Carnaval de Antonina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Carnaval de Antonina é um dos mais conhecidos do Paraná atualmente. Oficialmente, reconhece-se o bloco Boi do Norte, fundado em 1920, como o primeiro da cidade, mas a tradição oral diz que o Carnaval local seria mais antigo que isso. Sua tônica são os desfiles de escolas de samba, onde participam atualmente 6 agremiações. Além disso, há também inúmeros bailes públicos, concursos de fantasias e blocos carnavalescos.

História[editar | editar código-fonte]

O carnaval de Antonina é uma das mais tradicionais festas momescas do Brasil. Do final do século 19 até a segunda década do século 20 caracterizou-se pelas “brincadeiras de rua”: as pessoas pintavam-se e vestiam-se de cores alegres e saiam às ruas jogando água perfumada uns nos outros. Banhos com baldes de água do mar, tiradas das canoas previamente inundadas. Costumava-se reservar cachos de bananas que eram saboreadas com o “barreado”, prato típico do litoral, uma vez que seu preparo permitiam às mulheres acompanharem seus parceiros nas festas do “entrudo”, nos desfiles do “corso” e nas brincadeiras carnavalescas.

As brincadeiras com água foram substituídas por confetes e serpentinas no início do século 20, permanecendo as pinturas, mas os trajes foram cada vez mais se colorindo, surgindo às camisas listradas e os chitões. Foi a partir daí que começaram os bailes nas sociedades como o Clube Antoninense, Não Tem Tempo, Brinca Quem Pode, Matarazzo, Primavera, Operários, que deram origem aos cordões carnavalescos compostos por pessoas com as mesmas fantasias que tocavam instrumentos como o violão, o cavaquinho, o reco-reco e o pandeiro, animando os blocos dos Malandros, Brinca pra não Chorar, Marinheiros da Água Doce, Chapéu de Palha, Marinheiros do Amor e muitos outros.

Em 1920 Bedenaque Luiz Pedro fundou o primeiro Bloco do Boi que se chamava Boi Barroso. Em 1922 o bloco mudou para o nome que tem até hoje e que é um dos destaques da brincadeira carnavalesca no sábado e na terça-feira: Boi do Norte.

O Bloco Apinagés começou em 1923, fundado pelo marinheiro Benedito Jesus Pereira, o Pará, inicialmente, com o nome de Guaraci. Passou por várias dificuldades, mas também por grandes momentos que ficaram registrados nos anais da imprensa. Em 1962 apresentou-se na TV Paraná canal 6, TV Paranaense Canal 12 e no Teatro Guaira. Mas no dia 16 de novembro de 1975 uma grande agitação na Rua Francisco Machado chama a atenção da população antoninense. É que ali, no número 44 da rua, onde residia o cacique o bloco, estava nada mais nada menos que a Rede Globo de Televisão, que foi gravar os Apinagés para o programa Fantástico.

Desde o ano 2000, não há mais concurso oficial de escolas de samba na cidade, não tendo o desfile local um caráter de competição atualmente.

Os bailes se carnaval em Antonina entre os anos de 1988 e 2004 eram em cima de um trio elétrico, que ficava parado do lado da Praça Coronel Macedo perto do Jekiti, até as 6 horas da manhã e depois seguia para Ponta da Pita. Em 2005 foi proibido o trio elétrico no Carnaval, proibição esta que durou até 2012, retornando no mandato do prefeito João Domero, a partir de 2013.

Bandas e Trios Elétricos que já estiveram no Carnaval de Antonina[editar | editar código-fonte]

  • Madeira (2000-2004)
  • Jeito a Mais (2005,2006,2008 e 2009)
  • Banda Samaryna (2007 e 2009)
  • Banda Coração Brasil (2010, 2011, 2013 e 2014)
  • Banda Estilo (2012)
  • Banda Detroit (2017)
  • Banda 50 Graus (2017, 2018, 2019, 2020)
  • Trio Elétrico ARRASTÃO
  • Trio Elétrico CANIBAL (2000-2004)
  • Trio Elétrico AVASSALADOR 2013, 2014.

Escolas de samba Campeãs[editar | editar código-fonte]

Ano Campeã Enredo
1975 Filhos da Capela -
1976 Escola de Samba do Batel -
1977 Escola de Samba do Batel Mestre Caetano
1978 Escola de Samba do Batel Homens e Fatos
1979 Escola de Samba do Batel O Trem
1980 Filhos da Capela A Carioca
1981 Escola de Samba do Batel Antigo Theatro Municipal
1982 Filhos da Capela A Lenda do Bosque Encantado
1983 Filhos da Capela Carnaval, Sonho, Nobreza e Realidade
1984 Filhos da Capela O Astro Rei
1985 Escola de Samba do Batel Batel! Alegria do Povo
1986 Escola de Samba do Batel Salve a Natureza
1987 Filhos da Capela Nascimento dos Orixás
1988 Filhos da Capela Mulher, Musa Inspiradora dos Poetas
1989 Filhos da Capela Viajando nas asas da imaginação
1990 Escola de Samba do Batel Circo, Palco das Ilusões
1991 Águia Dourada
1992 Escola de Samba do Batel Batel Pintando o Sete
1993 Escola de Samba do Batel Thiago Peixoto
1994 Escola de Samba do Batel Lendas e Superstições
1995 Escola de Samba do Batel Meu Brasil Brasileiro
1996 Filhos da Capela Festival, Nossa Cara, Sua Arte
1997 Leões de Ouro Carnaval, alegria geral
1998 Leões de Ouro As Sete Maravilhas do Mundo
1999 Leões de Ouro Paixão Rubro Negra
2018 Filhos da Capela 70 anos de esplendor e glória, Capela e Antonina, uma linda história de amor
2019 Escola de Samba do Batel A Máquina do Sonho

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre carnaval, integrado ao Projeto Carnaval é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.