Carlota Joaquina, Princesa do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlota Joaquina, Princesa do Brazil
 Brasil
1995 •  cor •  100 min 
Direção Carla Camurati
Roteiro Carla Camurati
Melanie Dimantas
Angus Mitchell
Elenco Marieta Severo
Marco Nanini
Ludmila Dayer
Ney Latorraca
Antonio Abujamra
Maria Fernanda
Género comédia, história
Direção de fotografia Breno Silveira
Distribuição Warner Bros. Pictures
Lançamento 6 de Janeiro de 1995
Idioma português, espanhol e inglês
Página no IMDb (em inglês)

Carlota Joaquina, Princesa do Brazil é um filme histórico e satírico, lançado em 1995 e dirigido por Carla Camurati. Foi estrelado por Marieta Severo e Marco Nanini.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O filme conta parte da história da monarquia portuguesa, e a elevação do Brasil, de colônia do império ultramarino português, a reino unido com Portugal. Também faz referências a monarquia espanhola.

A morte do rei de Portugal D. José I de Bragança, em 1777, e a declaração de insanidade da rainha Dona Maria I, em 1792, levam seu filho, o então príncipe D. João de Bragança e sua esposa, a infanta espanhola Carlota Joaquina de Bourbon, ao trono real português. Em 1807, para escapar das tropas napoleônicas que invadiam Portugal, o casal e a corte transferem-se às pressas para o Rio de Janeiro, onde a família real e grande parte da nobreza portuguesa vive exilada por 13 anos. Na colônia aumentam os desentendimentos entre a arrogante Carlota Joaquina e o intelectualmente limitadíssimo D. João VI, que após a morte da mãe, deixa de ser príncipe-regente e torna-se rei de Portugal e, posteriormente, rei do reino unido de Portugal, Brasil e Algarves.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Participação especial[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Eliézer Silva em sua crítica para o Cine Eterno escreveu: "A atuação de Marieta Severno é perfeita no filme. Apesar de ser uma comédia, é bastante interessante. Um dos poucos filmes de nosso país que vale a pena ser assistido. Digo isso porque não vejo grandes produções cinematográficas aqui. Só vemos filmes que falam sobre violência ou sexo, e não relatos históricos."[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Eliézer Silva (29 de outubro de 2013). «O além curioso sobre Carlota Joaquina, Princesa do Brasil». cineeterno.com. Consultado em 22 de outubro de 2016. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.