Casa-Museu Federico García Lorca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Casa-Museu Federico García Lorca
Huerta de San Vicente
Inauguração 1995 (23 anos)
Website www.huertadesanvicente.com
Geografia
País Flag of Spain.svg Espanha
Cidade Granada
Coordenadas 37° 10' 14" N 3° 36' 34" O

A Casa-Museu Federico García Lorca é um museu da cidade de Granada, Espanha que se encontra instalado na Huerta de San Vicente (Horta de São Vicente), a casa de veraneio da família do poeta espanhol Federico García Lorca entre 1926 e 1936, pouco depois do poeta ter sido executado pelas tropas franquistas no início da Guerra Civil Espanhola. A casa foi aberta ao público como museu em 1995, após ter sido adquirida pelo ayuntamiento (governo municipal) granadino em 1985. Situa-se no centro do parque Federico García Lorca.

O museu foi inaugurado com o conjunto de móveis, quadros e objetos domésticos que havia na casa quando ela foi comprada pelo ayuntamiento. Em 1995, os únicos documentos fiáveis que existiam sobre a disposição do conjunto mobiliários eram uma série de fotografias tiradas no período 1926-1936, entre as quais se destaca a série realizada pelo pintor Eduardo Blanco-Amor, além de fotografias familiares realizadas a partir de 1918 noutros lugares onde habitou a família García Lorca, nas quais se reconhecem algusn dos móveis, obras de arte e outros objetos que atualmente se podem ver na Huerta de San Vicente. Estas fotografias permitem qualificar com precisão quais os objetos "originais" que atualmente fazem parte da decoração da casa e que formam o espaço do museu. Entre eles encontram-se o escritório do poeta, o gramofone e a sua base, o piano de meia cauda, o divã, as cadeiras de baloiço e a cadeiras Thonet, uma reprodução da Primavera de Botticelli, o espelho com moldura art déco, entre muitos outros objetos e móveis. Além das fotografias, também forma muito úteis os testemunhos das pessoas que habitaram a Huerta, em particular Isabel García Lorca e os sobrinhos Vicenta y Manuel Fernández-Montesinos.

O resto dos móveis, objetos (loiças, cerâmicas e utensílios domésticos como o bengaleiro, a toalha de mesa, ou rústicos, como a queijeira, etc.) outros documentos e obras de arte que hoje estão expostos no museu foram parte do recheio da Huerat em alguma época entre 1926 e 1936 ou pertenceram em algum momento à família García Lorca, segundo se depreende das recordações dos familiares.

A Casa-Museu não esconde os elementos de ficção inevitáveis nem a evidência de que o que o visitante contempla não é exatamente o que os seus habitantes viveram. São salientadas as diferenças entre os diversos objetos (os documentados como originais, os pertencentes à família e os de época ou de ambiente) e a sua relação exata com a casa no período 1926-1936. O conjunto é simples e elegante, e procura tornar compreensíveis aspetos da vida e obra de Federico García Lorca a partir do passeio impressionista pelos espaços da sua intimidade doméstica. É assumida a tensão inevitável entre as perspetivas científicas e turísticas, entre a memória e o mito, e procura oferecer um melhor conhecimento da vida e obra de Lorca no fim da visita.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

Bibliografia complementar[editar | editar código-fonte]

  • García Lorca, Francisco (1980), Federico y su mundo, ISBN 9788420630588 (em espanhol), Madrid: Alianza Editorial 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Casa-Museu Federico García Lorca
Ícone de esboço Este artigo sobre um museu é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.