Cartão magnético

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O cartão magnético é um objeto de plástico de formato retangular em que pode armazenar qualquer tipo de dados digitais, através de uma tarja preta (magnético), que se localiza no verso do cartão.

Fabricação do cartão[editar | editar código-fonte]

A produção do cartão magnético é baseado na Norma da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - NBR 10528, no qual pode ser desenvolvido a partir do seguinte método:

Laminação - Os Cartões laminados, são normalmente fabricados em duas produções de (frente e verso) ou seja, em duas vias de plástico - PVC. Na impressão gráfica podem utilizar os processos Silk screen ou Offset. Para proteger a impressão e prevenir arranhões na superfície do cartão, é fixada duas camadas de plásticos transparente (Cristal), em ambos lados, servindo também para dar brilho ao cartão, melhor qualidade e durabilidade.

Após a impressão, as 4 placas de PVC e as duas camadas de cristal, serão fundidos em alta temperatura, juntando frente e verso. Geralmente, a quantidade de cartões por folha tem por média 25 ou 50 cartões, dependendo do processo de fabricação e de cada fornecedor. Após a impressão, os cartões serão cortados no formato padrão ABNT, conforme estabelecido em Normas. As dimensões estabelecidas em Normas são de: 86,0 x 54,0 mm, 0,76 mm de espessura. Podendo em alguns casos ser utilizados espessuras menores para reduzir custos.

Armazenamento de dados[editar | editar código-fonte]

Um cartão magnético tem a capacidade de armazenar cerca de uma centena de bytes de dados.

No verso do cartão é aplicada uma corrente elétrica para definir a tarja preta magnetizada. A partir daí, são formados pequenos batonetes invisíveis polarizados (pólo positivo e negativo) resultando em ímãs. Todos os dados do cartão são divididos em 3 faixas, no qual possuem diferentes densidades e codificações de bits conjuntos de caracteres.

No momento em que o cartão magnético é passado por uma cabeça de leitura (máquina eletrônica que descodifica os dados no computador), é alterada a freqüência da corrente elétrica dos bastonetes, modificando os tamanhos de cada um, formando códigos.

As cabeças de leitura identificam os comprimentos dos ímãs, interpretando o código binário (combinação de uns e zeros). Os bastonetes maiores produzem um sinal de tensão interpretado como zero. Os menores produzem uma variação na tensão elétrica transformada em um.

A maioria das cabeças irá ler a primeira e segunda faixa simultaneamente. Algumas cabeças avançadas podem ler todas as três faixas simultaneamente.

Dessa forma é feita a leitura dos dados.

Características básicas[editar | editar código-fonte]

- Cartão mais difundido no mercado.

- Não requer batérias ou energia interna.

- Inteligência baseado em sistemas pré estabelecidos (leitores) no externo do cartão.

- Capacidade de armazenamento limitado.

- É necessário um banco de dados centralizado.

- Tecnologia simples.

- Sistema de segurança restrita.

- Baixo custo de fabricação.

Utilização[editar | editar código-fonte]

É o cartão mais utilizado no mundo, possuindo uma tecnologia simples e de baixo custo, sendo este menos aperfeiçoado que o Smart card em que possui uma tecnologia de ponta, com alta segurança, enquanto a capacidade tecnologica desenvolvida nos cartões magnéticos são vuneráveis a fraudes e qualquer tipo de falsificação, pois seu sistema de segurança é muito limitado.

Podem ser utilizado largamente no setor bancário, financeiro, eventos, clubes, comercial e industrial. Serve para o controle de acesso, identificação, crédito, débito, transações bancárias e comerciais, ingressos a clubes, espetáculos, etc.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]