Carregador (armas de fogo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Carregador
Caroline-chargeur-plein-p1000499b.jpg

Carregador translúcido do
fuzil de assalto suíço SIG SG 550.

Tipo
dispositivo (d)
recipiente (en)

Carregador é um dispositivo de armazenamento e alimentação de munições dentro ou anexado a uma arma de repetição. Carregadores podem ser removíveis (destacável) ou integrado a uma arma de fogo. Funcionam deslocando os cartuchos armazenados em seu interior para uma posição em que podem ser levados para dentro da câmara pelo mecanismo de ação da arma de fogo. O carregador destacável é muitas vezes referido coloquialmente como um clip ou pente, embora isso seja tecnicamente impreciso.[1][2][3]

Os carregadores vêm em vários formatos e tamanhos, desde os tubulares em rifles de ação de alavanca que podem conter vários cartuchos, até carregadores destacáveis de caixa e tambor para rifles automáticos e metralhadoras que podem conter cem cartuchos ou mais.

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

Com o aumento do uso de armas de fogo semiautomáticas e automáticas, o carregador de caixa destacável tornou-se cada vez mais comum. Logo após a adoção da pistola M1911, o termo "carregador" foi estabelecido pelos especialistas militares e de armas de fogo, embora o termo "clip" seja frequentemente usado; no seu lugar (embora apenas para carregadores destacáveis, nunca fixados).[4][5][6] A diferença de definição entre um "clip" e um "carregador" é a presença de um mecanismo de alimentação em um compartimento, tipicamente um transportador carregado de mola, o qual não existe em um "clip". O uso do termo "clip" para se referir a carregadores destacáveis é um ponto de forte desacordo.[7][8][9][10]

Pistolas austro-húngaras carregadas através de clips:
Mannlicher m1896(03)loading.png Steyr Hahn M1912.JPG
Mannlicher M1903. Steyr M1912.

História[editar | editar código-fonte]

As primeiras armas de fogo foram carregadas com pólvora solta e uma bola de chumbo (de antecarga/retrocarga), e para disparar mais de um único tiro sem recarregar exigido vários canos, como o revólver pimenteiro e espingardas de cano duplo, ou câmaras múltiplas, como em revólveres. Outras destas juntam massa e peso sobre um único cano e uma única câmara, no entanto, e muitas tentativas foram feitas para obter tiros múltiplos de um único carregamento de um único cano através da utilização de cargas sobrepostas.[11] Enquanto alguns repetidores iniciais, como o repetidor Kalthoff, conseguiram operar usando sistemas complexos com múltiplas fontes de alimentação para bola, pó e primário, os mecanismos de repetição facilmente produzidos em massa não apareceram até que cartuchos autônomos foram desenvolvidos. Para rápido municiamento do tambor de um revólver, utiliza-se carregadores do tipo speedloader e moon clip.

Carregadores específicos para revólveres:
Speed Beez Loaders.jpg Moonclips.jpg
Speedloaders. Moon clips para três e seis munições.

Funcionamento[editar | editar código-fonte]

As munições são enfileiradas no carregador sobre pressão de uma mola, a cada disparo, a arma dispensa o estojo, e o carregador empurra para o encaixe da agulha uma nova munição, existem carregadores com bloqueio, para que não ocorra acidente.

Possuem várias capacidades, dimensões e modelos, podem ser feitos de materiais como aço e fibra de carbono.[7][12]

Imagens[editar | editar código-fonte]

Partes de um carregador:
9mm pistol magazine.jpg Pistol magazine parts.jpg
Um carregador de uma coluna
escalonada para cartuchos 9×19mm
da pistola Browning Hi-Power.
Acima: carregado e pronto para uso.
Abaixo: descarregado e desmontado.
Componentes de um
carregador moderno:[13]
1. Corpo
2. Mola
3. Fundo
4. Transportador

Tipos[editar | editar código-fonte]

Tubular[editar | editar código-fonte]

O primeiro fuzil de repetição produzido em massa a usar um carregador tubular fixo na arma, foi conhecido como rifle de ar Gilardoni ("Windbüchse" em alemão), que acondicionava as balas redondas, em 1779.

O segundo fuzil de repetição produzido em massa foi o "Volcanic", que usava uma bala oca com a base preenchida com pólvora e espoleta alimentada na câmara a partir de um tubo ao qual chamaram "carregador" ("magazine" em inglês), com uma mola responsável por empurrar a munição para o mecanismo de ação, e daí para ser posicionado na câmara e disparado. O nome "magazine" foi atribuído em referência a um edifício ou sala usada para armazenar munições. O fraco desempenho da munição "Rocket Ball" usada no "Volcanic" condenou-o à uma popularidade muito limitada.[carece de fontes?].

O fuzil de repetição Henry é um fuzil alimentado por um carregador tubular, com carregamento pela culatra (retrocarga), por ação de alavanca, e era uma versão melhorada do fuzil "Volcanic" anterior. Projetado por Benjamin Tyler Henry em 1860, foi uma das primeiras armas de fogo a usar cartuchos metálicos independentes. O Henry foi introduzido no início da década de 1860 e produzido até 1866 nos Estados Unidos pela New Haven Arms Company. Foi adotado em pequenas quantidades pela União na Guerra Civil e favorecido por seu maior poder de fogo que a carabina padrão. Muitos mais tarde encontraram o seu caminho para o Ocidente e foram famosos tanto pela sua utilização na Batalha de Little Bighorn, como sendo a base para o icônico fuzil Winchester que ainda são feitos até hoje.[14] Os fuzis Henry e Winchester continuariam em serviço com um número de militares, incluindo a Turquia. Suíça e Itália adotaram projetos similares.[14]

A primeira arma de fogo alimentada por carregadores a alcançar sucesso generalizado foi o fuzil de repetição Spencer, que serviu na Guerra Civil Americana. O Spencer usou um carregador tubular localizado na coronha da arma, em vez de embaixo do cano, e usou cartuchos metálicos novos. O Spencer teve sucesso, mas a munição de fogo indireto ocasionalmente acender no tubo do carregador e pode destruir o mesmo, podendo também ferir o usuário.

Os novos fuzis por ação de ferrolho começaram a ganhar apoio dos militares na década de 1880 e eram frequentemente equipados com carregadores tubulares. O Mauser Model 1871 foi originalmente um fuzil por ação de tiro único que adicionou um carregador tubular em sua atualização de 1884. O norueguês Jarmann M1884 foi adotado em 1884 e também usou um carregador tubular. O fuzil Lebel modèle 1886, também usou um carregador tubular para 8 disparos.[15]

Spencer rifle diagram.png Henry Rifle Loading pos.JPG
Diagrama do rifle Spencer mostrando
o carregador tubular na coronha.
Rifle Henry com seu carregador tubular
aberto para carregamento. Suas três
munições comparadas com uma
de calibre 44-40.

De tambor[editar | editar código-fonte]

O carregador de tambor é um tipo de de alta capacidade.[16] De forma cilíndrica (semelhante a um tambor), este tipo de carregador armazena círculos numa espiral, voltada para a direção do cano. Os carregadores de tambor são contrastados com os carregadores do tipo caixa mais comuns, que têm uma capacidade menor e armazenam rodadas planas.[16] Sua capacidade varia, mas geralmente fica entre 50 e 100 rodadas.[16]

Old State Penitentiary in Boise Gatling.jpg Lewis gun reloading mechanism.gif Double drum magazine filled.svg
Uma "Gatling gun" com o "Accles drum",
um estranho dispositivo de carga
parecido com um carregador de tambor
em que o transportador rotativo era
operado pela ação da arma
em vez de uma mola.
Funcionamento da
metralhadora Lewis.
Carregador de tambor duplo
totalmente municiado.

De caixa[editar | editar código-fonte]

De caixa integrada[editar | editar código-fonte]

"Carregadores de caixa integrados" de 1905.
1 & 2: Mosin-Nagant
3 & 4: Lebel Modelo 1886
5 & 6: Gewehr 1888
7 & 8: Mannlicher M1888
9 & 10: Lee-Metford
11 & 12: Geweer M. 95
13 & 14: Mauser M1893
15: Krag-Jørgensen
16: Schmidt–Rubin M1889

Os "carregadores de caixa integrados" (ou "Integral box"em inglês), eram simplesmente uma caixa integrada ao corpo da arma onde os cartuchos eram armazenados para serem disparados.

O cartucho militar foi evoluindo conforme o rifle que o usava evoluiu. Os cartuchos evoluíram de cartuchos de grande porte (calibre .40 / 10 mm e maiores) para menores que disparavam balas mais leves e de alta velocidade e incorporavam novos propelentes sem fumaça. O fuzil Lebel modèle 1886 e seu cartucho foram os primeiros projetados para uso com pólvora sem fumaça e usava uma bala canto-vivo de 8 mm que ficava armazenada de um carregador tubular. Mais tarde, isso se tornaria um problema quando a munição do Lebel foi atualizada para usar uma bala pontiaguda mais aerodinâmica. Modificações tiveram que ser feitas no estojo de fogo central para evitar que a bala Spitzer acionasse a espoleta do próximo cartucho alinhado no carregador devido ao recuo causado pelo disparo ou simplesmente manuseio grosseiro.[17] Esta continua a ser uma preocupação com as armas de fogo por ação de alavanca hoje.

As duas primeiras patentes de "carregadores de caixa" foram as de Rollin White em 1855[18] e William Harding em 1859.[19] Um "carregador de caixa" destacável foi patenteado em 1864 pelo americano Robert Wilson. Ao contrário dos carregadores de caixa posteriores, esse alimentava um carregador tubular e estava localizado na coronha da arma.[20][21] Outro "carregador de caixa", mais próximo do tipo moderno, foi patenteado na Grã-Bretanha (No. 483) por Mowbray Walker, George Henry Money e Francis Little em 1867.[22] James Paris Lee patenteou um "carregador de caixa" que continha cartuchos empilhados verticalmente em 1879 e 1882 e foi adotado pela primeira vez pela Áustria na forma de um rifle por ação de ferrolho em 11 mm, o Mannlicher M1886. Ele também usava um clipe de cartucho que mantinha 5 cartuchos prontos para inserir no carregador.[17][23]

O rifle por ação de ferrolho Krag-Jørgensen, projetado na Noruega em 1886, usava um carregador rotativo exclusivo embutido na armação. Assim como o "carregador Lee", o carregador rotativo segurava os cartuchos lado a lado, em vez de ponta a ponta. Como a maioria dos carregadores rotativos, ele era carregado através de uma porta de carregamento, um cartucho de cada vez, esta localizada na lateral da armação. Embora confiável, o carregador do Krag–Jørgensen era cara de produzir e lenta para recarregar. Foi adotado por apenas três países, Dinamarca em 1889, Estados Unidos em 1892[24] e Noruega em 1894.

De caixa destacável[editar | editar código-fonte]

Da esquerda para a direita:
 • clip en bloc de 8 tiros do M1 Garand
 • carregador de 20 tiros do M14
 • carregadores STANAG M16 de 20 e de 30 tiros

As armas de fogo que usam carregadores destacáveis são feitas com uma abertura conhecida como "compartimento do carregador", no qual o carregador destacável é inserido. O compartimento segura o carregador em posição para alimentar os cartuchos na câmara da arma de fogo e requer um dispositivo conhecido como botão liberação de carregador para permitir que o carregador seja separado da arma de fogo.[25]

O fuzil Lee–Metford, desenvolvido em 1888, foi um dos primeiros a usar um "carregador de caixa destacável", embora fosse apenas destacável para limpeza e não trocado para recarregar a arma.[26] No entanto, o primeiro "carregador de caixa destacável" completamente moderno foi patenteado em 1908 por Arthur Savage para o Savage Model 99.[27] Outras armas não adotaram todas as suas características até que sua patente expirou em 1942. Entre essas características, destacam-se as seguintes: ele tem "ombros" para reter os cartuchos quando é retirado da arma; ele opera de forma confiável com cartuchos de diferentes comprimentos; ele pode ser inserido e removido a qualquer momento com qualquer número de cartuchos. Esses recursos permitem que o operador recarregue a arma com pouca frequência, carregue carregadores em vez de cartuchos soltos e mude facilmente os tipos de cartuchos no campo. O carregador é montado com uma chapa de metal estampado de baixo custo. Também inclui um recurso de segurança crucial para caça perigosa: quando vazio, o "transportador"[28] impede que o ferrolho engate na câmara, informando ao operador que a arma está vazia antes de qualquer tentativa de tiro.

A primeira pistola semiautomática de sucesso foi a Borchardt C-93 (1893), usando "carregadores de caixa destacáveis". Quase todos os projetos de pistola semiautomática subsequentes adotaram esse tipo de carregador.[25]

O Exército Suíço avaliou a pistola Luger usando um "carregador de caixa destacável" em 7,65×21mm Parabellum e a adotou em 1900 como sua arma padrão. A pistola Luger foi aceita pela Marinha Imperial Alemã em 1904. Esta versão é conhecida como Pistole 04. Em 1908, o Exército Alemão adotou a Luger para substituir o Reichsrevolver no serviço de linha de frente. A "Pistole 08" (ou P.08) foi fabricada para o cartucho 9x19mm Parabellum. A P.08 foi a arma secundária usual para o pessoal do Exército Alemão em ambas as guerras mundiais.

A pistola semiautomática M1911 estabeleceu o padrão para a maioria das armas curtas modernas e também a mecânica do carregador para elas. Na maioria das armas de fogo, o transportador do carregador aciona uma trava de deslizamento para segurá-lo e manter a arma aberta quando o carregador está vazio e todos os cartuchos já foram disparados. Ao inserir um carregador carregado, o usuário pressiona o batente do "slide", deslocando-o para frente, retirando um cartucho do topo da pilha do carregador e colocando-o na câmara. Em pistolas de ação simples, essa ação mantém o cão armado para trás enquanto o novo cartucho é colocado na câmara, mantendo a arma pronta para começar a atirar novamente.

Durante a Primeira Guerra Mundial, os "carregadores de caixa destacável" encontraram preferência, sendo usadas em todos os tipos de armas de fogo, como pistolas, metralhadoras leves, submetralhadoras, fuzis semiautomáticos e automáticos. No entanto, após a "Guerra para Acabar com Todas as Guerras", os planejadores militares falharam em reconhecer a importância dos fuzis automáticos e do conceito de "carregador de caixa destacável" e, em vez disso, mantiveram suas visões e preferências tradicionais por rifles por ação de ferrolho "clip-fed". Como resultado, muitos designs novos e promissores de fuzis automáticos que usavam "carregadores de caixa destacáveis" ​​foram abandonados.

À medida que a Segunda Guerra Mundial se aproximava, a maioria das grandes potências mundiais começou a desenvolver submetralhadoras alimentadas por "carregadores de caixa destacáveis" de 20 a 40 cartuchos. No entanto, das grandes potências, apenas os Estados Unidos adotariam um rifle (na verdade, uma carabina) semiautomático de uso geral usando "carregadores de caixa destacáveis": a "M1 Carbine" com seus carregadores de 15 tiros. À medida que a guerra avançava, os alemães desenvolveriam o conceito de fuzil de assalto Sturmgewehr 44 com seu "carregador destacável" de 30 cartuchos. Após a Segunda Guerra Mundial, armas automáticas usando "caixas destacáveis" seriam desenvolvidas e usadas por todos os exércitos do mundo. Hoje, os "carregadores de caixa destacável" são a norma e são tão amplamente utilizados que são simplesmente chamados de "carregadores", e coloquialmente: "pentes" ou eventualmente "magazines" ("mags" em inglês) para abreviar.

Ilustração de carregador
monofilar (esq.) e bifilar (dir.).

Empilhamento[editar | editar código-fonte]

Os carregadores de caixa, tanto os integrados quanto os destacáveis, acomodam as munições empilhando-as de duas maneiras: ou em uma fila única - "monofilar" ("single stack") ou em uma fila dupla - "bifilar" ("double stack"). As características que distinguem esses dois tipos implicam em vantagens e desvantagens para cada tipo de emprego da arma: um carregador bifilar, tem a vantagem de aumentar a capacidade de disparos, e a desvantagem do aumento do volume (largura) da arma em uma situação de porte velado; já o carregador monofilar, está na situação inversa, ou seja: menos capacidade de disparos com um volume (largura) igualmente menor, facilitando o porte velado.[29]

Historicamente, enquanto o carregador monofilar vem sendo usado nas pistolas automáticas desde o seu surgimento, o carregador bifilar começou a ser desenvolvido em 1921, quando os militares franceses requisitaram à Fabrique Nationale (FN), uma pistola de 9mm com um carregador para 15 munições. O desenvolvimento desse projeto coube a um assistente de John Browning chamado Dieudonné Joseph Saive; o projeto foi bem sucedido e a partir de 1922 começou a dominar o mercado.[29]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «NRA Firearms Glossary». National Rifle Association. Consultado em 26 de junho de 2008. Cópia arquivada em 18 de julho de 2011 
  2. «Gun Zone clips vs. magazines». The Gun Zone. Consultado em 26 de junho de 2008 
  3. «Handgunner's Glossary». Handguns Annual Magazine, 1994. Consultado em 21 de março de 2013 
  4. United States Army, American Expeditionary Force (1917). Provisional Instruction on the Automatic Rifle, Model 1915 (Chauchat). [S.l.: s.n.] , translated from the French edition, 1916
  5. United States Ordanace Dept. (1917). Description of the Automatic Pistol, Caliber .45, Model of 1911. [S.l.: s.n.] 
  6. United States War Dept (1907). Annual Reports of the Secretary of War. [S.l.: s.n.] 
  7. a b «Gun Zone clips vs. magazines». The Gun Zone. Consultado em 26 de junho de 2008 
  8. «Magazine». SAAMI. Consultado em 26 de junho de 2008 
  9. «Cartridge Clip». SAAMI. Consultado em 26 de junho de 2008 
  10. «Firearms Glossary». National Rifle Association 
  11. Charles Winthrop Sawyer (1920). Firearms in American History, volume III. [S.l.]: Cornhill Company, Boston [falta página]
  12. «NRA Firearms Glossary». National Rifle Association. Consultado em 26 de junho de 2008 
  13. Manual de instruções para pistolas metálicas das armas Taurus. «Conheça sua pistola». Instituto DEFESA. Consultado em 13 de janeiro de 2021 
  14. a b A Naval Encyclopædia. [S.l.]: L. R. Hamersly & Co. 1880 
  15. Military Small Arms Of The 20th Century, 7th Edition, 2000 by Ian V. Hogg & John S. Weeks, p.179-180
  16. a b c E. Walker, Robert.Cartridges and Firearm Identification. CRC Press, 2013, págs. 229-230, (em inglês). Adicionado em 8 de Julho de 2021.
  17. a b Hugh Chisholm (1911). The Encyclopædia Britannica: A Dictionary of Arts, Sciences, Literature and General Information. [S.l.]: Encyclopædia Britannica , entry for Rifle
  18. EUA12648 EUA concedida 12648, Rollin White, "Improvement in repeating fire-arms", publicado em 03-04-1855 
  19. Great Britain, Patent office (1870). Abridgments of the Specifications Relating to Fire-arms and Other Weapons, Ammunition, and Accoutrements (em inglês) 1.ª ed. [S.l.]: George E. Eyre and William Spottiswoode. Consultado em 21 de março de 2021 
  20. Lugs, Jaroslav (1973). Firearms Past and Present: A Complete Review of Firearm Systems and Their Histories (em inglês) ilustrada ed. [S.l.]: Grenville. 717 páginas. ISBN 978-0-90324-305-6. Consultado em 21 de março de 2021 
  21. Robert Wilson (15 de novembro de 1864). «Improvement in self-loading fire-arms». Google Patents. Consultado em 21 de março de 2021 
  22. Westwood, David (2005). Rifles: An Illustrated History of Their Impact (em inglês) ilustrada ed. [S.l.]: ABC-CLIO. 470 páginas. ISBN 978-1-85109-401-1. Consultado em 21 de março de 2021 
  23. Lippincott, J. B. Company (1891). Chamber's Encyclopaedia: A Dictionary of Universal Knowledge (em inglês). VIII 1.ª ed. [S.l.]: W. & R. Chambers. pp. 720–721. 828 páginas. Consultado em 21 de março de 2021 
  24. United States Army, Ordnance Dept (1917). Description and Rules for the Management of the U.S. Magazine Rifle Model of 1898 and Magazine Carbine Model of 1899, Caliber .30 (em inglês) 1.ª ed. [S.l.]: U.S. Government Printing Office. p. 36. 74 páginas. Consultado em 21 de março de 2021 
  25. a b Brown, Edmund G. (2009). Handgun Safety Certificate. West Sacramento, California: California Department of Justice. p. 52 
  26. Hogg, Ian V.; Weeks, John S. (2000). Military Small Arms of the 20th Century (em inglês) 7.ª ed. [S.l.]: Gun Digest Books (publicado em 10 de fevereiro de 2000). p. 187. 416 páginas. ISBN 978-0-87341-824-9 
  27. Improved Magazine, Arthur W. Savage, emitida em 28 de abril de 1908
  28. O "transportador" é a peça de chapa metálica entre o último cartucho e a mola. Pode ser feito ou revestido com outros materiais, como náilon ou Teflon.
  29. a b «About the CMP». Pros and Cons of Single Stack vs Double Stack Pistols. Consultado em 16 de agosto de 2021 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • The Franklin Institute (Fevereiro de 1970). «Component Design». Automatic Weapons (PDF). Col: Engineering Design Handbook: Guns. [S.l.]: U.S. Army Materiel Command. pp. 72–79. AMCP 706-260 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Carregador (armas de fogo)