Carmela Dutra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carmela Dutra
Nome completo Carmela Teles Leite Dutra
Nascimento 17 de setembro de 1884
Rio de Janeiro, Município Neutro,  Brasil
Morte 9 de outubro de 1947 (63 anos)
Rio de Janeiro, Distrito Federal,  Brasil
Nacionalidade Brasil Brasileira
Cônjuge Eurico Gaspar Dutra (1914-1947)
Filho(s) Carmelita e José (filhos do casamento com José Pinheiro Uchôa Cintra)
Emília e Antônio (filhos do casamento com Eurico Gaspar Dutra)
Ocupação primeira-dama do Brasil entre 1946 até a data de sua morte.

Carmela Teles Leite Dutra (Rio de Janeiro, 17 de setembro de 1884 — Rio de Janeiro, 9 de outubro de 1947) foi a primeira-dama do Brasil, de 31 de janeiro de 1946 até a sua morte, tendo sido a esposa de Eurico Gaspar Dutra. Era, carinhosamente, chamada de Dona Santinha.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida na Ilha do Governador, Carmela era filha de Manoel Antonio Leite e de sua esposa Emília Teles.[2]

No dia 8 de dezembro de 1904, ela desposou José Pinheiro de Ulhôa Cintra, com quem teve dois filhos, Carmelita (esposa do político Luís Novelli Júnior) e José (que se tornou general-de-divisão).[3] Seu marido era parente do jornalista e político Delfino Pinheiro de Ulhoa Cintra Júnior e do irmão deste, o barão de Jaguara.

Em novembro de 1911, Carmela Teles Leite trabalhou para a então prefeitura do Distrito Federal e para o Colégio Estadual Ferreira Viana. Foi também vice-diretora do Instituto Profissional Orsina da Fonseca.

No dia 19 de fevereiro de 1914, Carmela, que ficara viúva, casou-se com o então segundo-tenente Eurico Gaspar Dutra, com quem também teve dois filhos, Emília (esposa do político Mauro Renault Leite) e Antônio (militar e empresário).

Fervorosamente católica e influente sobre o marido, Dona Santinha foi responsável, como primeira-dama, por dois acontecimentos marcantes: a proibição do jogo no Brasil, em abril de 1946, e a extinção do Partido Comunista Brasileiro (PCB), em maio de 1946. Em 1948, os representantes do partido tiveram seus mandatos cassados.

Em 30 de setembro de 1946, inaugurou-se a capela situada nos jardins do Palácio da Guanabara, que foi construída a seu pedido. A Capela Santa Terezinha, como é chamada, foi oferecida à Nação.[4]

Em outubro de 1947, Dona Santinha faleceu aos sessenta e três anos de idade. A causa da morte foi um suposto erro médico.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Dá nome a uma escola de ensino normal (Instituto de Educação) localizada no bairro de Madureira, e também a uma rua no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro; a uma escola na região norte do Brasil (Porto Velho, Rondônia) e também na região Nordeste, na cidade de Jaguaribe, Estado do Ceará.Em Minas Gerais, no Município de São João Evangelista, dá nome a uma Escola Estadual, situada no Distrito de Baguari. Em Vila Maria, Rio Grande do Sul, da nome a uma escola municipal. Dá nome também à Maternidade Carmela Dutra, hospital referência em Ginecologia, Obstetricia e Oncologia, na cidade de Florianópolis, estado de Santa Catarina. Dá nome a um bairro na zona sul de São Paulo. Dá-se o nome Hospital Municipal Carmela Dutra, em Bom Jesus da Lapa-Bahia. Em Juazeiro, também na Bahia, a orla ribeirinha leva o nome de Rua Carmela Dutra.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]


Precedida por:
Luísa Linhares
Primeira-dama do Brasil
19461947
Sucedida por:
Darci Vargas