Carlos Heitor Cony

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carlos Heitor Cony Academia Brasileira de Letras
Cony (foto ABr)
Nascimento 14 de março de 1926
Rio de Janeiro
Morte 5 de janeiro de 2018 (91 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Jornalista e escritor
Principais trabalhos Quase Memória
Pessach: A Travessia
Prêmios Prêmio Machado de Assis 1996

Carlos Heitor Cony (Rio de Janeiro, 14 de março de 1926 — Rio de Janeiro, 5 de janeiro de 2018) foi um jornalista e escritor brasileiro. Era editorialista da Folha de S.Paulo e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL) desde 2000.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do jornalista Ernesto Cony Filho, considerado "obscuro"[2], e de Julieta Moraes Cony, Carlos Heitor Cony cresceu no bairro de Lins de Vasconcelos[2], na zona norte do Rio de Janeiro. Foi considerado "mudo" pela família até os quatro anos de idade[3], quando pronunciou suas primeiras palavras reagindo a um barulho provocado por um hidroavião em Niterói[4]. Por causa desse problema, que seria resolvido apenas quando o escritor tinha 15 anos em uma cirurgia[3], Cony foi alfabetizado em casa e estudou em um seminário em Rio Comprido[5] até 1945, abandonando-o antes da ordenação como padre. No ano seguinte, começou a cursar a Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil, mas interrompeu o curso em 1947[6], e teve sua primeira experiência como jornalista no Jornal do Brasil cobrindo férias de seu pai.[4][7][8]

Trabalhou como funcionário público da Câmara Municipal do Rio de Janeiro até 1952, quando se tornou redator da Rádio Jornal do Brasil[3]. Em 1955, começou a trabalhar na sala de imprensa da Prefeitura do Rio de Janeiro como setorista do Jornal do Brasil em substituição ao pai, que sofrera uma isquemia cerebral[3]. No mesmo ano, escreve seu primeiro romance, O Ventre. Em 1956, inscreve a obra no Prêmio Manuel Antonio de Almeida, organizado pela Prefeitura. O júri do concurso considera o livro "muito bom", mas nega-lhe o prêmio por ser "forte demais".[3] Em nove dias, escreve e inscreve um segundo livro, A Verdade de Cada Um, e ganha o concurso no ano seguinte[3]. Outro livro de Cony, Tijolo de Segurança, ganharia o mesmo prêmio em 1958.[3] Esses três livros iniciais do autor foram lançados em 1958, 1959 e 1960, respectivamente, pela editora Civilização Brasileira.[3]

Em 1960, entrou para o jornal carioca Correio da Manhã na função de copidesque e editorialista.[3] Entre 1963 e 1965, manteve uma coluna no jornal Folha de S.Paulo, revezando espaço com a poetisa Cecília Meirelles.[6] Inicialmente tendo apoiado o golpe militar de 1964 que tirou João Goulart da presidência da república[9], Cony foi um dos que se arrependeram de apoiar a queda de Goulart[9] e rapidamente veio a opor-se abertamente ao golpe, sendo preso por seis vezes ao longo do regime militar.[1] Como editorialista do Correio da Manhã,[10] escreveu textos de crítica aos atos da ditadura militar, reunidos em um livro, O Ato e o Fato, lançado ainda em 1964.[6] Pressionado pelas críticas que fazia, acabou pedindo demissão do jornal.

Após responder oito processos, três inquérito policial militar e ser preso seis vezes por “delito de opinião”[6], deixou o país em 1967, se auto-exilando em Cuba durante um ano ao ser convidado pelo governo cubano para participar do júri do Prêmio Casa de las americas.[12] Quando voltou ao Brasil, no ano seguinte, foi chamado pelo empresário Adolpho Bloch para trabalhar nas revistas publicadas pela Bloch Editores.[13] Durante boa parte do período em que esteve na Bloch, entre 1968 e 2000, deixou de lado a literatura, tendo publicado seu último livro ficcional em 1973, Pilatos. Dedicando-se ao jornalismo, trabalhou nas funções de colunista, repórter especial e editor de publicações como Manchete, Desfile, Fatos&Fotos e Ele Ela.[6]

Além de trabalhar na mídia impressa, Cony também foi diretor de teledramaturgia da Rede Manchete entre 1985 e 1990, tendo escrito os primeiros capítulos da primeira minissérie da emissora, Marquesa de Santos, o projeto da novela Dona Beija, e a ideia original de Kananga do Japão juntamente com Adolpho Bloch.[6][14]

Em 1993, Cony foi convidado pelo jornalista Jânio de Freitas para voltar a escrever para a Folha de S.Paulo, assumindo a coluna "Rio" no lugar do escritor Otto Lara Rezende, falecido recentemente. A primeira coluna de Cony na Folha saiu em 14 de março daquele ano, escrevendo no jornal até a morte.[15] Após 22 anos afastado da literatura de ficção, em 1995, Cony lança o livro Quase Memória, marcando seu retorno à atividade de escritor e romancista. O livro se tornou uma de suas obras mais famosas ao vender mais de 400 mil exemplares, recebendo também o Prêmio Jabuti de 1996 na categoria Livro do Ano - Ficção.

Cony recebia pensão do governo federal em decorrência de legislação que autoriza pagamento de indenização aos que sofreram danos materiais e morais vitimados pela ditadura militar.[16] O benefício, chamado de prestação mensal permanente continuada, foi aprovado pela Comissão de Anistia em 21 de junho de 2004, correspondendo à época em cerca de 23 mil reais, que equivaleria ao salário que receberia no jornal caso não tivesse sido obrigado a se desligar. O valor mensal foi à época limitado a R$ 19.115,19, o teto do funcionalismo de então.[17]

Em 2013, o escritor sofreu uma queda na Feira do Livro de Frankfurt, gerando um coágulo em seu cérebro.[18] Debilitado pelo acidente e um câncer linfático que o acompanhava desde 2001[3], Cony morreu em 5 de janeiro de 2018 no Rio de Janeiro devido a problemas no intestino e falência múltipla dos órgãos.[19]

Olivenkranz.pngImortal da Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Foi eleito para a cadeira 3 cujo patrono é Artur de Oliveira, em 23 de março de 2000, sendo o seu quinto ocupante. Foi recebido em 31 de maio do mesmo ano por Arnaldo Niskier.[20]

Obras[21][editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

  • 1958 - O Ventre
  • 1959 - A Verdade de Cada Dia
  • 1960 - Tijolo de Segurança
  • 1961 - Informação ao Crucificado
  • 1962 - Matéria de Memória
  • 1964 - Antes, o Verão
  • 1965 - Balé Branco
  • 1967 - Pessach: A Travessia
  • 1973 - Pilatos
  • 1995 - Quase Memória
  • 1996 - O Piano e a Orquestra
  • 1997 - A casa do Poeta Trágico
  • 1999 - Romance sem Palavras
  • 2001 - O Indigitado
  • 2003 - A Tarde da sua Ausência
  • 2006 - O Adiantado da Hora
  • 2007 - A Morte e a Vida

Crônicas[editar | editar código-fonte]

  • 1963 - Da Arte de Falar Mal
  • 1964 - O Ato e o Fato
  • 1965 - Posto Seis
  • 1998 - Os Anos mais Antigos do Passado
  • 1999 - O Harém das Bananeiras
  • 2002 - O Suor e a Lágrima
  • 2004 - O Tudo ou o Nada
  • 2009 - Para ler na Escola

Contos[editar | editar código-fonte]

  • 1968 - Sobre Todas as Coisas - reeditado sob o título Babilônia! Babilônia!
  • 1978 - Babilônia! Babilônia!
  • 1997 - O Burguês e o Crime e Outros Contos

Ensaios biográficos[editar | editar código-fonte]

  • 1965 - Charles Chaplin
  • 1972 - Quem Matou Vargas
  • 1982 - JK - Memorial do Exílio
  • 1985 - Teruz

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

  • 1975 - O Caso Lou - Assim é se lhe Parece
  • 1981 - Nos passos de João de Deus
  • 1996 - Lagoa

Cinema[editar | editar código-fonte]

  • 1975 - A Noite do Massacre

Infanto-juvenis[editar | editar código-fonte]

  • 1965 - Quinze Anos
  • 1977 - Uma História de Amor
  • 1979 - Rosa, Vegetal de Sangue
  • 1979 - O Irmão que tu me Deste
  • 1986 - A Gorda e a Volta por Cima
  • 1989 - Luciana Saudade
  • 2002 - O Laço Cor-de-rosa

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Telenovelas[editar | editar código-fonte]

Roteiros para o cinema[editar | editar código-fonte]

Documentários[editar | editar código-fonte]

  • 1983 - JK – 7 anos Sem a Sua Companhia (Rede Manchete)
  • 1983 - JK – A Voz da História (Rede Manchete)
  • 1984 - Vargas – A Vida e a História (Rede Manchete)

Prefácios e introduções[editar | editar código-fonte]

Com outros autores[editar | editar código-fonte]

Em parceria[editar | editar código-fonte]

  • 2000 - O Presidente Que Sabia Javanês - com charges de Angeli

Marina

  • 2001 - As Viagens de Marco Polo - com Lenira Alcure
  • 2001 - O Mistério das Aranhas Verdes - com Anna Lee
  • 2001 - Wolff Klabin: A Trajetória de um Pioneiro - com Sergio Lamarão e Rosa Maria Canha
  • 2002 - O Mistério da Coroa Imperial - com Anna Lee
  • 2003 - O Mistério das Joias Coloniais - com Anna Lee
  • 2003 - O Crime Mais Que Perfeito - com Anna Lee
  • 2003 - O Beijo da Morte - com Anna Lee, Editor Objetiva, 2003,ISBN 85-7302-572-7
  • 2004 - O Mistério da Moto de Cristal - com Anna Lee
  • 2005 - A Joia dos Reis – Ilha Grande - com Anna Lee
  • 2005 - Liberdade de Expressão I e II - com Heródoto Barbeiro e Artur Xexéo
  • 2007 - O Mistério Final - com Anna Lee
  • 2007 - As Rapaduras são Eternas - com Anna Lee
  • 2009 - O Monstro da Lagoa de Abaeté - com Anna Lee

Edições estrangeiras[21][editar | editar código-fonte]

México[editar | editar código-fonte]

  • Pessach: la travesia. tradução de Jorge Humberto Robles

França[editar | editar código-fonte]

  • Quasi-mémoires - tradução de Henri Raillard
  • La traversée - tradução de Philippe Poncet

Portugal[editar | editar código-fonte]

  • Informação ao Crucificado
  • Quase-memória

Espanha[editar | editar código-fonte]

  • Quase-memória

Adaptações de suas obras[21][editar | editar código-fonte]

Para TV[editar | editar código-fonte]

Para o cinema[editar | editar código-fonte]

  • 1968 - Antes, o Verão - direção e roteiro de Gerson Tavares
  • 1968 - Um Homem e Sua Jaula - direção de Fernando Coni Campos e co-direção de Paulo Gil Soares; roteiro de ambos.
  • 1975 - Você Tem Alguma Ideia Sobre a Ideia Que Pretende Ter? - roteiro de Antônio Moreno, Pedro Ernesto Stilpen e Olivar Luiz
  • 2000 - Pilatos – Melopeia, Fanopeia & Logopeia, episódio V de Isabelle Trouxe Alguns Amigos - roteiro de Felipe Rodrigues, com a colaboração de Barbara Kahane e Patrick Pessoa
  • 2014/2018 - Quase Memória - direção de Ruy Guerra e roteiro do diretor com a colaboração de Bruno Laet e Diogo Oliveira.

Para o teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1988 - Pilatos - Peça de Mário Prata
  • 1995 - Pilatos. Peça de Roberto Barbosa

Prêmios[21][editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Releituras - Carlos Heitor Cony». Consultado em 17 de janeiro de 2011. 
  2. a b «Discurso de posse de Carlos Heitor Cony na Academia Brasileira de Letras». Academia Brasileira de Letras. Consultado em 08 de abril de 2018.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. a b c d e f g h i j «Cronista agudo e lírico, Carlos Heitor Cony morre aos 91 anos no Rio». Folha de S.Paulo. 6 de janeiro de 2018 
  4. a b Millen, Juliana de Castro (Maio, 2012). «O biográfico na performance literária de Carlos Heitor Cony» (PDF). ISSN: 1983 - 8379. Universidade Federal de Juiz de Fora - VI Simposio em Literatura, Crítica e Cultura. Consultado em 22 de Junho de 2014. 
  5. «Carlos Heitor Cony revela os livros que deixou de fazer». Consultado em 17 de janeiro de 2011. 
  6. a b c d e f Brasil, CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «CONY, CARLOS HEITOR | CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 8 de abril de 2018. 
  7. Banco de Dados da Folha. «Biografia de Escritores brasileiros: Carlos Heitor Cony». UOL Educação. Consultado em 22 de Junho de 2014. 
  8. Nogueira Jr., Arnaldo. «Projeto Releituras». Releituras. Consultado em 22 de Junho de 2014. 
  9. a b Amado, João (3 de abril de 2007). «Os jornalistas e o golpe de 1964». Observatório da Imprensa. Consultado em 22 de Junho de 2014. 
  10. «Carlos Heitor Cony - Biografia». Consultado em 17 de janeiro de 2011. 
  11. CONY, Carlos Heitor. Sociedade, mídia e autocrítica. Folha de S. Paulo, 27/01/2006.
  12. «Carlos Heitor Cony completa 90 anos de independência». O Globo. 13 de março de 2016 
  13. Alves, Juliana Carneiro (2005). «PESSACH: a travessia – uma representação da luta social e do intelectual dos 60» (PDF). Universidade Federal de Uberlândia. Consultado em 8 de abril de 2018. 
  14. «ISTOÉ Gente». www.terra.com.br. Consultado em 8 de abril de 2018. 
  15. «Folha de S.Paulo - Rio de Janeiro - Carlos Heitor Cony: Um pobre peregrino». www1.folha.uol.com.br. Consultado em 8 de abril de 2018. 
  16. «Reparações milionárias causam polêmica». Consultado em 17 de janeiro de 2011. 
  17. Comissão de Anistia aprova indenizações. Folha de S. Paulo, 22/06/2004.
  18. Paulo, iG São (15 de outubro de 2013). «Jornalista e escritor Carlos Heitor Cony é internado no Rio de Janeiro - Livros - iG». Último Segundo 
  19. «Carlos Heitor Cony morre aos 91 anos». G1 
  20. «Carlos Heitor Cony é eleito como imortal da ABL». Consultado em 17 de janeiro de 2011. 
  21. a b c d «Carlos Heitor Cony - Bibliografia». Consultado em 17 de janeiro de 2011. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Precedido por
Jorge Amado, João Silvério Trevisan e José Roberto Torero
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Romance
1996, com
Ivan Ângelo e Rodrigo Lacerda
Sucedido por
João Gilberto Noll, Fausto Wolff, Flávio Moreira da Costa e Luiz Alfredo Garcia Roza
Precedido por
João Gilberto Noll, Fausto Wolff, Flávio Moreira da Costa e Luiz Alfredo Garcia Roza
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Romance
1998
com Márcio Souza e Sérgio Sant'Anna
Sucedido por
Carlos Nascimento Silva, Sônia Coutinho e Modesto Carone
Precedido por
Carlos Nascimento Silva, Sônia Coutinho e Modesto Carone
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Romance
2000, com
Moacyr Scliar e Flávio Aguiar
Sucedido por
Milton Hatoum
Precedido por
Herberto Sales
Olivenkranz.png ABL - quinto acadêmico da cadeira 3
2000 — 2018
Sucedido por
Joaquim Falcão