Carlyle Group

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde agosto de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Carlyle Group (NASDAQ: CG) é uma firma de private equity fundada em 1987 por Stephen L. Norris e David M. Rubenstein. Tem sede em Washington D.C. e filiais em diversos lugares do mundo. É uma das principais empresas de Leveraged Buyout (LBO) do mundo.

O grupo é administrado por uma equipe de antigo pessoal do governo americano, incluindo o seu presidente Frank Carlucci, ex-vice-director da CIA antes de se tornar secretário da Defesa. Seu vice é James Baker II, que foi secretário de Estado sob George Bush pai. Vários antigos políticos de alto gabarito são empregados para representar a companhia no estrangeiro, dentre eles John Major, antigo primeiro-ministro britânico, bem como George Bush pai, outrora diretor da CIA antes de se tornar presidente dos EUA. 

Brasil[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2012 o Grupo Carlyle adquiriu 60% da Tok&Stok numa transação de aproximadamente R$ 700 milhões com a intermediação do L.S. Holding, cujo ex-diretor, o brasileiro Leandro Santos, foi contratado posteriormente para administrar ativos financeiros do Grupo Carlyle negociados no Mercosul .[1].

No final de 2017, o Grupo Carlyle vendeu a loteadora Urbplan Desenvolvimento Imobiliário para investidores. Nos resultados do terceiro trimestre daquele ano, divulgados ontem, o Carlyle informou que desconsolidou a Urbplan do seu balanço e que abriu mão de sua participação de controle da loteadora, mas não deixou claro se havia vendido a empresa ou a deixado disponível para venda. A Ivix Value Creation - consultoria especializada em reestruturação de empresas e que assumiu a gestão da loteadora em setembro - disse ter tomado conhecimento, pelas demonstrações financeiras do fundo, da venda da BRL4 - criada pelo Carlyle e controladora da Urbplan - para um grupo de investidores.

"A consultoria avalia os efeitos dessa recente transação, mas assegura que dará continuidade ao plano de reestruturação organizacional e financeiro da empresa, conforme contrato firmado com a Urbplan", informou a Ivix, em nota. Em setembro de 2017, a consultoria assumiu a gestão da loteadora com a missão de reestruturar seu passivo. O sócio-diretor da Ivix, Nelson Bastos, está à frente da reestruturação da Urbplan.

Nas suas demonstrações financeiras do terceiro trimestre de 2017, o Carlyle informou que, com a desconsolidação da empresa de desenvolvimento urbano, reconheceu perda de US$ 65 milhões antes de considerar os efeitos tributários. Desde 2013, os resultados da Urbplan eram consolidados no balanço do Carlyle. O fundo entrou no capital da loteadora em 2007, quando comprou 60% da empresa que ainda se chamava Scopel, nome da família fundadora. Em 2013, com a saída da família, após período de desgaste da relação entre os sócios, o nome da loteadora foi alterado para Urbplan. Há dois anos, o Carlyle informou que não colocaria mais dinheiro na Urbplan.

Em novembro de 2017, a Gaia Securitizadora, que já havia solicitado a falência da Urbplan, apresentou petição com o que chama de "provas de insolvência e dilapidação patrimonial" da loteadora. Segundo a petição, a RE Brasil Empreendimentos - nova empresa de loteamentos montada pelo Carlyle - tem comprado "dezenas de lotes em empreendimentos implementados pela Urbplan" e contratado empregados da loteadora.

Em 1º de setembro de 2017, o Banco BBM solicitou execução de título extrajudicial contra a Urbplan com cobrança de saldo devedor de cédulas de crédito bancário (CCB) de R$ 6,9 milhões, mas a Urbplan possui apenas R$ 355,8 no total de suas contas bancárias, conforme a petição. A Gaia cita que a Urbplan é "sociedade com capital social de R$ 611 milhões, cujos balanços indicam mais de R$ 500 milhões em dívidas financeiras". Não seria possível, portanto, segundo a securitizadora, que a Urbplan tenha em contas bancárias só R$ 355,8.

Isso seria prova, conforme a Gaia, de que a receita e o pagamento dos empregados da Urbplan ocorrem por contas bancárias de outras sociedades. "São provas de que os administradores da Urbplan vêm fraudando o Poder Judiciário", diz a Gaia, na petição. O Carlyle teria feito aportes de R$ 200 milhões na RE Brasil Empreendimentos Imobiliários nos últimos 12 meses. A RE Brasil é a nova denominação da SP-82 Empreendimentos Imobiliários, cujo controle foi comprado da Urbplan pelo Carlyle por R$ 100.

Na petição, consta também que Raphael Filizola, que até setembro era membro do conselho de administração da Urbplan, é presidente da nova loteadora.

A Urbplan tem enfrentado, na Justiça, uma série de processos movidos por clientes que compraram lotes e detentores de certificados de recebíveis imobiliários (CRI) não honrados.[2]

Empregados e associados famosos[editar | editar código-fonte]

Executivos[editar | editar código-fonte]

Políticos e autoridades[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Grupo Carlyle compra Tok Stok por R$ 700 milhões Gazeta do Povo - setembro de 2012
  2. «Fundo Carlyle vende Urbplan a grupo de investidores». Valor Econômico. 1 de novembro de 2017. Consultado em 3 de março de 2018. 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.