Carlos Alberto Faraco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos Alberto Faraco
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Carlos Alberto Faraco (1950 - ) é um linguista brasileiro, professor de língua portuguesa da Universidade Federal do Paraná, da qual foi reitor no período1990-1994. Formado em Letras Português/Inglês pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1972), ele tem mestrado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (1978) e doutorado em Linguística na University of Salford (1982). Fez pós-doutorado em Linguística na University of California (1995-96). É Professor Titular (aposentado) da Universidade Federal do Paraná.

Faraco tem uma importante produção na área de ensino de língua e de prática de texto para estudantes (incluindo seus dois manuais em parceria com o romancista Cristovão Tezza, então seu colega na UFPR). Além disso, sua contribuição para a introdução do pensamento de Mikhail Bakhtin no Brasil foi definitiva.

Em tempos mais recentes, seu pensamento tem-se voltado com mais frequência também para as questões de história da língua portuguesa no Brasil e de políticas linguísticas, especialmente depois de uma polêmica conduzida na imprensa nacional em que se tornou uma espécie de porta-voz da linguística brasileira no enfrentamento de um projeto de lei do então deputado Aldo Rebelo, que pretendia barrar o uso de "estrangeirismos" no português brasileiro, polêmica que gerou seu livro "Estrangeirismos: guerras em torno da língua". Nos anos seguintes, seu envolvimento com a sociopolítica da língua portuguesa o levou também a assumir a coordenação da Comissão Nacional Brasileira do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, órgão linguístico da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Obras (à exclusão de vários livros organizados por ele)[editar | editar código-fonte]

  • Uma introdução a Bakhtin (1988)
  • Linguística Histórica: uma introdução ao estudo da história das línguas (1991)
  • Prática de texto (com Cristovão Tezza) (1992)
  • Escrita e alfabetização' (1992)
  • Trabalhando Com Narrativa (1992)
  • Diálogos com Bakhtin (1996)
  • Oficina de texto (com Cristovão Tezza) (1998)
  • Estrangeirismos: guerras em torno da língua (2001))
  • Língua portuguesa: prática de redação para estudantes (com D. Mandryk, 2001)
  • Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin (2003)
  • Norma Culta Brasileira: desatando alguns nós (2008)
  • Linguagem Escrita e Alfabetização (2012)
  • História Sociopolítica da Língua Portuguesa (2016)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4727874Z1#ProducoesCientificas