Carpa-comum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCarpa-comum
Cyprinus carpio.jpeg
Common carp.jpg
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Actinopterygii
Ordem: Cypriniformes
Família: Cyprinidae
Subfamília: Cyprininae
Gênero: Cyprinus
Espécie: C. carpio
Nome binomial
Cyprinus carpio
Lineu, 1758
Distribuição geográfica
Distribuição nativa da carpa-comum em verde e introduzida em laranja
Distribuição nativa da carpa-comum em verde e introduzida em laranja

Carpa-comum[2] (nome científico: Cyprinus carpio) é um peixe cipriniforme da família dos ciprinídeos (Cyprinidae), de coloração cinza prateado. Está difundida por águas eutróficas em lagos e grandes rios na Europa e Ásia.[3][4] As populações selvagens nativas são consideradas vulneráveis à extinção pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN),[1] mas a espécie também foi domesticada e introduzida (veja aquacultura) em ambientes em todo o mundo, e muitas vezes é considerada espécie invasora destrutiva.[3] Está na trigésima primeira posição da lista 100 das espécies exóticas invasoras mais daninhas do mundo[5] e está na Lista de espécies invasoras no Brasil.[6]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Carpa" originou-se do alemão Karpfen, através do latim tardio carpa.[2]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A carpa-comum possui uma subespécie, C. c. carpio, que é nativa de grande parte da Europa (principalmente os rios Danúbio e Volga).[3][7] Uma segunda subespécie, C. c. haematopterus (carpa-de-amur) nativa do leste da Ásia, foi reconhecida no passado,[7] mas autoridades recentes a tratam como espécie separada sob o nome de C. rubrofuscus.[8] A carpa-comum e vários parentes asiáticos em suas formas puras podem ser separadas por merística e também diferem na genética, mas são capazes de cruzar.[1][9] A carpa-comum também pode cruzar com o peixinho-dourado (Carassius auratus); o resultado é a chamada carpa-de-kollar.[10][11]

História[editar | editar código-fonte]

A carpa-comum é nativa da Europa e da Ásia e foi introduzida em todas as partes do mundo, exceto nos polos. É a terceira espécie (peixe) mais frequentemente introduzida em todo o mundo,[12] e sua história como peixe de criação remonta à época romana.[13] A carpa é usada como alimento em muitas áreas, mas também é considerada praga em várias regiões devido à sua capacidade de competir com os estoques de peixes nativos.[14] A carpa-comum original foi encontrada no delta interior do rio Danúbio há cerca de 2000 anos e era em forma de torpedo e de cor amarelo-dourada. Tinha dois pares de barbilhões e um padrão de escamas em forma de malha. Embora este peixe tenha sido inicialmente mantida em cativeiro explorado, mais tarde foi mantido em grandes lagos especialmente construídos pelos romanos no centro-sul da Europa (verificado pela descoberta de restos de carpas-comuns em assentamentos escavados na área do delta do Danúbio). À medida que a aquacultura se tornou ramo lucrativo da agricultura, esforços foram feitos para cultivar os animais, e os sistemas de cultivo logo incluíram lagoas de desova e cultivo.[15]

As subespécies europeias e asiáticas foram domesticadas.[7] Na Europa, a domesticação da carpa como alimento dos peixes foi difundida pelos monges entre os séculos XIII e XVI. As formas selvagens de carpa já haviam chegado ao delta do Reno no século XII, provavelmente com alguma ajuda humana.[16] As variantes que surgiram com a domesticação incluem a carpa-espelho, com grandes escamas espelhadas (espelho linear – sem escamas, exceto por uma fileira de escamas grandes que correm ao longo da linha lateral; originária da Alemanha), a carpa-de-couro (praticamente sem escamas, exceto perto da barbatana dorsal) e a carpa-totalmente-escamada. A carpa koi (em japonês: 錦鯉; romaniz.: nishikigoi; em chinês: 鯉魚; romaniz.: lĭ yú (pinyin)) é uma variedade ornamental domesticada que se originou na região de Niigata do Japão na década de 1820,[17] mas suas espécies-mães são provavelmente a carpa do leste asiático, possivelmente C. rubrofuscus.[1][8]

Fisiologia[editar | editar código-fonte]

Carpa-comum em desenho de Alexander Francis Lydon

A carpa tem construção robusta, com brilho dourado escuro mais proeminente em sua cabeça. Seu corpo é adornado com grandes escamas conspícuas que são muito brilhantes. Tem grandes barbatanas peitorais e uma barbatana dorsal afilada que desce os últimos dois terços do corpo, ficando progressivamente mais alta à medida que se aproxima da cabeça da carpa. Suas barbatanas caudal e anal podem ser de bronze escuro ou lavadas com tom alaranjado de borracha. A boca da carpa é virada para baixo, com dois pares de barbilhões, sendo os do fundo maiores. A carpa-comum selvagem é tipicamente mais magra do que as formas domesticadas, com comprimento do corpo cerca de quatro vezes a altura do corpo, carne vermelha e boca saliente à frente. A carpa-comum pode crescer até tamanhos muito grandes se receber espaço e nutrientes adequados. Sua taxa média de crescimento em peso é cerca de metade da taxa de crescimento da carpa domesticada[18][19] Não atinge comprimento e peso da carpa domesticada, que (variação, 3,2-4,8 vezes) pode crescer até o máximo comprimento de 120 centímetros (47 polegadas), um peso máximo de mais de 40 quilos (88 libras), e uma idade mais antiga registrada de 38 anos.[3]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

O esqueleto duma carpa
Raio-x duma carpa

Embora tolerante à maioria das condições, prefere grandes corpos de água lenta ou parada e sedimentos vegetais macios, incluindo água salobra ou com pouca oferta de oxigênio.[20] Como cardumes de peixes, prefere estar em grupos de cinco ou mais. Vive naturalmente em climas temperados em água doce ou ligeiramente salobra com pH de 6,5 a 9,0 e salinidade de até cerca de 0,5%,[21] e temperaturas de 3 a 35 °C (37 a 95 °F).[3] A temperatura ideal é de 23 a 30 °C (73–86 °F), com a desova começando em 17 a 18 °C (63–64 °F); sobrevive facilmente ao inverno numa lagoa congelada, desde que alguma água livre permaneça abaixo do gelo.[21] As carpas são capazes de tolerar água com níveis muito baixos de oxigênio, engolindo ar na superfície.[4][22]

A carpa-comum é onívora e se alimenta durante todo o dia com a alimentação mais intensiva à noite e ao nascer do sol.[23] Em seu estado larval, alimenta-se exclusivamente de zooplâncton.[24] Uma fêmea adulta típica pode colocar 300 mil ovos numa única desova,[25] com um único espécime sendo capaz de desovar mais de um milhão de ovos num ano.[4] Desova em áreas marginais, rasas e infestadas de ervas daninhas. A carpa-comum é uma espécie polígama e plástica politípica com tendência para produzir variedades em resposta à reprodução seletiva e influências ambientais. Em condições tropicais, se reproduz durante todo o ano, mas em águas temperadas sua desova é sazonal. Os adultos geralmente fazem migrações de desova consideráveis ​​para remansos adequados e prados inundados. O sucesso reprodutivo é restrito aos anos em que o nível da água começa a subir em maio e quando as altas temperaturas e alagamentos da vegetação terrestre perduram por um longo período durante os meses de maio e junho.[3] Os ovos são pegajosos e amarelados e ficam presos a plantas aquáticas ou outros objetos submersos e eclodem em quatro dias.[26] As carpas que sobrevivem até os juvenis são predadas por outros peixes, como Esox lucius e o achigã,[27] e vários pássaros (incluindo corvos-marinhos-de-faces-brancas (Phalacrocorax carbo), garças-reais-europeias (Ardea cinerea), mergansos-grandes (Mergus merganser) e águias-pesqueiras (Pandion haliaetus)).[28]

Introdução em outros habitats[editar | editar código-fonte]

Espécimes do rio Vltava, na Chéquia
A carpa koi é uma variedade de carpa domesticada e é mantida em lagos de jardim. Embora a espécie-mãe tenha sido considerada a carpa-comum, autoridades recentes acreditam que se origina de uma carpa do leste asiático, possivelmente C. rubrofuscus.[1][8]

A carpa-comum foi introduzida na maioria dos continentes e em cerca de 59 países. Na ausência de predadores naturais ou pesca comercial, pode alterar amplamente seus ambientes devido à sua taxa reprodutiva e seu hábito alimentar de escavar os sedimentos do fundo para se alimentar. Na alimentação, pode destruir, desenraizar, perturbar e comer a vegetação submersa, causando sérios danos aos patos nativos, como zarros-grandes (Aythya valisineria) e populações de peixes.[29][30] Foi introduzida na Austrália há mais de 150 anos, mas não era vista como praga reconhecida até que a cepa 'Boolarra' apareceu na década de 1960.[31] Depois de se espalharem massivamente pela bacia Murray-Darling, auxiliados por grandes inundações em 1974,[32] se estabeleceram em todos os territórios australianos, exceto no Território do Norte.[20] Em Vitória, foi declarada espécie de peixe nociva, e a quantidade que um pescador pode pescar é ilimitada.[33] No sul da Austrália, é uma ofensa esta espécie ser solta na natureza.[34] Uma empresa australiana produz fertilizantes vegetais de carpa.[35][36]

Os esforços para erradicar uma pequena colônia do Lago Crescente na Tasmânia, sem o uso de produtos químicos, foram bem-sucedidos, mas o empreendimento de longo prazo, caro e intensivo é um exemplo da possibilidade e da dificuldade de remover com segurança a espécie uma vez estabelecida.[37] Uma proposta, considerada ambientalmente questionável, é controlar o número de carpas expondo-as deliberadamente ao vírus do herpes koi específico da carpa com sua alta taxa de mortalidade.[20] Em 2016, o governo australiano anunciou planos para liberar esse vírus na bacia Murray-Darling em uma tentativa de reduzir o número de carpas comuns invasoras no sistema de água.[38][39] No entanto, em 2020, foi considerado improvável que esse plano funcionasse.[40]

A carpa-comum foi trazida aos Estados Unidos em 1831.[41] No final do século XIX, foram amplamente distribuídos em todo o país pelo governo como alimento-peixe, mas agora raramente são consumidos nos Estados Unidos, onde geralmente são considerados pragas. Como na Austrália, sua introdução demonstrou ter consequências ambientais negativas.[42] Em Utá, espera-se que a população de carpas-comuns no Lago Utá seja reduzida em 75% usando redes para pegar milhões delas, dando-as a pessoas que as comerão ou processando-as em fertilizante. Isso, por sua vez, dará à população em declínio de Chasmistes liorus uma chance de se recuperar.[43]

Acredita-se que a carpa-comum tenha sido introduzida na província canadense da Colúmbia Britânica a partir do estado de Washington. Foi observada pela primeira vez no Vale Okanagan em 1912, assim como seu rápido crescimento populacional. As carpas estão atualmente distribuídas na baixa Colúmbia (lagos Arrow), Kootenay Inferior, Lago Cristina e em todo o sistema Okanagan.[44] Em 2020, os cientistas demonstraram que uma pequena proporção de ovos de carpa comum fertilizados ingeridos por aves aquáticas sobrevivem ao passar pelo trato digestivo e eclodem após serem recuperados das fezes.[45][46]

Aquacultura da carpa-comum[editar | editar código-fonte]

Produção mundial de aquacultura de carpa-comum em toneladas de 1950 a 2013

Na Europa Ocidental, a carpa é cultivada mais comumente como peixe esportivo, embora haja um pequeno mercado como peixe alimentar.[47][48] Na China, Coreia e Japão, o cultivo de carpas ocorreu já no Período Yayoi (c. 300 a.C.–300 d.C.).[49] A carpa-comum contribuiu com cerca de 4,67 milhões de toneladas em escala global durante 2015-2016, representando aproximadamente 7,4% da produção total de pesca continental. A tonelagem anual de carpa comum produzida apenas na China, para não mencionar os outros ciprinídeos, supera o peso de todos os outros peixes, como a truta e o salmão, produzidos pela aquicultura em todo o mundo. Cerca de três milhões de toneladas são produzidas anualmente, representando 14% de todos os peixes de água doce cultivados em 2002. A China é de longe o maior produtor comercial, respondendo por cerca de 70% da produção de carpas.[21]

Na Europa, contribuiu com 1,8% (0,17 Mt) da produção total da pesca interior (9,42 Mt) durante 2015–2016. É uma das principais espécies cultivadas na aquicultura de água doce europeia com produção localizada nos países da Europa Central e Oriental. A Federação Russa (0,06 Mt) seguida pela Polônia (0,02 Mt), Chéquia (0,02 Mt), Hungria (0,01 Mt) e Ucrânia (0,01 Mt) representa cerca de 70% da produção de carpas na Europa durante 2016. De fato, os países da Europa central sem litoral dependem fortemente da aquicultura de carpa comum em tanques de peixes. A produtividade média dos sistemas de cultivo de carpas nos países da Europa Central varia entre 0,3 e 1 ton ha-1. A produção europeia de carpa comum, em termos de volume, atingiu o seu pico (0,18 Mt) durante 2009-2010 e tem vindo a diminuir desde então. A carpa é frequentemente criticada como um fator antropogênico da eutrofização de corpos de água doce do interior — especialmente na região da Europa Central e Oriental (CEER). Tem havido algum debate entre ambientalistas e criadores de carpas sobre a eutrofização de corpos d'água, manifestado em lobby em níveis ministeriais em torno das legislações de tanques de peixes.[50][51] A aquicultura europeia de carpas em viveiros de peixes provavelmente tem a menor carga de nutrientes para o meio ambiente do que a maioria dos setores de produção de alimentos na União Europeia.[52]

Referências

  1. a b c d e Freyhof, J.; Kottelat, M. (2008). «Cyprinus carpio». Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas. 2008: e.T6181A12559362. doi:10.2305/IUCN.UK.2008.RLTS.T6181A12559362.enAcessível livremente. Consultado em 19 de novembro de 2021 
  2. a b Ferreira, Alberto Buarque de Holanda (1986). Novo dicionário da língua portuguesa 2.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. p. 356 
  3. a b c d e f «Cyprinus carpio Linnaeus, 1758». FishBase. Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 3 de março de 2022 
  4. a b c «Common carp (Cyprinus carpio. Arkive. Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2010 
  5. Lowe, S.; Browne, M.; Boudjelas, S.; Poorter, M. (2004) [2000]. «100 of the World's Worst Invasive Alien Species: A selection from the Global Invasive Species Database» (PDF). Auclanda: O Grupo de Especialistas em Espécies Invasoras (ISSG), um grupo de especialistas da Comissão de Sobrevivência de Espécies (SSC) da União Mundial de Conservação (IUCN). Consultado em 13 de outubro de 2022. Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2017 
  6. «Cyprinus carpio Linnaeus, 1758». Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr). Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2022 
  7. a b c Zhou, Jian Feng; Wu, Qing Jiang; Ye, Yu Zhen; Tong, Jin Gou (2003). «Genetic divergence between Cyprinus carpio carpio and Cyprinus carpio haematopterus as assessed by mitochondrial DNA analysis, with emphasis on origin of European domestic carp». Genetica. 119: 93–97. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  8. a b c Craig, J. F. (2015). Freshwater Fisheries Ecology. Hoboquém, Nova Jérsei: Wiley-Blackwell. p. 297. ISBN 978-1-118-39442-7 
  9. Zhou, J.; Wu, Q.; Wang, Z.; Ye, Y. (2004). «Molecular Phylogenetics of Three Subspecies of Common carp Cyprinus Carpio, based on sequence analysis of cytochrome b and control region of mtDNA». Journal of Zoological Systematics and Evolutionary Research. 42 (4): 266–269 
  10. Taylor, J.; Mahon, R. (1977). «Hybridization of Cyprinus carpio and Carassius auratus, the first two exotic species in the lower Laurentian Great Lakes». Environmental Biology Of Fishes. 1 (2): 205-208 
  11. «Photo of goldfish x common carp hybrid». Reservatório Melton Hill da Agência de Recursos da Vida Selvagem do Tenessi. Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2007 
  12. Courtenay, Walter R.; Welcomme, R. L. (23 de maio de 1989). «International Introductions of Inland Aquatic Species». Copeia. 1989 (2). 520 páginas. ISSN 0045-8511. JSTOR 1445460. doi:10.2307/1445460 
  13. Balon, Eugene K. (1974), «Probable Origin of Domestication», Domestication of the carp Cyprinus caprio L., Museu Real de Ontário, pp. 16–18 
  14. «Common Carp». Aliens Among Us. Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 2 de junho de 2016 
  15. Balon, E. K. (2004). «About the oldest domesticates among fishes». Journal of Fish Biology. 65 (Supplement A): 1–27. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  16. «Aanvullend Archeologisch Onderzoek op terrein 9 te Houten-Loerik, gemeente Houten (U.)» (PDF). Consultado em 6 de agosto de 2014. Arquivado do original (PDF) em 4 de março de 2016 
  17. «Ray Jordan Koi History». Consultado em 20 de abril de 2009. Arquivado do original em 23 de julho de 2009 
  18. Wilt, R.S. de; Emmerik W.A.M. (31 de janeiro de 2008). «Kennisdocument Karper Sportvisserij Nederland». Consultado em 13 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 3 de janeiro de 2012 
  19. Füllner G.; Pfeifer M.; Langner N. «Karpfenteichwirtschaft» (PDF). Sächsische Landesanstalt für Landwirtschaft. Consultado em 13 de dezembro de 2011. Arquivado do original (PDF) em 15 de abril de 2012 
  20. a b c «Reducing Australia's carp invasion». CSIRO (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 19 de abril de 2020 
  21. a b c «Cultured Aquatic Species Information Programme – Cyprinus carpio». Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura. Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2022 
  22. «Carp». BadAngling (em inglês). Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2022 
  23. Žák, Jakub (1 de novembro de 2021). «Diel pattern in common carp landings from angling competitions corresponds to their assumed foraging activity». Fisheries Research (em inglês). 243. 106086 páginas. ISSN 0165-7836. doi:10.1016/j.fishres.2021.106086 
  24. «Larvae Information Summary for Cyprinus carpio». FishBase. Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 14 de outubro de 2022 
  25. «Carp Fishing for carp fishing information». Carp-fishing.org. Consultado em 3 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2017 
  26. «Egg Characteristics of Cyprinus carpio». FishBase. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  27. «Micropterus salmoides (Largemouth bass)». Consultado em 29 de dezembro de 2020. Arquivado do original em 27 de novembro de 2020 
  28. Cramp, S. (1980). Handbook of the Birds of Europe, the Middle East, and North Africa: The Birds of the Western Palearctic. 1 & 2. Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxônia 
  29. «Welcome to». Lakeconservation.com. 15 de janeiro de 2010. Consultado em 3 de dezembro de 2011. Arquivado do original em 27 de janeiro de 2013 
  30. Lackmann, Alec R.; Andrews, Allen H.; Butler, Malcolm G.; Bielak-Lackmann, Ewelina S.; Clark, Mark E. (23 de maio de 2019). «Bigmouth Buffalo Ictiobus cyprinellus sets freshwater teleost record as improved age analysis reveals centenarian longevity». Communications Biology (em inglês). 2 (1). 197 páginas. ISSN 2399-3642. PMC 6533251Acessível livremente. PMID 31149641. doi:10.1038/s42003-019-0452-0 
  31. Wednesday, 9 August 2006 Judy SkatssoonABC (9 de agosto de 2006). «Mother of all Aussie carp may be German». www.abc.net.au (em inglês). Consultado em 31 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2014 
  32. «Carp in Australian rivers | NSW Department of Primary Industries». www.dpi.nsw.gov.au. Consultado em 14 de setembro de 2022. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2021 
  33. «Victorian Recreational Fishing Guide 2006-2007» 
  34. «fishsa.com». Consultado em 11 de março de 2007. Arquivado do original em 3 de julho de 2013 
  35. «carp as fertilizer». Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2007 
  36. Schremmer, Jessica. «Carp finally find fans as fertiliser demand skyrockets for veggie gardens during pandemic». ABC Rural. Consultado em 17 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2022 
  37. Kelly, Margot (5 de fevereiro de 2020). «Carp success, after long battle against invasive fish, has trout faithful rejoicing». ABC News. Consultado em 6 de junho de 2020. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2022 
  38. Kilvert, Nick; Thomas, Kerrin (1 de maio de 2016). «Herpes virus to be used in fight against carp in Murray River, Christopher Pyne says». ABC News. Australian Broadcasting Corporation. Cópia arquivada em 5 de maio de 2016 
  39. «Carp herpesvirus». Managing Water Ecosystems - CSIRO. 26 de abril de 2018. Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 21 de julho de 2022 
  40. Mintram, Kate S.; Oosterhout, Cock; Lighten, Jackie (14 de outubro de 2020). Knutie, Sarah, ed. «Genetic variation in resistance and high fecundity impede viral biocontrol of invasive fish». Wiley. Journal of Applied Ecology. 58: 148–157. ISSN 0021-8901. doi:10.1111/1365-2664.13762Acessível livremente 
  41. «Asian carp». Cópia arquivada em 7 de outubro de 2010 
  42. «USGS Nonindigenous Aquatic Species Program». Consultado em 28 de agosto de 2017. Arquivado do original em 10 de maio de 2009 
  43. Maffly, Brian (1 de setembro de 2015). «Utah Lake carp census gauges whether evictions-by-the-ton are succeeding». The Salt Lake Tribune. Consultado em 22 de maio de 2017. Arquivado do original em 29 de abril de 2017 
  44. «Cyprinus carpio (Linnaeus)». Living Landscapes, do Museu Real da Colúmbia Britânica. Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2007 
  45. Yirka, Bob. «Experiment shows it is possible for fish to migrate via ingestion by birds». phys.org (em inglês). Consultado em 5 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de abril de 2022 
  46. Lovas-Kiss, Ádám; Vincze, Orsolya; Löki, Viktor; Pallér-Kapusi, Felícia; Halasi-Kovács, Béla; Kovács, Gyula; Green, Andy J.; Lukács, Balázs András (18 de junho de 2020). «Experimental evidence of dispersal of invasive cyprinid eggs inside migratory waterfowl». Proceedings of the National Academy of Sciences (em inglês). 117 (27): 15397–15399. ISSN 0027-8424. PMC 7355035Acessível livremente. PMID 32571940. doi:10.1073/pnas.2004805117Acessível livremente 
  47. «The History of carp in the UK». Consultado em 14 de outubro de 2022. Cópia arquivada em 23 de julho de 2011 
  48. «The Carp». FAT Angling Tour. Cópia arquivada em 11 de maio de 2008 
  49. Daily Yomiuri newspaper, September 19, 2008
  50. Roy, K.; Vrba, J.; Kaushik, S. J.; Mraz, J. (dezembro de 2020). «Feed‐based common carp farming and eutrophication: is there a reason for concern?». Rev Aquacult. doi:10.1111/raq.12407 
  51. FAO FishStat (2017) Fisheries and Aquaculture Software. FishStat Plus – Universal Software for Fishery Statistical Time Series. FAO Fisheries and Aquaculture Department [online], Rome. Updated 14 September 2017. [Cited 20 Apr 2018.] Available from URL: http://www.fao.org/fishery/
  52. Roy, Koushik; Vrba, Jaroslav; Kaushik, Sadasivam J.; Mraz, Jan (outubro de 2020). «Nutrient footprint and ecosystem services of carp production in European fishponds in contrast to EU crop and livestock sectors». Journal of Cleaner Production. 270. 122268 páginas. doi:10.1016/j.jclepro.2020.122268Acessível livremente