Carlos Vaz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Carlos vaz)
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos Vaz
Carlos Vaz, fotografia tirada por Catarina N. Vaz
Nascimento 21 de junho de 1970 (47 anos)
Caminha, Portugal
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação Romancista, ensaista, poeta, contista, professor.
Prémios Prémio Vergílio Ferreira (Gouveia)

Carlos Vaz (Carlos Rodrigo da Silva Vaz) (n. Caminha,Portugal, a 21 de Junho de 1970) é um escritor contemporâneo de Língua Portuguesa. É o autor da Trilogia da Experiência: A Casa de Al'isse, Seres de Rã e o romance premiado pela crítica Capricho 43. Para além destas obras, é ainda o autor do livro de poesia Laivo e do ensaio Diários de um Real-Não-Existente, entre outros. Recebeu o Prémio Vergílio Ferreira (Gouveia) em 2005 pelo ensaio Diários de um Real-Não-Existente e o Prémio Literário António Paulouro (Fundão) em 2006 pela obra Capricho 43.[1]

Sobre a Obra[editar | editar código-fonte]

A originalidade do seu estilo literário é considerada pela ensaísta Maria Teresa Dias Furtado, no prefácio à obra Capricho 43, como uma escrita onde "(...) as dicotomias encontradas, medo/coragem, sonho/razão, humanidade/monstruosidade, memória/esquecimento, criança/homem, crítica/sonho, branco/cores, entre outras, geram a metamorfose desejada do leitor numa entrega do seu corpo ao acolher a própria viagem do texto." ainda segundo a mesma ensaísta "(...) Carlos Vaz ata os seus próprios nós no fio que escolhe, dialoga com as cabeças convocadas para a sua viagem textual, longe e perto do mundo, unindo razão e sonho, "arquitectando ilhas" com pontos de sentido entre si. A busca é textual, mas o mundo fica enriquecido"[2]. A sua obra é ainda indicada pelo Jornal de Notícias como "(...) uma respiração que expressa as infinitas possibilidades inovadoras da escrita. Esse é, aliás, o timbre da criatividade de Carlos Vaz tanto na ficção como na poesia, áreas que tem vindo a trabalhar com um fraco sentido estético, apostado no aprofundamento e no pulsar da palavra enquanto síntese das grandezas e misérias da condição humana."[3] Segundo ainda o poeta Victor Oliveira Mateus, a escrita de Carlos Vaz caracteriza-se "(...) como um organismo que incessantemente se reformula e (re)enuncia nessa procura que a si própria se impõe: a de um persuasivo pouco resplendor que, armadilhando o leitor num jogo de encantamento sentidos vários, nunca cede na construção de novos paradigmas do dizer, que, contudo, jamais se afastam do real concreto nem de múltiplas inquietações de cariz existencial e histórico social."[4] A poetisa e ensaísta Maria do Sameiro Barroso escreve sobre Carlos Vaz o seguinte: "(...) a escrita de Carlos Vaz desperta-nos do sono amotinado onde a raiz do sonho se liberta, na sua mansão de sendas puras e se revela em indómitos fulgores, depurados dos escolhos do banal e do supérfluo."[5]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Carlos Vaz
Books-aj.svg aj ashton 01.png A Wikipédia possui o
Portal de Literatura

Tabela Cronológica[editar | editar código-fonte]

  • 21 de Junho de 1970, nasce Carlos Vaz.
  • 1988 (com 18 anos) vai estudar para Paris. Regressa a Portugal, ainda no mesmo ano, para terminar os seus estudos, no ensino secundário. Ao mesmo tempo, trabalha como operário numa fábrica de lacticínios durante três anos.
  • 1993 (com 23 anos) entra para o curso de Filosofia e Humanidades, na Faculdade de Filosofia de Braga (Universidade Católica Portuguesa), culminando mais tarde com o Mestrado.
  • 1995 inicia a sua actividade como professor de Língua Portuguesa.
  • 1998 edita alguns poemas, pela primeira vez, após ter vencido o Concurso de Poesia de Braga, na antologia Do Fingimento que Somos.
  • 2000 lança o seu primeiro livro Laivo, edição de autor, cuja edição se encontra esgotada.
  • 2002 é editado pela Labirinto o seu primeiro romance com que iniciaria a Trilogia da Experiência, Seres de Rã, e cuja edição se encontra actualmente esgotada.
  • 2004 é editado pela Labirinto o segundo romance da Trilogia da Experiência: A Casa de Al’isse.
  • 2005 recebe o Prémio Nacional de Literatura Vergílio Ferreira (Gouveia) pelo ensaio Diários de um Real-Não-Existente.
  • 2006 é lhe atribuído o Prémio Nacional de Literatura António Paulouro pela terceira obra da trilogia da experiência Capricho 43.
  • 2007 termina a sua trilogia, com chave de ouro, com a obra Capricho 43. Ainda no mesmo ano, é lhe atribuída a 1ª Menção Honrosa (Prémio de Poesia Natércia Freire).
  • 2009 é publicado o primeiro de cinco livros de microcontos com o nome O Estrangulador de Bonecos de Neve.

Obra Literária[editar | editar código-fonte]

Poesia

  • 2000 - "Laivo" (poesia)

Prosa

  • 2002 - "Seres de Rã": I - Trilogia da Experiência (Ed. Labirinto\romance)
  • 2004 - "A Casa de Al'isse": II - Tril. da Experiência (Ed. Labirinto\romance)
  • 2007 - "Capricho 43": III - Tril. da Experiência (Ed. Labirinto\romance), Prémio Nacional de Literatura António Paulouro - 2006
  • 2009 - "O Estrangulador de Bonecos de Neve" - Curtas I (Ed. Labirinto\microcontos)

Ensaio

  • 2005 - "Diários de um Real-Não-Existente" (ensaio), Prémio Nacional de Literatura Vergílio Ferreira - 2005

Crónica

  • 2007 - "Tricotadeira de Ariadne" - Minotauro - Folha de Intervenção Artística.
  • 2010 - "A Coisa Crónica" - Jornal "Artes Entre as Letras".

Antologias em que participou

  • 1998 - "Do Fingimento que Somos" (Autores de Braga\poesia).
  • 2004 - "Isto é Poesia" (Ed. Labirinto\poesia); "Histórias para um Natal" (Ed. Labirinto\conto).
  • 2005 - "Afectos" (Ed. Labirinto\poesia).
  • 2006 - Revista "Saudade8" (Edições do Tâmega\poesia).
  • 2007 - "Afectos - Mulher" (Ed. Labirinto\poesia); "Afectos - Liberdade" (Ed. Labirinto\poesia); "Um Poema para Fiama" (Ed. Labirinto\poesia); "Las Palavras Puedem" (Panamá-UNICEF\conto); "Dez Anos de Solidão" (Ed. Labirinto\ com conto para a obra do poeta Daniel Gonçalves); "Afectos - Natal" (Ed. Labirinto\conto).
  • 2008 - "Um poema para António Ramos Rosa" (Ed. Labirinto\poesia); "Afectos - Amor" (Ed. Labirinto\conto).
  • 2009 - "Os dias do Amor” (Ministério dos Livros Editores\poesia).
  • 2010 - "O Prisma de Muitas Cores" - Antologia de Poesia Portuguesa e Brasileira (Ed. Labirinto\poesia).
  • 2012 - "100 Poemas para Albano Martins" - Antologia (Ed. Labirinto\poesia); "Amado Amato" (Câmara Municipal de Castelo Branco\poesia).
  • 2013 - "Doce Inimiga" - Antologia (Ed. Labirinto\poesia); "Recordando a Trina" (Entrechando\poesia); "Cintilações da Sombra" (Labirinto\poesia).
  • 2014 - "Cintilações da Sombra 2" (Labirinto\poesia)

Prefácios

  • 2013 - "Telescópio Vocabular - O estudo da poesia como um instrumento de observação." in: "Entre Margens", GOUVEIA, Regina (Ed. Lua de Marfim).
  • 2014 - "A escrita de Maria Sameiro Barroso...” in: "Um Violino Sentado no Éter", BARROSO, Maria do Sameiro (Ed. Livros Aedo).

Distinções[editar | editar código-fonte]

Pela sua obra recebeu vários prémios:

Sinopse das obras principais[editar | editar código-fonte]

Seres de Rã[editar | editar código-fonte]

Quatro histórias, ligadas à doença psicossomática de uma personagem sem nome, espoletam o enredo de todo o texto. As personagens procuram a sua própria carne ao emparedarem-se como figuras de um livro. Sempre que o fazem, uma a uma, vão desaparecendo dentro de uma casa, rebentando como pequenas bolinhas de sabão. No fim ficam as quatro histórias, as reais paredes que dão o corpo ao sentido de toda a obra. Só no visionamento das mesmas conseguimos compreender toda a arquitectura de que são feitas as personagens[6].

A Casa de Al'isse[editar | editar código-fonte]

Duas crianças, Alo e Letes, brincam, ao longo do texto, com a personagem principal. Desta brincadeira textual originada por uma possibilidade infindável de jogos e sentidos nascem experiências pensáveis de um jogo textual que, aos poucos, se desenrola como uma película de filme. Assim, o leitor torna-se parte activa da história por entrar como peça no tabuleiro e ao alimentar-se (alo) do texto como forma de produzir novos sentidos[7].

Diários de um Real-Não-Existente[editar | editar código-fonte]

É o ensaio com que o autor obteve o Prémio Nacional Vergílio Ferreira (2005 - Gouveia). Este ensaio baseia-se num estudo sobre os três diários de Maria Gabriela Llansol: "Um Falcão no Punho", "Finita", "Inquérito às Quatro Confidências". O ensaio conta ainda com um prefácio de João Barrento[8].

Capricho 43[editar | editar código-fonte]

É o romance com que o autor obteve o Prémio Literário António Paulouro (2006 - Fundão). Capricho 43 é essencialmente uma obra de ficção de viagem pelo rio Letes, o rio do esquecimento, numa espécie de barco, que é um tanque de cimento, cuja tripulação procura ilhas de encontro, o encontro com a ciência, através das experiências pensadas de Isaac Newton, e o encontro com a arte, mais propriamente a pintura, com o conjunto de desenhos intitulados por Goya de Caprichos. Tudo isto narrado sempre num corpo de crescimento e de interrogação quase infantil do estranho homem-que-separa-as-águas e a sua Mãe[9].

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Um Corpo em Prestação, Catarina Nunes. Prefácio à obra: "A Casa de Al'isse"; Fafe: Editora Labirinto, 2002
  • Diários de um Real-Não-Existente, João Barrento. Prefácio à obra: "Diários de um Real-Não-Existente"; Fafe: Editora Labirinto, 2005
  • A Dificuldade de Perder o Nome que Impede o Nome, Luís Mourão. Prefácio à obra: "Seres de Rã"; Fafe: Editora Labirinto, 2001
  • A viagem textual em busca do aperfeiçoamento do mundo, Maria Teresa Dias Furtado. Prefácio à obra: "Capricho 43"; Fafe: Editora Labirinto, 2005

Notas[editar | editar código-fonte]

O texto foi inicialmente baseado na biografia e bibliografia do autor presente nas obras "Capricho 43"[10], "O Estrangulador de Bonecos de Neve"[11]; bem como na página oficial do autor: Carlos Vaz (página pessoal visitada em 2010-12-16); e na página da editora Labirinto: Editora Labirinto(página visitada em 2010-12-10); a Tabela Cronológica, bem como os restantes itens bibliográficos, e não só, foi baseada nos dados cedidos pelo site pessoal do autor Carlos Vaz(página visitada em 2011-02-10).

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. "Nota biográfica", Vaz, Carlos, "O Estrangulador de Bonecos de Neve". Editora Labirinto: Fafe, 2009.
  2. Furtado, Maria Teresa Dias - A viagem textual em busca do aperfeiçoamento do mundo. Disponível em:<http://www.carlosvaz.pt/mdiasfurtado.pdf>(PDF)
  3. Silva, Maria Augusta - "Carlos Vaz e o Estrangulador de Bonecos de Neve", Jornal de Notícias, 20 de Setembro, 2009
  4. Mateus, Victos Oliveira, apontamento à obra "Estrangulador de Bonecos de Neve" (Editora Labirinto, 2014)
  5. Barroso, Maria do Sameiro, apontamento à obra "Estrangulador de Bonecos de Neve" (Editora Labirinto, 2009)
  6. Vaz, Carlos - "Seres de Rã", Trilogia da Experiência I. Editora Labirinto, Fafe, 2002.
  7. Vaz, Carlos - "A Casa de Al'isse", Trilogia da Experiência II. Editora Labirinto, Fafe, 2004.
  8. Vaz, Carlos - "Diários de um Real-Não-Existente". Editora Labirinto, Fafe, 2005.
  9. Vaz, Carlos - "Capricho 43", Trilogia da Experiência III. Editora Labirinto, Fafe, 2007.
  10. Vaz, Carlos - "Capricho 43", Trilogia da Experiência III. Editora Labirinto, Fafe, 2007.
  11. Vaz, Carlos - "O Estrangulador de Bonecos de Neve". Editora Labirinto, Fafe, 2009.

Textos de Apoio[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Carlos Vaz