Carlos Alberto Prates Correia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Carlos Alberto Prates Correia (Montes Claros, Minas Gerais, 1941) é um cineasta brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carlos Alberto cresceu em Montes Claros e se mudou jovem para Belo Horizonte, onde começou a trabalhar como crítico de cinema no jornal Diário de Minas, experiência que durou apenas seis meses. O diretor iniciou sua carreira cinematográfica em 1965, como responsável pela continuidade no longa-metragem O Padre e a Moça, de Joaquim Pedro de Andrade. A película foi filmada em Diamantina e São Gonçalo do Rio das Pedras, no interior de Minas Gerais. Logo após as filmagens, Carlos Alberto fundaria, com outros amigos aficionados por cinema, o CEMICE, Centro Mineiro de Cinema Experimental.

O primeiro filme produzido pelo CEMICE foi o curta-metragem O Milagre de Lourdes, de Carlos Alberto, também em 1965. O filme, passado no bairro da Lagoinha, em Belo Horizonte, contava as peripécias de um padre que, fugindo de uma multidão enfurecida por causa de suas supostas vigarices na venda de uma rifa, vai se refugiar por engano em um bordel. Em 1966, o diretor se mudaria para o Rio de Janeiro, para ficar mais perto dos órgãos de governo responsáveis por fomentar o cinema e dos outros cineastas em atividade, em busca de melhores oportunidades de trabalho. Em 1968 ele dirigiria um dos episódios do filme Os marginais, chamado "Guilherme", contando no elenco com o ator Paulo José. No ano seguinte trabalharia de novo com Joaquim Pedro de Andrade, como assistente de direção em Macunaíma.

Em 1970 realizou o seu primeiro longa, o pouco visto Crioulo Doido, filmado na cidade histórica de Sabará, próxima a Belo Horizonte. O filme foi um dos poucos no cinema brasileiro a ter como protagonista um ator negro, Jorge Coutinho, combinando, como o diretor afirmou em entrevista ao programa "Cadernos de Cinema", "racismo com ascensão social citando Os Contos da Lua Vaga" (obra-prima do diretor japonês Kenji Mizoguchi). Crioulo Doido narrava o "projeto racista" de Estela e do Amigo da Família para enlouquecer o alfaiate Felisberto (conhecido em sua cidade pelo tino comercial) e tomar o seu dinheiro. Deixando claras as bases do cinema que realizaria nos anos seguintes, Prates produziu a sua Minas Gerais com enquadramentos simples e efetivos, uma fotografia de alto contraste em preto e branco, "decupagem de cinema mudo", atuações por vezes caricatas, por vezes ternas, enredo picaresco, além de uma trilha sonora irônica, que emergiu desde o início de sua obra como parte constituinte do conjunto audiovisual.

Depois desse filme, Carlos Alberto trabalhou como produtor para Joaquim Pedro, em Os Inconfidentes (1972) e Guerra Conjugal (1974), para Hugo Carvana em Vai trabalhar Vagabundo (1973) e para Carlos Diegues em Quando o carnaval chegar (1972) e Joana Francesa (1975). Em 1976 rodaria o seu segundo longa, Perdida, uma saga popular vivida por uma mulher presa entre o subemprego e a prostituição, filme ganhador de vários prêmios (ver relação de prêmios abaixo). No final da década de 1970 continuaria a trabalhar como produtor, desta vez para Oswaldo Caldeira em Ajuricaba (1977) e novamente para Hugo Carvana em Se Segura Malandro (1978). Em 1978 filmou o curta-metragem Bem atrás da câmera, um semidocumentário sobre o processo de produção no cinema.

Em 1980 dirigiu a película "etílica-musical" (como o próprio Carlos Alberto qualificou) Cabaret Mineiro, fábula estrelada pelo ator Nelson Dantas em suas andanças pelo interior de Minas Gerais com o cantador Antônio Rodrigues, o "amigo americano" interpretado por Helber Rangel e mulheres marcantes, como Salinas (Tamara Taxman) e Avana (Tânia Alves). O imaginário erótico e musical associado ao norte de Minas era temperado pela marujada de Montes Claros, a dança do Grupo Corpo, a literatura de Guimarães Rosa, as modas de Zezinho da Viola, poemas de Drummond, sambas de Noel, a voz e o instrumental de Tavinho Moura, cachoeiras entre as montanhas, aromas de pequi e "os cafés com biscoitos de fogão, broas e bolos de arroz", em uma combinação irônica e onírica. A idéia do autor, como ele mesmo declarou, era usar a sua "voz cinematográfica" para relembrar as canções que aprendeu na sua juventude em Montes Claros. O filme ganhou os principais prêmios do Festival de Gramado de 1981, entre eles os de Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Fotografia (Murilo Salles), Melhor Ator (Nelson Dantas), Melhor trilha sonora (Tavinho Moura) e Melhor atriz coadjuvante (Tânia Alves). Ganhou ainda o prêmio de Melhor Fotografia no Festival de Brasília.

Após este filme, realizou Noites do Sertão, com a produtora Grupo Novo de Cinema. A película é uma adaptação da novela Buriti, de Guimarães Rosa, publicada no livro Corpo de Baile. O universo roseano foi retratado com grande delicadeza e rigor de enquadramento, com a fidelidade ao livro garantida pela narração de alguns trechos. Para o diretor, o principal problema era não poder transpor para o cinema "o cheiro da terra molhada, das flores" da terra mineira, era não poder concretizer totalmente em filme as suas memórias.

No final da década de 1980, Prates filmou o longa Minas-Texas, sob o pseudônimo de Charles Stone (alcunha dada pelos primos, porque ele "só falava em cinema"), também nome de um personagem que ele mesmo interpretou em Perdida. O enredo girava em torno da relação tumultuada entre a romântica Januária, encarnada por Andréa Beltrão, e o peão de rodeio Roy Pereira, vivido por José Dumont.

Depois de Minas-Texas Carlos Alberto parou de filmar e voltaria a apresentar uma produção própria apenas em 2007, o semidocumentário Castelar e Nelson Dantas no País dos Generais, uma colagem de filmes e depoimentos que faz uma crônica da sua geração de cinéfilos e realizadores mineiros. Dessa vez ele assina seu filme como Carlos Prates, denominação que, segundo o diretor, "gasta menos tinta e é nome de bairro em Belo Horizonte". Prates declarou ao jornal mineiro O Tempo, na época do lançamento desse balanço de sua carreira, que ainda pode vir a filmar um roteiro inédito, a película A Vida é Morte ou Dinheiro, que teve alguns elementos usados em Castelar. Ele acabou de restaurar e reeditar os seus filmes e uma caixa de DVDs com o resultado deste esforço deverá ser lançada em breve.

Carlos Alberto Prates Correia é um dos mais importantes diretores do cinema praticado no Brasil e construiu uma saga cinematográfica original, informada e criativa, em um movimento transcultural que reinventou, fellinianamente e pratescorreiamente, uma Minas Gerais idiossincrática e fugaz.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ano Filme Prêmios do diretor
1965 O Milagre de Lourdes
1968 Os Marginais - 1˚ episódio
1970 Crioulo Doido Vencedor Festival de Inverno da Universidade Federal de Minas Gerais: Roteiro
1975 Perdida Vencedor Golfinho de Ouro 1977: Melhor Filme. Coruja de Ouro 1977: Melhor Filme e Prêmio Especial. Prêmio Governador do Estado de São Paulo 1978: Melhor Roteiro e Direção
1978 Bem atrás da câmera
1979 Cabaret Mineiro Vencedor Festival de Gramado 1981: Melhor Filme e Melhor Direção
1983 Noites do Sertão Vencedor Festival de Gramado: Prêmio do Júri Especial
1989 Minas-Texas Vencedor Festival de Brasília: Melhor Roteiro
2007 Castelar e Nelson Dantas no País dos Generais Vencedor Festival de Gramado: Melhor Filme e Melhor Montagem

Fonte[editar | editar código-fonte]

  • Fórum do filme documentário e etnográfico de Belo Horizonte (FORUMDOC). Anais, 12, 2008. Belo Horizonte: Filmes de quintal, 2008

Miranda, Marcelo. O fim do silêncio. Jornal O Tempo, 05/08/2007. Disponível na Internet em http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=53409 e continuando em http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=53412.

Links[editar | editar código-fonte]

Carlos Alberto Prates Correia no IMDB - http://www.imdb.com/name/nm0695350/.

Página dedicada à obra do cineasta - http://www.cinemadeprazer.art.br