Carlos Queiroz Telles

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Carlos Queiroz Telles

Carlos Queiroz Telles (São Paulo, 9 de março de 1936São Paulo, 17 de fevereiro de 1993) foi um escritor, poeta, e dramaturgo brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formou-se na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo e, logo depois de formado, participou ativamente da fundação do Teatro Oficina. Foi com a peça de sua autoria, A Ponte, que o grupo do Teatro Oficina estreou em 1958.

Em 1972, com A Viagem, num bem-sucedido e grandioso espetáculo de Celso Nunes, produzido por Ruth Escobar, Queiroz transpõe para a cena o poema épico Os Lusíadas, de Luís de Camões. É premiado como melhor autor com o Molière, Associação Paulista de Críticos de Artes - APCA, e Independência do Conselho Estadual de Cultura do Estado de São Paulo.

Até 1973 trabalhou como jornalista e como publicitário. Foi professor universitário da Escola de Comunicações e Artes da Universidade e, em 1977 , assumiu como diretor da TV Cultura. Tem quase vinte peças escritas e várias delas encenadas, em mais de vinte países.

Os maiores sucessos foram Muro de Arrimo, estrelada por Antonio Fagundes, e A Bolsinha Mágica de Marly Emboaba. Traduziu para os palcos clássicos como Medéia e Ricardo III.

Para a televisão escreveu a telenovela O Julgamento em parceira com Renata Pallottini (baseada em Os Irmãos Karamazov, de Dostoiévski, além de episódios de séries como Carga Pesada e Malu Mulher.

Recebeu dois prêmios Molière (em 72 e 76).

Morreu aos 57 anos, em função de complicações pós-operatórias após uma cirurgia para implantar uma ponte de safena.

Dramaturgia[editar | editar código-fonte]

  • 1958 - A Ponte, direção de Amir Haddad
  • 1968 - O Vestibular
  • 1971 - Draculinha, a Vida Acidentada de Um Vampirinho
  • 1972 - A Semana - Esses Intrépidos Rapazes e Sua Maravilhosa Semana de Arte Moderna, direção de Fernando Peixoto
  • 1972 - Frei Caneca, direção de Fernando Peixoto
  • 1975 - Muro de Arrimo, direção de Antônio Abujamra
  • 1975 - O Processo de Joana d´Arc, direção de Roberto Lage
  • 1975 - Porandubas Populares, direção de Mário Masetti
  • 1975 - A Bolsinha Mágica de Marly Emboaba, direção de Teresa Thiériot
  • 1976 - Vamos Brincar de Papai e Mamãe Enquanto Seu Freud Não Vem, direção de Mário Masetti
  • 1976 - Um Trágico Acidente, direção de Carlos Barretto
  • 1978 - Arte Final, direção de Cecil Thiré
  • 1984 - A Revolta dos Perus, direção de Augusto Francisco, Teatro Brasileiro de Comédia
  • 1989 - Encontro na Madrugada
  • 1990 - A Última Ceia
  • 1991 - Paulista Revista
  • 1991 - Banzai Brasil
  • 1993 - Tietê Menino, direção de Roberto Lage
  • 1993 - Pia, Anhembi
  • 1953 - Sementes de Sol, Teatro Brasileiro de comédia

Adaptação[editar | editar código-fonte]

  • 1972 - A Viagem, a partir de "Os Lusíadas", de Luís de Camões, direção de Celso Nunes. Teatro Ruth Escobal
  • 1974 - O Jogo do Poder, de William Shakespeare, direção de Gianni Ratto
  • 1974 - Autos Sacramentais, de Calderón de la Barca, direção de Victor Garcia

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Guerra, Marco Antonio. Carlos Queiroz Telles. História e Dramaturgia em Cena. São Paulo: Anna Blume, 2004.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.