Carnaval de Manaus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Carnaval de Manaus é realizado todos os anos, entre os principais eventos estão o tradicional desfile de fantasias (que acontece no Teatro Amazonas, próximo ao Centro Histórico de Manaus), e o desfile de escolas de samba, além do Carnaboi [1] .

História[editar | editar código-fonte]

Carro abre-alas do GRC Primos da Ilha durante o desfile do Grupo Especial em 2016

Há um grande desfile de escolas de samba em uma passarela construída especialmente para o evento, o Centro de Convenções de Manaus, conhecido popularmente como Sambódromo. O primeiro desfile oficial de escolas de samba em Manaus ocorreu em 1947, sendo que a Escola de Samba Mixta da Praça 14 de Janeiro foi a campeã. Até 1979 os desfiles eram realizados na Avenida Eduardo Ribeiro. De 1980 a 1990 passou à Avenida Djalma Batista, na Zona Centro Sul, e a partir de 1992 no Sambódromo, que possui a maior capacidade de público do Brasil (100 mil pessoas), localizado no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste. Nem o Anhembi em São Paulo (30 mil pessoas), nem a Sapucaí no Rio de Janeiro (72.5 mil) chegam próximos em números gerais. Segundo o livro "É Tempo de Sambar", de Daniel Sales. a pista do sambódromo possui 400 metros de extensão e 12 metros de largura, sendo que os desfiles das escolas de samba são quinta (Grupo de Acesso C), sexta (Grupos de Acesso A e B) e sábado (Grupo Especial). Além disso, há o Carnaboi, evento que reúne vários levantadores de toadas e bois-bumbá de Manaus e do Festival Folclórico de Parintins.

Ligas de Carnaval[editar | editar código-fonte]

AGEESMA[editar | editar código-fonte]

A Associação do Grupo Especial das Escolas de Samba de Manaus (AGEESMA) foi uma associação que surgiu para organizar os desfiles de escolas de samba em Manaus. Foi fundada em 1991 por representantes de 4 grandes escolas da cidade, Getúlio Lobo (Sem Compromisso), Dauro Braga (Vitória Régia), Bosco Saraiva (Reino Unido) e Omar Aziz (Aparecida). Foi extinta em 2014.

CEESMA[editar | editar código-fonte]

A Comissão Executiva das Escolas de Samba de Manaus foi criada em 2014 com o fim da AGEESMA e após o desfile daquele ano, que foi marcado por muita chuva e problemas de subvenção e patrocínio por parte dos Governos Estadual e Municipal. Diante da situação, as escolas de samba do Grupo Especial decidiram, em comum acordo, declararem-se todas campeãs de 2014, e organizarem uma nova entidade, mais forte e unida em prol do carnaval manauara.[2]

UESAM[editar | editar código-fonte]

A União das Escolas de Samba do Amazonas é a associação responsável por gerir a organização dos desfiles das escolas de samba dos grupos de acesso A, B e C. Surgiu em 2015 logo após a criação da CEESMA.[3] Antes desta, os desfiles eram organizados pela LIESMA (Liga das Escolas de Samba de Manaus) e pelo Instituto Cultural Cidade de Manaus.

Transmissão[editar | editar código-fonte]

  • Primeira: Rede Manchete

A primeira emissora foi a Rede Manchete, que transmitiu entre 1994 a 1999. Em fevereiro de 1994, sem verba para transmitir os carnavais do Rio de Janeiro e São Paulo, a Rede Manchete opta transmitir o Carnaval de Manaus. A transmissão foi realizada com o patrocínio da Zona Franca de Manaus (tanto que na parte inferior da tela apericiam desenhos que simbolizavam os produtos vendidos na cidade), com a responsabilidade da Rede Boas Novas.

  • Segunda: TV A Crítica

A segunda emissora foi a TV A Crítica, que transmitiu entre 2000 a 2006, época em que a mesma era afiliada ao SBT (Hoje é afiliada da Rede Record).

  • Terceira: TV Rio Negro

A terceira emissora foi a extinta TV Rio Negro que transmitiu entre 2007 a 2009, período em que a emissora era a afiliada da Rede Bandeirantes (hoje Band Amazonas).

  • Quarta: TV Cultura do Amazonas

A quarta emissora foi a TV Cultura do Amazonas que transmitiu somente em 2010 em conjunto com a TV Em Tempo. A emissora é atualmente afiliada da TV Brasil.

  • Quinta: TV Em Tempo

A quinta emissora foi a TV Em Tempo que transmitiu entre 2010 a 2012, sendo afiliada ao SBT.

Em 2010 fez sua primeira transmissão em conjunto com a TV Cultura do Amazonas.

Em 4 de fevereiro de 2011 a emissora gravou a vinheta do Carnaval de 2011 de Manaus com a atriz Viviane Araújo, foi ao ar a partir do dia 9 de fevereiro de 2011.

Em 5 de março de 2011, pela primeira vez na historia das transmissões do Carnaval de Manaus, a emissora transmite o desfile totalmente em HDTV.

Problemas na transmissão do Carnaval de Manaus em 2012: Em 18 de fevereiro de 2012, por falhas técnicas em seu sistema de transmissão entre o sambódromo e seu parque gerador, deixou de transmitir parte do desfile das escola de samba do Carnaval de Manaus, iniciando as transmissões apenas depois de 7 horas do inicio do desfile , o que gerou revolta por parte dos telespectadores através das redes sociais na internet , já que os telespectadores de todo o estado foram obrigados a assistir a transmissão do Carnaval baiano, feito pela emissora de Silvio Santos. A emissora amazonense alegou que apesar da falha, transmitiu 5 horas do desfile depois do sanado do problema. O Governo do Amazonas exigiu a devolução integral de todo o valor de repasse dos direitos de transmissão à emissora, que somam R$ 1, 134 milhão. A emissora, em nota oficial, lamenta o ocorrido e afirma que "Não irá se esquivar de suas reais responsabilidades".[4] Além de se desculpar com o publico amazonense e as escolas de samba e suas respectivas comunidades.

  • Sexta: TV Tiradentes

A sexta emissora é a TV Tiradentes que transmitiu o desfile de 2013 a 2015. A emissora é atualmente afiliada da TV Esporte Interativo e CBN Brasil.

A emissora adquiriu com absoluta exclusividade o direito de transmissão do Carnaval de Manaus, que até então pertencia a TV Em Tempo.[5] [6] .

No desfile de 2014, a emissora chegou transmitir flashes do desfile da GRES Império do Hawai, então escola de samba do grupo de acesso B, na noite da sexta-feira gorda de Carnaval.

  • Sétima: TV A Crítica

Em 2015, as escolas de samba decidiram realizar um novo contrato de transmissão dos desfiles, desta vez novamente com a TV Acrítica, atual afiliada da Rede Record, que já havia transmitido o evento entre 2000 e 2006.[7]

Escolas de Samba de Manaus[editar | editar código-fonte]

Grupo Especial[editar | editar código-fonte]

  • Reino Unido da Liberdade: A escola de samba do Morro da Liberdade, na Zona Sul, é uma das maiores da cidade, desfilando sempre com muitos componentes e fantasias grandiosas. Em 2016 levou o tema da comunicação pra avenida, e trouxe também um gigantesco carro robô que mostrava o avanço da tecnologia. Ao lado da Aparecida, são as atuais campeãs de Manaus. Atualmente possui 10 títulos. A agremiação verde e branca também tem uma torcida fanática, a Gigantes do Morro.
  • A Grande Família: Conhecida como "a Gigante da Zona Leste", com 6 títulos conquistados, a escola vermelha e branca do bairro São José Operário possui a maior torcida carnavalesca de Manaus. Esse ano levou para a passarela do samba a reedição de um tema já apresentado no ano de 2006: o trânsito e seus perigos, fazendo um desfile que contagiou todo o Sambódromo, mesmo debaixo de chuva.
  • Unidos do Alvorada: A agremiação azul e branca do bairro do Alvorada, Zona Centro-Oeste, levou este ano para a avenida uma homenagem aos grandes nomes da História que possuem o nome Arthur, passando pela lenda inglesa do rei Arthur e seus cavaleiros até chegar à carreira política de Artur Virgílio Filho, o patrono da Universidade Federal do Amazonas. É a escola mais próxima geograficamente do Sambódromo. Possui um único título, conquistado em 2014.
  • Vitória Régia: A mais antiga escola de Manaus ainda em atividade. Localiza-se no bairro Praça 14 de Janeiro, Zona Sul, um dos mais antigos da cidade. Conhecida como o "Berço do Samba", sempre agita o sambódromo com seus sambas antológicos e de concentração. Em 2016 a escola verde e rosa abordou a Terra do Nunca, descrita no conto infantil Peter Pan, em cores e brilho. Possui 11 títulos no carnaval.
  • Andanças de Ciganos: Ao lado da verde e rosa, é a mais antiga de Manaus. Situada no bairro da Cachoeirinha, Zona Sul, possui uma quadra bem localizada para seus ensaios. Neste ano defendeu o enredo sobre as cores, já raiando o dia, levou uma enorme alegoria de Deus e o homem, que simbolizava a racionalidade para criar. A escola possui as cores vermelho, azul e branco, sendo detentora de 2 títulos (1984 e 2014).
  • Sem Compromisso: A "Escola Cigana" possui sua quadra localizada no bairro Nova Cidade, Zona Norte, mas também tem torcedores nos bairros do Centro, Zona Sul, e Vila da Prata, na Zona Oeste. Defende as cores amarelo e preto. Em 2016, apresentou um enredo sobre a história do pão e seus significados. Também chamada de "Universidade do Samba", o tucano possui 2 títulos conquistados (1986 e 2014).
  • Vila da Barra: A "Gigante da Zona Oeste" se localiza no bairro da Compensa. Sagrou-se campeã do Grupo de Acesso A em 2016 com uma homenagem à empresária Ziza Martins. Nas cores azul e amarelo, a onça irá disputar o Grupo Especial em 2017 pela primeira vez.

Grupo de Acesso A[editar | editar código-fonte]

  • Primos da Ilha: Defendendo as cores azul (claro e escuro) e branco, a escola vêm do bairro São Francisco, na Zona Sul. Em 2016, desfilou no Grupo Especial com uma homenagem à mulher. Apesar de ter apresentado um bom desfile, acabou ficando em último lugar na classificação geral, retornando assim ao Grupo de Acesso A em 2017.
  • Dragões do Império: Nas cores vermelho e preto, a escola do tradicional bairro de São Jorge, Zona Oeste, mostrou este ano um desfile impactante que homenageou o sambista e compositor carioca Sidney Myngal.
  • Balaku Blaku: Situada no bairro do Centro, Zona Sul, a escola apresentou um enredo sobre a fé. A águia vermelha e branca possui 2 títulos no Grupo Especial (2001 e 2014).
  • Acadêmicos da Cidade Alta: Apresentou em 2016 um tema sobre a vida dos malandros. A arara vermelha e amarela é do bairro do Educandos, um dos mais antigos da cidade, localizado na Zona Sul.
  • Beija-Flor do Norte: A azul e branca (homônima da famosa escola de samba fluminense) homenageou a co-irmã Reino Unido da Liberdade, entretanto apresentou um desfile considerado fraco. Fundada no bairro do Japiim, Zona Sul, possui seu reduto atualmente no conjunto Amazonino Mendes, bairro da Cidade Nova, na Zona Norte.
  • Império da Kamélia: A agremiação vermelha, azul e branca abordou um enredo sobre Oxum e Oxalá. No entanto, apresentou problemas de evolução e harmonia durante o desfile. Sua sede é o Olímpico Clube, situado no bairro São Geraldo, Zona Centro-Sul.
  • Unidos da Cidade Nova: Atual campeã do Grupo de Acesso B, com um belíssimo desfile homenageando a co-irmã Mocidade Independente de Aparecida, a escola pertence ao bairro da Cidade Nova, na Zona Norte, e defende as cores vermelho, azul e branco.

Grupo de Acesso B[editar | editar código-fonte]

  • Império do Hawaí: Pertencente ao tradicional bairro da Praça 14, na Zona Sul, a vermelha e branca retorna ao Grupo de Acesso B em 2017, após ter ficado em último lugar no Grupo de Acesso A este ano com um enredo sobre personalidades famosas que possuem a alcunha de "rei".
  • Unidos do Coophasa: Uma das agremiações mais antigas da cidade, a azul e branca do bairro Nova Esperança, na Zona Oeste, apresentou um desfile alegre e colorido sobre os jogos de azar este ano.
  • Meninos Levados da Praça 14 de Janeiro: nas cores azul e amarela, a escola de samba homenageou Zé de Cima, um famoso morador da Praça 14. Porém o desfile mostrou diversos problemas técnicos durante a apresentação.
  • Mocidade Independente da Raiz: A coruja vermelha e branca do bairro da Raiz, Zona Sul, homenageou a co-irmã Andanças de Ciganos em desfile considerado fraco e com poucas inovações.
  • Mocidade Independente do Coroado: Sagrou-se campeã do Grupo de Acesso C abordando a vida e a carreira de José Melo, o atual governador do Amazonas. A verde e amarela é do bairro do Coroado, na Zona Leste.

Grupo de Acesso C[editar | editar código-fonte]

  • Legião de Bambas: O "Cachorrão da Zona Norte" ficou em último lugar em sua estreia no Grupo de Acesso B, após um desfile irregular sobre o bairro de Santa Etelvina, retornando ao Grupo de Acesso C. A escola vermelha e amarela possui uma comunidade formada por moradores dos bairros Santa Etelvina e Colônia Terra Nova, ambos situados na Zona Norte da cidade.
  • Tradição Leste: Após um hiato de seis anos, a escola de samba do bairro do Coroado, na Zona Leste, voltou a desfilar no Sambódromo, conquistando o vice campeonato com um enredo sobre os Jogos Olímpicos.
  • Gaviões do Parque: Apresentou um enredo crítico e debochado sobre a situação político-econômica do Brasil em 2016. A vermelha e branca é do bairro Parque Dez de Novembro, na Zona Centro Sul.
  • Leões do Barão Açú: Também do bairro Parque Dez de Novembro (mais precisamente do conjunto Parque das Laranjeiras), a laranja e prata desenvolveu um enredo alegre e irreverente sobre a participação da cidade de Manaus nos Jogos Olímpicos de 2016.
  • Império do Mauá: Oriunda do bairro Mauazinho, Zona Leste, a escola mostrou um enredo sobre a chegada dos imigrantes nordestinos ao Amazonas, mostrando seus costumes e tradições.
  • Ipixuna: Tradicional escola de Manaus, o "Tigre do PROSAMIM" fez um desfile sobre a UBES, marcado por falhas em evolução e fantasias. A verde e branca é do bairro do Centro, na Zona Sul, mas por ter sido uma "escola cigana" (assim como a co-irmã Sem Compromisso), possui torcedores do bairro Santa Etelvina, na Zona Norte.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]