Carlos Zorrinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde abril de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

José Carlos das Dores Zorrinho (Óbidos, 28 de maio de 1959[1]) é um professor universitário e político português.[1]

Professor catedrático do Departamento de Gestão da Universidade de Évora,[1] foi eleito deputado à Assembleia da República, pelo Partido Socialista, nas eleições legislativas 1995, 1999, 2002, 2005, 2009 e 2011, e chamado a funções governativas em 2000 como Secretário de Estado Adjunto da Administração Interna[1] (sendo primeiro-ministro António Guterres) e em 2009, como Secretário de Estado da Energia e da Inovação[1] (sendo primeiro-ministro José Sócrates). Entre 2005 e 2009 foi coordenador nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico.[1] Apoiante da liderança de António José Seguro, foi presidente do Grupo Parlamentar do PS, entre 2011 e 2014.[1] Nas eleições europeias de 2014 foi eleito deputado ao Parlamento Europeu,[1] onde fez parte, entre outras, da comissão da Indústria, da Investigação e da Energia [1] Autor de diversas obras, [2] José Carlos Zorrinho [3] assume, desde sempre, uma postura inovadora, progressista e vanguardista da visão europeia, baseada na identidade como fator de mobilização para um desenvolvimento sustentável, defendendo o conhecimento e o desenvolvimento de competências como geradores de emprego e de riqueza. Na sua obra Portugal sem Medo, defende, uma vez mais, que portugal se deve afirmar como um Laboratório Vivo da energia, território e reabilitação urbana.

[2]O Plano Tecnológico apresentou-se, não só com agenda política mas também como um plano de mobilização da sociedade portuguesa para o conhecimento, a tecnologia e a inovação e foi considerado uma boa prática no Plano Europeu, permitindo que entre 2005 e 2010 Portugal subisse de 22.º lugar para 15.º lugar no European Innovation Scoreboard (EIS) e evoluísse da condição de seguidor moderado e líder de crescimento relativo, tornando-se o mais inovador país do Sul da Europa."

Foi também coordenador Nacional da Estratégia Europa 2020 que deu origem à elaboração do Programa Nacional de Reformas - Portugal 2020 cuja ideia chave foi alinhar as metas portuguesas pelas metas da União Europeia por forma a desfazer o diferencial competitivo do país em relação à média europeia e a eliminar a diferença de condições de inserção das novas gerações de portugueses num mercado aberto. [4]

No Parlamento Europeu tem defendido posturas estruturantes sobre o acesso aos medicamentos , sobre a economia verde baseada nas energias limpas

Assume também o papel de comentador político, nomeadamente na Sic Notícias, no programa Frente a Frente [5] e como comentador em diversos jornais e publicações periódicas. Da sua agenda de trabalho no Parlamento Europeu e dos temas fortes aí tratados, abertura de concursos a fundos comunitários e outros assuntos de interesse, surge a publicação mensal ZNEWS, disponível por subscrição [6].

Segundo um estudo realizado pela empresa de consultoria de comunicação Imago-Llorente & Cuenca, em parceria com a Universidade Católica Portuguesa, divulgado em março de 2015, Carlos Zorrinho é o quarto político mais influente da rede social Twitter, em Portugal, numa lista liderada pelo líder do partido político LIVRERui Tavares.[3]

:::::::::::::

Que se advirtam os leitores que nesta página sobre Carlos Zorrinho não se acha qualquer olhar imparcial ou sentido crítico, sendo evidente que foi redigida pelo próprio ou por um seu apoiante.

Referências

  1. a b c d e f g h Parlamento Europeu. «Carlos Zorrinho». Parlamento Europeu. Consultado em 4 de Abril de 2015 
  2. Zorrinho, José Carlos (2014). Portugal sem Medo. [S.l.: s.n.] ISBN 978-989-51-1572-3 
  3. «Rui Tavares é o político mais influente no Twitter, revela estudo». Público. 31 de março de 2015. Consultado em 18 de agosto de 2015