Carlos Veiga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Carlos Alberto Wahnon de Carvalho Veiga (21 de outubro de 1949 em Mindelo) é um político cabo-verdense que serviu como Primeiro-Ministro de Cabo Verde entre 3 de abril de 1991 e 29 de julho de 2000. Foi o primeiro chefe de estado da nação eleito através de eleições multipartidárias.

Foi um dos principais nomes de oposição ao regime de partido único existente em Cabo Verde, assumindo, na década de 1990, papel preponderante dentro do partido Movimento para a Democracia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Carlos Alberto Wahnon de Carvalho Veiga nasceu a 21 de Outubro de 1949, no Mindelo, na Ilha de São Vicente, em Cabo Verde.

Fez os estudos secundários no Liceu Nacional da Praia[1], na cidade da Praia, partindo depois para Portugal onde, em 1971, fez a Licenciatura em Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

No ano seguinte, mudou-se para Angola, país onde viveu até 1974, trabalhando como Conservador no Registo Civil da cidade do Bié, no Huambo.

Carlos Veiga regressou a Cabo Verde em 1975 para exercer o cargo de Director-geral da Administração Interna, e de seguida foi nomeado Procurador Geral da República, a cargo que exerceu até 1980.

Em 1985 Carlos Veiga foi eleito Deputado para Assembleia Nacional Popular de Cabo Verde, onde integrou a Comissão de Assuntos Constitucionais e Legais. Três anos mais tarde voltou a ser eleito para a Assembleia Nacional Popular, onde se tornou numa voz de contestação contra o sistema de partido único liderado pelo Partido Africano para a Independência de Cabo Verde (PAICV). Carlos Veiga tomou como pauta política pessoal a realização de eleições democráticas multipartidárias em Cabo Verde.

Fundou e foi eleito Presidente do extinto Instituto do Patrocínio e Assistência Judiciários (IPAJ), órgão que deu origem a Ordem dos Advogados de Cabo Verde. Juntamente com outras figuras fundou, em 1990, o partido político Movimento para a Democracia (MpD), para o qual foi eleito líder na primeira convenção em outubro desse mesmo ano.

A 13 de Janeiro de 1991, nas primeiras eleições democráticas realizadas em Cabo Verde para a Assembleia Nacional o MpD elegeu 56 dos 79 deputados com lugar no Parlamento. Carlos Veiga foi assim escolhido para primeiro-ministro e formou o primeiro governo democraticamente eleito em Cabo Verde. Nas eleições seguintes, quatro anos depois, o MpD conquistou outra vitória clara e Carlos Veiga foi reconduzido no cargo de primeiro-ministro.

Quase no fim da Legislatura, Gualberto do Rosário ficou como Primeiro Ministro e Carlos Veiga ficou á espera para se candidatar a Presidente da Republica. O MpD, perdeu as Legislativas para o PAICV e Carlos Veiga perdeu as presidenciais para Pedro Pires em 2001.

Em 2006, voltou a defrontar Pedro Pires, sendo novamente derrotado, retirando-se da política até Outubro de 2009, quando novamente é eleito (eleição indireta) presidente e líder do MpD sem convenção nenhuma, retirando do lugar de presidente Jorge Santos, que passou a ser apenas um dos vice-presidentes.

Em 2013 cessa a seu mandato á frente da Presidência do MpD, passando o bastão a Ulisses Correia e Silva. Em Novembro de 2016, Carlos Veiga é nomeado Embaixador de Cabo Verde em Washington, Estados Unidos.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Foi eleito, em Outubro de 2004, Bastonário da Ordem dos Advogados de Cabo verde.

É detentor de grau honorário de doutoramento Honoris Causa em Direito e recebeu a condecoração do grau Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique pelo Governo Português em 1997.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]