Carlos Borromeu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
São Carlos Borromeu
Cardeal da Santa Igreja Romana
Arcebispo da Milão
São Carlos Borromeu pintado por Giovanni Ambrogio Figino
Atividade Eclesiástica
Diocese Arquidiocese de Milão
Nomeação 7 de fevereiro de 1560
Predecessor Dom Giovanni Angelo Cardeal de’ Medici
Sucessor Dom Gaspare Visconti
Mandato 1560 - 1584
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 4 de setembro de 1563
por Dom Federico Cardeal Cesi
Ordenação episcopal 7 de dezembro de 1563
por Dom Giovanni Antonio Cardeal Serbelloni
Nomeado arcebispo 12 de maio de 1564
Cardinalato
Criação 31 de janeiro de 1560
por Papa Pio IV
Ordem Cardeal-diácono (1560-1563)
Cardeal-presbítero (1563-1584)
Título Santos Vito, Modesto e Crescência (1560)
Santos Silvestre e Martinho nos Montes (1560-1564)
Santa Praxedes (1564-1584)
Lema Humilitas
Santificação
Beatificação 16 de setembro de 1602
por Papa Clemente VIII
Canonização 1 de novembro de 1610
por Papa Paulo V
Veneração por Igreja Católica
Principal templo Catedral de São Carlos Borromeu em São Carlos (São Paulo)
Igreja de São Carlos em Viena, Áustria
Festa litúrgica 4 de novembro
Padroeiro São Carlos e
Lagoa da Prata Seminaristas
Dados pessoais
Nascimento Arona, Ducado de Milão
2 de outubro de 1538
Morte Milão, Ducado de Milão
3 de novembro de 1584 (46 anos)
Nacionalidade Italiano
Progenitores Mãe: Margherita de Medici
Pai: Gilberto Borromeo
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

São Carlos Borromeu (Arona, 2 de outubro de 1538Milão, 3 de novembro de 1584) foi um Cardeal italiano e Arcebispo de Milão, sendo o primeiro bispo a fundar seminários para a formação dos futuros padres; promoveu sínodos diocesanos; abundou os escritos catequéticos e conhecimento da doutrina católica.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho do Conde Gilberto Borromeo e de Margherita de Medici, irmã do Papa Pio IV (1559-1565), do qual era sobrinho.

Carlos recebeu ótima formação humana e cristã, de forma que estudou na Universidade de Pavia e destacou-se pela facilidade de administrar e tratar as pessoas. Chamado a Roma, pelo tio Papa, São Carlos mesmo antes de receber os Sacramentos da Ordem, aceitou a nomeação e responsabilidades de Cardeal e Arcebispo de Milão, num tempo em que a Igreja abria-se para sua renovação interna.

Bispo que tornou-se para a Igreja um modelo de pastor e caridade, já que se consumiu por inteiro pela guarda e salvação das almas. Ele, logo após ter auxiliado o Papa e tê-lo motivado para colocar em prática todo o inspirado conteúdo do Concílio de Trento (1545-1563), assumiu com todo o ardor a missão de obedecer as decisões que levaram à contra-reforma, o qual respondia as necessidades da Igreja daquela época, e também levar a todos os fiéis da diocese de Milão para o Cristo. Lutou contra o protestantismo nos vales suíços, impondo estritamente os ditames do Concílio de Trento. Em sua visita pastoral no Vale da Mesolcina (Suíça), mandou prender mais de 150 pessoas por feitiçaria. Quase todos abandonaram a religião protestante após a tortura, preferindo abjurar para salvar suas vidas; entretanto, doze mulheres e um reitor foram condenados à fogueira na qual foram jogados de cabeça para baixo.

Virgem Maria em apoio a Carlos Borromeu - Teto pintado por Johann Michael Rottmayr (1654-1730) para a Karlskirche, Viena.
Catedral Diocesana de São Carlos, em São Carlos, Brasil, é dedicada a São Carlos Borromeu
A Igreja de São Carlos, em Viena, Áustria, é dedicada a São Carlos Borromeu

Determinado, foi o primeiro bispo a fundar seminários para a formação dos futuros padres; promoveu sínodos diocesanos; abundou os escritos catequéticos e conhecimento da doutrina católica; impulsionou a boa empresa e assistiu com seu zelo e apostolado santo toda a sua região além de ajudar na Evangelização de outras áreas da Europa, desta maneira deu sua vida a Deus gastando-se totalmente pelo bem dos outros e da Igreja.

Sentindo-se atraído pela vida contemplativa, pensou em renunciar à arquidiocese. Mas seu amigo o Venerável Dom Frei Bartolomeu dos Mártires, arcebispo de Braga, dissuadiu-o dessa idéia, convencendo-o de que, naquele século em que o alto Clero tantas vezes dava mau exemplo, seria melhor que ele, altamente colocado na escala social e ademais sobrinho de um Papa, desse o bom exemplo de vida santa como arcebispo. Foi o que fez São Carlos Borromeu, modelo perfeito de pastor-de-almas zeloso, que aplicou em Milão as reformas ordenadas pelo Concílio de Trento.

Bento XVI a ele referindo-se [1] afirmou: Sua figura destaca-se no século XVI como modelo de pastor exemplar pela caridade, doutrina, zelo apostólico e sobretudo, pela oração.

Dedicou-se por completo à Igreja ambrosiana: a visitou três vezes; convocou seis sínodos provinciais e onze diocesanos; fundou seminários para formar uma nova geração de sacerdotes; construiu hospitais e destinou as riquezas de família ao serviço dos pobres; defendeu os direitos da Igreja contra os poderosos; renovou a vida religiosa e instituiu uma nova Congregação de sacerdotes seculares, os Oblatos. (...) Seu lema consistia em uma só palavra: "Humilitas". A humildade o imipulsionou, como o Senhor Jesus, a renunciar a si mesmo para fazer-se servo de todos".

Carlos Borromeu é o santo protetor dos catequistas.

Referências

  1. (Audiência do Angelus na praça de São Pedro em 4 de dezembro de 2007, Vatican Information Service Ano XVII - Num. 187)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Carlos Borromeu
Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um santo, um beato ou um religioso é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.