Carlos Fernando dos Santos Lima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carlos Fernando dos Santos Lima
Nome completo Carlos Fernando dos Santos Lima
Nacionalidade brasileiro
Ocupação advogado, consultor e palestrante
Principais trabalhos Investigador da Operação Lava Jato
Prémios Global Investigations Review 2015

Carlos Fernando dos Santos Lima é um advogado e consultor em compliance.[1] Foi procurador Regional da República, lotado na Procuradoria Regional da República da 3º região em São Paulo. Atualmente aposentado da carreira do Ministério Público,[1] atuou na força-tarefa Operação Lava Jato em Curitiba, até setembro de 2018, onde ganhou notoriedade.[2] Ingressou, em 1995, como membro do Ministério Público da União (MPU), no cargo inicial de Procurador da República, conforme estrutura organizacional do Ministério Público Federal (MPF). Atuou também no caso Banestado, operação que investigou evasão de divisas no Banco do Estado do Paraná (Banestado).

Investigação da Arena Corinthians[editar | editar código-fonte]

De acordo com o procurador Carlos, há indícios de que as obras de construção da Arena Corinthians, conhecido como Itaquerão, em São Paulo, envolveram o pagamento de propinas por parte da empreiteira Odebrecht, alvo da 26ª fase da Lava Jato, batizada Operação Xepa, deflagrada em 22 de março de 2016.[3]

O estádio foi o palco da abertura da Copa do Mundo de 2014 no Brasil. De acordo com o procurador Carlos Fernando Lima, a diretoria responsável pela supervisão da obra do Itaquerão aparece em documentos e tabelas apreendidos pela Polícia Federal que indicam o pagamento de propinas relacionadas à obra.[3]

Em relação a outros estádios da Copa, o procurador afirmou que outras fases da Lava Jato já haviam indicado o pagamento de propinas envolvendo empreiteiras e que novos indícios estão sendo colhidos, "inclusive de delações que ainda estão em andamento".[3]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Carlos Fernando é um dos procuradores que foi premiado em 24 de setembro de 2015 pelo Global Investigations Review (GIR). O GIR é um portal de notícias consolidado no cenário internacional como um dos principais canais sobre investigações contra a corrupção e instituiu o prêmio para celebrar os investigadores e as práticas de combate à corrupção e compliance que mais impressionaram no último ano. Em seis categorias, foram reconhecidas práticas investigatórias respeitadas e admiradas em todo o mundo. A força-tarefa concorreu com investigações famosas como a do caso de corrupção na Fifa. Os países que disputaram o prêmio com o Brasil foram Estados Unidos, Noruega, Reino Unido e Romênia.[4]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Segundo a Revista IstoÉ, sua esposa, Vera Lúcia dos Santos Lima, trabalhou no departamento de abertura das contas da filial do Banestado, em Foz do Iguaçu, na época em que o procurador atuava no caso Banestado. Ainda segundo o site, o procurador foi quem recebeu e manteve engavetado, desde 1998, o dossiê sobre o caso Banestado e uma lista de 107 pessoas que figuram na queixa-crime sobre remessa de dólares via agência em Nova York.[5]

Artigos publicados[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Fausto Macedo. «Decano da Lava Jato se aposenta do MPF e vai dar consultoria anticorrupção para empresas». Estadão. Consultado em 15 de junho de 2019 
  2. «Equipe de Investigação no Ministério Público Federal». Ministério Público Federal. Consultado em 24 de março de 2016 
  3. a b c «Construção da Arena Corinthians envolveu pagamento de propina, diz procurador». Correio do Povo. 22 de março de 2016. Consultado em 24 de março de 2016 
  4. «Força-tarefa do MPF na Lava Jato ganha prêmio internacional de investigação». MPF. 25 de setembro de 2015. Consultado em 24 de março de 2016 
  5. «Raposa no galinheiro». ISTOÉ Independente. revista Isto É. 3 de setembro de 2003. Consultado em 30 de maio de 2019 
  6. «Chamem o ladrão». O Globo. Globo. Consultado em 15 de julho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]