Carlos de Meira Mattos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos de Meira Mattos
General Carlos de Meira Mattos
Nascimento 23 de julho de 1913
São Carlos
Morte 26 de janeiro de 2007 (93 anos)
São Paulo
País  Brasil
Força Exército Brasileiro
Hierarquia General de divisão
Batalhas/Guerras Segunda Guerra Mundial

Carlos de Meira Mattos (São Carlos, 23 de julho de 1913São Paulo, 26 de janeiro de 2007[1]) foi um general de divisão brasileiro, um dos mais conhecidos formuladores da geopolítica brasileira dos anos 1970.[2][3][4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi voluntário combatente pelas forças paulistas durante a Revolução Constitucionalista de 1932. Em 1933, matriculou-se na Escola Militar do Realengo. Em 1936, concluiu o curso, iniciando sua carreira como oficial do Exército.

Como capitão, auxiliou o então general Mascarenhas de Morais a organizar a Força Expedicionária Brasileira (FEB). Participou da Segunda Guerra Mundial integrando a FEB, no teatro de operações do Mediterrâneo, integrando o IV Corpo de Exército Aliado, no Estado-Maior da FEB, como oficial de ligação entre o 4º Corpo de Exército dos EUA, comandando pelo General Grittenberger, e a divisão brasileira. Participou no combate de Monte Castelo, como Comandante da 2ª Companhia do 1º Batalhão do 11º Regimento de Infantaria. Ao retornar ao Brasil, fez parte da Comissão de Repatriamento dos militares da FEB mortos em combate. [5] [6]

Maj Meira Mattos, Comandante do Curso de Infantaria da AMAN

No período de Março de 1950 a Dezembro de 1952, comandou o Curso de Infantaria da Academia Militar das Agulhas Negras.

Durante dois anos e meio, foi adido militar na Bolívia (1957-1959).

A partir da renúncia do presidente Jânio Quadros, em 1961, Meira Mattos participou ativamente da conspiração que levaria ao golpe militar de 1964.[6]Já como coronel, foi vice-chefe do gabinete militar do presidente Castello Branco, de quem se tornara muito próximo, desde a campanha da FEB. [6]Entre novembro de 1964 e janeiro de 1965, foi interventor federal no estado de Goiás.[7][8]

Em 1965, comandou o contingente brasileiro e a chamada Brigada Latino-Americana, durante a intervenção da OEA na República Dominicana.[5][2]

Em meio ao impasse entre Castello Branco e o presidente da Câmara dos Deputados, Adaucto Lúcio Cardoso, o Palácio do Planalto decide fechar provisoriamente o Congresso Nacional.[9] Na madrugada de 20 de outubro de 1966, Meira Mattos liderou a invasão do Congresso Nacional por tropas federais. Foi a primeira vez desde o Estado Novo que o Poder Legislativo teve suas atividades suspensas por prazo determinado.[10] "O Coronel-de-Infantaria Carlos de Meira Mattos, Comandante do Batalhão de Guarda Presidencial, a tropa de choque e de elite de Brasília, é o mesmo coronel que fora a São Domingos com tropas brasileiras para permitir que os dominicanos votassem livremente. O mesmo que deixara o Brasil para defender a democracia. E é o mesmo que desembarca na porta do Congresso Nacional com extremada violência".[10]

Conforme registra Silva Neto, "dura aproximadamente cinco minutos a invasão do Parlamento pela tropa da Polícia do Exército. O primeiro militar a atravessar a porta do saguão é o Coronel-de-Infantaria Carlos de Meira Matos que, cercado de soldados da Polícia do Exército, entra em corrida acelerada pelo saguão principal do Congresso Nacional, caracterizando-se com isso a invasão das dependências do Poder Legislativo e a sua violação."[10]

Em 1967, cursou a Escola Superior de Guerra. Em dezembro de 1967 foi nomeado pela Presidência da República para presidir uma comissão encarregada de estudar e propor soluções para o bloqueio das atividades do movimento estudantil. No relatório da comissão, concluído em abril de 1968, que ficou conhecido como Relatório Meira Mattos, além de serem apontados encaminhamentos de curo prazo para a "questão estudantil", são apresentadas sugestões para a modernização do ensino superior.[11][12][13]

Em 1969, foi promovido a General de Brigada e nomeado comandante da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), função que exerceu entre 2 de maio de 1969 e 4 de fevereiro de 1971.[5]

Foi professor de geopolítica da Escola Superior de Guerra, da Escola de Guerra Naval e da Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica. Em novembro de 1973, foi promovido a General de Divisão e nomeado Vice-Chefe do Estado Maior das Forças Armadas (EMFA) e vice-diretor do Colégio Interamericano de Defesa em Washington D.C..[2]

Ao passar para a reserva dedicou-se a atividades acadêmicas e ao jornalismo. Obteve o título de doutor em ciências políticas, pela Universidade Mackenzie, com a tese Geopolítica e Trópicos (1984).[2]

Faleceu dias após uma cirurgia no abdômen, da qual não se recuperou.[1]

Juntamente com Everardo Backheuser, Mário Travassos, Álvaro Teixeira Soares, Therezinha de Castro e Golbery do Couto e Silva, Meira Mattos está entre os principais teóricos da geopolítica brasileira do pós-guerra.[14][15][3]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Brasil Geopolítica e Destino. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1975.
  • A Geopolítica e as Projeções do Poder. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1977.
  • Uma Geopolítica Pan-Amazônica. Biblioteca do Exército, 1980.
  • O Marechal Mascarenhas de Morais e sua Época. Biblioteca do Exército, 1983.
  • Geopolítica e Trópicos. Biblioteca do Exército, 1984.
  • Geopolítica e Teoria de Fronteiras. Biblioteca do Exército, 1990.
  • Castello Branco e a Revolução. Biblioteca do Exército, 2000.
  • Geopolítica e Modernidade. Biblioteca do Exército, 2002.

Colaborações em Jornais e Revistas[editar | editar código-fonte]

Homenagens recebidas[editar | editar código-fonte]

Em 2012, a Escola de Comando e Estado-Maior do Exército criou o Instituto Meira Mattos, para conduzir o seu programa de Pesquisa e Pós-graduação em Ciências Militares Stricto Sensu.[16]


Referências

  1. a b Morre o general Carlos de Meira Mattos, especialista em geopolítica. Folha de S. Paulo, 27 de janeiro de 2007.
  2. a b c d «Carlos de Meira Mattos». DEC - Universidade Federal de Campina Grande. Consultado em 25 de dezembro de 2013 
  3. a b SILVA, Altiva Barbosa da. Geopolítica na fronteira norte do Brasil: o papel das forças armadas nas transformações sócio-espaciais do estado de Roraima. São Paulo: USP, 2007.
  4. A teoria geopolítica meridionalista de André Martin. Por Edu Silvestre de Albuquerque. Revista de Geopolítica, v. 5, nº 2, p. 5-18, jul.-dez. de 2014.
  5. a b c CPDOC-FGV. Biografia do General Carlos de Meira Mattos
  6. a b c Entrevista com o General Carlos de Meira Mattos. História Oral. Memória Politica. Câmara dos Deputados.
  7. «Dossie Goiás, Relação de Governadores». Goiasnet. Consultado em 24 de dezembro de 2013 
  8. Vídeo: TV Tupi (5 de janeiro de 1965). «O General Meira Mattos fala como interventor federal em Goiás». Banco de Conteúdos Culturais - Cinemateca Brasileira. Consultado em 4 de outubro de 2014 
  9. «Banco de Dados Folha - Acervo de Jornais». almanaque.folha.uol.com.br. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  10. a b c SILVA NETO, Casimiro Pedro da (2003). «A construção da democracia : síntese histórica dos grandes momentos da Câmara dos Deputados, das Assembléias Nacionais Constituintes do Congresso Nacional» (PDF). Brasília: Camara dos Deputados, Coordenação de Publicações. pp. 498–505. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  11. CUNHA, Luís Antônio. A universidade reformanda: o golpe de 1964 e a modernização do ensino superior. São Paulo: UNESP, 2007
  12. O relatório do general Meira Mattos em 1968: a educação superior e repressão ao movimento estudantil no Brasil. Por Otávio Luiz Machado. Revista eletrônica Cadernos de História. Ano I, nº 2, setembro de 2006. ISSN 1980­0339
  13. Os bastidores da reforma universitária de 1968. Por José Carlos Rothen. Educação & Sociedade, vol. 29, n° 103. Campinas, maio-agosto de 2008 ISSN 1678-4626
  14. O papel de Meira Mattos no pensamento geopolítico brasileiro. Por Pedro Henrique Luz Gabriel. In: AGUILAR, Sérgio Luiz Cruz; PALADINI, Rafaela Tamer (organizadores). Anais do VI ENABED – Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudos de Defesa: pensamento brasileiro em defesa. 6 a 9 de agosto de 2012. São Paulo : UNESP, 2012, p. 115.
  15. ECEME. O Pensamento Geopolitico Brasileiro no Século XX
  16. Site da ECEME

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Mauro Borges Teixeira
Governador de Goiás
19641965
Sucedido por
Emílio Rodrigues Ribas Júnior
Precedido por
Adolpho João de Paula Couto
Comandante da AMAN
19691971
Sucedido por
José Fragomeni