Carnaval de Antonina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Carnaval de Antonina é um dos mais conhecidos do Paraná atualmente. Oficialmente, reconhece-se o bloco Boi do Norte, fundado em 1920, como o primeiro da cidade, mas a tradição oral diz que o Carnaval local seria mais antigo que isso. Sua tônica são os desfiles de escolas de samba, onde participam atualmente 6 agremiações. Além disso, há também inúmeros bailes públicos, concursos de fantasias e blocos carnavalescos.

História[editar | editar código-fonte]

O carnaval de Antonina é uma das mais tradicionais festas momescas do Brasil. Do final do século 19 até a segunda década do século 20 caracterizou-se pelas “brincadeiras de rua”: as pessoas pintavam-se e vestiam-se de cores alegres e saiam às ruas jogando água perfumada uns nos outros. Banhos com baldes de água do mar, tiradas das canoas previamente inundadas. Costumava-se reservar cachos de bananas que eram saboreadas com o “barreado”, prato típico do litoral, uma vez que seu preparo permitiam às mulheres acompanharem seus parceiros nas festas do “entrudo”, nos desfiles do “corso” e nas brincadeiras carnavalescas.

As brincadeiras com água foram substituídas por confetes e serpentinas no início do século 20, permanecendo as pinturas, mas os trajes foram cada vez mais se colorindo, surgindo às camisas listradas e os chitões. Foi a partir daí que começaram os bailes nas sociedades como o Clube Antoninense, Não Tem Tempo, Brinca Quem Pode, Matarazzo, Primavera, Operários, que deram origem aos cordões carnavalescos compostos por pessoas com as mesmas fantasias que tocavam instrumentos como o violão, o cavaquinho, o reco-reco e o pandeiro, animando os blocos dos Malandros, Brinca pra não Chorar, Marinheiros da Água Doce, Chapéu de Palha, Marinheiros do Amor e muitos outros.

Em 1920 Bedenaque Luiz Pedro fundou o primeiro Bloco do Boi que se chamava Boi Barroso. Em 1922 o bloco mudou para o nome que tem até hoje e que é um dos destaques da brincadeira carnavalesca no sábado e na terça-feira: Boi do Norte.

O Bloco Apinagés começou em 1923, fundado pelo marinheiro Benedito Jesus Pereira, o Pará, inicialmente, com o nome de Guaraci. Passou por várias dificuldades, mas também por grandes momentos que ficaram registrados nos anais da imprensa. Em 1962 apresentou-se na TV Paraná canal 6, TV Paranaense Canal 12 e no Teatro Guaira. Mas no dia 16 de novembro de 1975 uma grande agitação na Rua Francisco Machado chama a atenção da população antoninense. É que ali, no número 44 da rua, onde residia o cacique o bloco, estava nada mais nada menos que a Rede Globo de Televisão, que foi gravar os Apinagés para o programa Fantástico.

Desde o ano 2000, não há mais concurso oficial de escolas de samba na cidade, não tendo o desfile local um caráter de competição atualmente.

Os bailes se carnaval em Antonina entre os anos de 1988 e 2004 eram em cima de um trio elétrico, que ficava parado do lado da Praça Coronel Macedo perto do Jekiti, até as 6 horas da manhã e depois seguia para Ponta da Pita. Em 2005 foi proibido o trio elétrico no Carnaval, proibição esta que durou até 2012, retornando no mandato do prefeito João Domero, a partir de 2013.

Bandas E Trio Elétrico Que Já Passaram Pelo Carnaval De Antonina[editar | editar código-fonte]

  • Madeira (2000-2004)
  • Jeito A Mais (2005,2006,2008 e 2009)
  • Banda Samaryna (2007 e 2009)
  • Banda Coração Brasil (2010, 2011, 2013 e 2014)
  • Banda Estilo 2012
  • Trio Elétrico ARRASTÃO
  • Trio Elétrico CANIBAL (2000-2004)
  • Trio Elétrico AVASSALADOR 2013, 2014.

Escolas de samba Campeãs[editar | editar código-fonte]

Ano Campeã
1978 Filhos da Capela[1]
1979 Batel[1]
1980 Filhos da Capela[1]
1981 Batel[1]
1982 Filhos da Capela[1]
1983 Filhos da Capela[1]
1984 Filhos da Capela[1]
1985 Batel[1]
1986 Batel[1]
1987 Filhos da Capela[1]
1988 Filhos da Capela[1]
Ano Campeã
1989 Filhos da Capela[1]
1990 Batel[1]
1991 Águia Dourada[1]
1992 Filhos da Capela[1]
1993 Batel[1]
1994 Batel[1]
1995 Batel[1]
1996 Filhos da Capela[1]
1997 Leões de Ouro[1]
1998 Leões de Ouro[1]
1999 Leões de Ouro[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v Brasil Carnaval. «Galeria de Campeãs» [ligação inativa] 
Ícone de esboço Este artigo sobre carnaval, integrado ao Projeto Carnaval é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.