Carlos Nougué

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carlos Nougué
Nome completo Carlos Augusto Ancêde Nougué
Nascimento 17 de março de 1952
Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Escritor, Tradutor e Filósofo
Prémios Prêmio Jabuti
Género literário Tradução, Gramática, Filosofia
Escola/tradição Escola Teológica do Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro
Tomismo[1]
Religião Catolicismo[2]

Carlos Augusto Ancêde Nougué (Rio de Janeiro, 17 de março de 1952) é um professor de filosofia, tradutor e lexicógrafo brasileiro. [3][4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carlos Nougué nasceu no Rio de Janeiro, onde morou até o ano 2000. Viveu dois anos em Montevidéu e hoje é radicado em Nova Friburgo. Estudou Arqueologia e Letras, além de Filosofia na Escola Teológica do Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro.[3] Foi professor de Tradução Literária no curso de especialização em Tradução de Espanhol da Universidade Gama Filho e lecionou Língua Portuguesa e Filosofia Medieval em diversas instituições.[5] Como lexicógrafo, Nougué participou da produção e redação dos verbetes do Minidicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa Caldas Aulete publicado pela Nova Fronteira, em 2004, e do Dicionário de Português da Barsa/Planeta, de 2000.[3]

Tradutor premiado, Nougué já verteu textos do inglês, francês, latim e espanhol, de autores como G. K. Chesterton, Santo Agostinho, Cícero, Santo Tomás de Aquino, Miguel de Cervantes, Louis Lavelle, Xavier Zubiri e Carlos Fuentes. Ganhou o Prêmio Jabuti de Tradução, em 1993, com Cristóvão Nonato, de Carlos Fuentes[6]. Em 2006 foi finalista do mesmo prêmio[7] com O engenhoso fidalgo D. Quixote da Mancha, uma edição oficial do Quarto Centenário da edição princeps.[8]. A tradução foi realizada em colaboração com o espanhol José Luis Sánchez e foi avalizada pelo Instituto Cervantes e pela Comissão IV do Quarto Centenário, criada em 2005 pelo Governo da Espanha para comemorar os quatrocentos anos da publicação da primeira parte de Dom Quixote.[3]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Suma Gramatical da Língua Portuguesa: Gramática Geral e Avançada. São Paulo: É Realizações. 2015. ISBN 9788580332032. OCLC 1035160268 
  • Estudos Tomistas - Opúsculos. [S.l.]: Edições Santo Tomás. 2016. ISBN 9788568860038 
  • Do Papa Herético e Outros Opúsculos. [S.l.]: Edições Santo Tomás. 2017. ISBN 9788568860083 
  • Da Arte do Belo. [S.l.]: Edições Santo Tomás. 2018. ISBN 9788568860076 
  • Estudos Tomistas - Opúsculos II. [S.I.]: Edições Santo Tomás. 2020

Traduções[editar | editar código-fonte]

Individuais[editar | editar código-fonte]

Em Parceria[editar | editar código-fonte]

  • Guillén, Nicolás (1992). Lagarto Verde. Parceria com Francisco Manhães e Analucia Alvarenga. Rio de Janeiro: Leviatã Publicações.[3]
  • Hernández, Miguel (1992). Sangre a Sangre. Parceria com Francisco Manhães e Helena Ferreira. Rio de Janeiro: Leviatã Publicações; Embaixada da España - Consejería de Educación.[3]
  • Mutis, Álvaro (1993). Mortes e Viagens de Maqroll El Gaviero. Parceria com Francisco Manhães e Analucia Alvarenga. Rio de Janeiro: Leviatã Publicações & Embaixada de Colombia.[3]
  • Bona, Dominique (1999). Stefan Zweig: Uma Biografia. Parceria com João Domenech Oneto. Rio de Janeiro: Record. ISBN 9788501049445
  • Balzac, Honoré de (2003). Tratado dos Estimulantes modernos. Parceria com Zilda Hutchinson Schild Silva. São Paulo: Landy. [3]
  • São Máximo, o Confessor (2003). Centúrias Sobre a Caridade e Outros Escritos Espirituais. Parceria com Clarice Rodrigues. São Paulo: Landy. ISBN 978-8576290032
  • Cervantes, Miguel de (2005). O Engenhoso Fidalgo D. Quixote da Mancha. Parceria com José Luis Sánchez. [S.I.]: Record. ISBN 9788501074508
  • Bernardo de Claraval, São (2017). As Heresias de Pedro Abelardo. Parceria com Renato Romano. [S.I.]: É Realizações. ISBN 978-85-8033-294-0

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Costa, Ricardo da; Ribeiro, Antonio Celso; Hartmann, Ernesto; Silva, Matheus Corassa da; Gaby, André (2019). «Um tributo à arte de ouvir - O amor cortês nas cançons de Berenguer de Palou (c.1160-1209)» (PDF). eHumanista/IVITRA. Consultado em 29 de janeiro de 2020. Devoção corporal tão acentuada que chamou a atenção do pensador aristotélico-tomista Carlos Nougué (1952-)... 
  2. «Youtuber conservador lançará documentário sobre a Teologia da Libertação: veja os teasers». Boletim da Liberdade. 27 de dezembro de 2018. Consultado em 29 de janeiro de 2020. Em uma das entrevistas exibidas, o professor católico Carlos Nougué afirma... 
  3. a b c d e f g h i j k «Carlos Ancêde Nougué». DITRA - Dicionário de Tradutores Literários. Consultado em 30 de julho de 2019 
  4. «TJSP recebe visita do professor Carlos Nougué». Tribunal de Justiça de São Paulo. 21 de maio de 2015. Consultado em 8 de agosto de 2019 
  5. Garcia, Lilian Agg. «Entrevista com o tradutor Carlos Âncede Nougué». In-Traduções. Consultado em 30 de julho de 2019 
  6. a b «Prêmio Jabuti - Premiados por Edição - Premiados 1993». Consultado em 30 de julho de 2019 
  7. a b «Confira a lista dos finalistas do prêmio Jabuti». Folha de S. Paulo. 12 de julho de 2006. Consultado em 30 de julho de 2019 
  8. Fuks, Julián (14 de janeiro de 2006). «Nova tradução da obra de Cervantes remete texto ao português arcaico». Folha de S. Paulo. Consultado em 30 de julho de 2019 
  9. «É Realizações | Carlos Nougué». Editora É realizações. Consultado em 3 de agosto de 2019