finiguerra trova il modo di stampare le incisioni a bulino; Giovinezza del Conte di Carmagnola; La notte del 26 marzo 1822 (Pellico e Maroncelli lasciano le carceri di S. Michele); Medoro; Graziella; Desdemona; Clarino; La vecchia strada del Cenisio; e La pesca ai polipi nel golfo di S. Margherita Ligure.[1][2]

Biscarra viajou pela Europa e, em Paris, trabalhou com o pintor Ary Scheffer. Em 1860, sob o comando Massimo d'Azeglio, ele tornou-se secretário da Accademia Albertina. Também ajudou a fundar o Círcolo dos Artistas de Turim, uma associação de pintores. Colaborou com Luigi Rocca para publicar a revista L'Arte na Itália durante cinco anos, até 1873. Biscarra traduziu o Curso prático de desenho industrial para artistas e industriais de G. Schreiber. Em 1873, publicou a obra Relaz. stor. intorno alla R. Acc. Albertina di Belle Arti in Torino, sobre a história da Accademia. Dirigiu a publicação e escreveu parte do texto de I capolavori della R. Pinac. di Torino, livro sobre as principais obras da Pinacoteca Real de Turim. Em 1883, como membro de uma comissão governamental pela conservação de monumentos, patrocinou a fotografia dos sítios arqueológicos do Piemonte.[3] Morreu em Turim, em 1894.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c «BISCARRA, Carlo Felice in "Dizionario Biografico"». www.treccani.it (em italiano). Consultado em 1 de novembro de 2018 
  2. Dizionario degli Artisti Italiani Viventi: pittori, scultori, e Architetti., by Angelo de Gubernatis. Tipe dei Successori Le Monnier, 1889, page 58-59.
  3. BISCARRA, Carlo Felice in Dizionario Biografico degli Italiani - Volume 10 (1968) by Paolo Venturoli.